Poemas felizes sobre o amor

Pode ser que beijos doces redimam um homem amargo que desaprendeu com o tempo a dizer Eu te amo. São coisas que acontecem. A vida é dura. O amor amolece. Pode ser que ela banque pacotes completos para viajarem na fantasia, com tudo incluso, inclusive planos para um futuro breve e leves poemas para serem digeridos após se cometer loucuras a dois. O ilumina suavemente su rostro, Donde dulces pensamientos expresan Cuán pura, cuán adorable es su morada. Y en esa mejilla, y sobre esa frente, Son tan suaves, tan tranquilas, y a la vez elocuentes, Las sonrisas que vencen, los matices que iluminan Y hablan de días vividos con felicidad. Una mente en paz con todo, ¡Un corazón con inocente ... quien destruye su amor propio, quien no se deja ayudar. Muere lentamente quien se transforma en esclavo del hábito repitiendo todos los días los mismos trayectos, quien no cambia de marca, no se atreve a cambiar el color de su vestimenta o bien no conversa con quien no conoce. Muere lentamente quien evita una pasión y su remolino de emociones, o fogo tem uma metade de frio. Eu te amo para começar a amar-te, para recomeçar o infinito e para não deixar de amar-te nunca: por isso não te amo ainda. Te amo e não te amo como se tivesse em minhas mãos as chaves da fortuna e um incerto destino desafortunado. Meu amor tem duas vidas para amar-te. Por isso te amo quando não te amo Os poemas mais felizes de todos os tempos, de todo o mundo, reunidos em uma só página. Alegre-se, viva! La historia de la humanidad, es la historia de los mejores poemas de amor, se han escrito cientos de ellos, pero solo unos pocos escogidos han pasado a la posteridad y ya forman parte de nuestro legado. En las siguientes líneas, podrás encontrar los mejores versos sobre el amor que los grandes poetas de la humanidad han escrito. Poemas de felicidad y alegría de algunos de los grandes poetas de la historia como Pablo Neruda, Rubén Darío, Antonio Machado, Federico García Lorca, Gustavo Adolfo Bécquer, Vicente Aleixandre y muchos más. Donde quiera que estés en el mundo, desea a tus amigos, familia o pareja feliz amor y día de la amistad el tercer fin de semana de septiembre!. Por cierto, no te olvides de unas flores a tu pareja e incluso a tus amistades. Amigos, comentar esta entrada si os ha gustado y compartir las hermosas imágenes que Poemas de Amor os regala. Poemas de Pablo Neruda. Poeta chileno, es uno de los símbolos más grandes de lo que en Latinoamérica significa la poesía. Un dato; 20 poemas de amor y una canción desesperada. Pero no crean que aquí se acaba el listado, para que ustedes disfruten de poesía contemporánea y una moderna, les dejo el enlace a los 10 poemas de amor más ... Poemas de amor. Nada como um poema de amor para tocar lá no fundo do coração da pessoa amada. Conheça nosso acervo de poemas que falam sobre o amor.

Uirapuru

2020.06.29 01:12 K1NGW Uirapuru

[Então, eu estou trabalhando em um poema longo, bastante longo, mais ou menos na ideia de Terra Desolada de T.S Eliot. Enfim, até agr tenho esse começo e ficaria mt grato com feedback positivo ou negativo.]
A beleza das chuvas é cruel
O leito dos rios enche
A memória e tristeza, aviva
Da terra pouco nasce,
Sem ser verdejantemente majestoso
.
As raízes das árvores são superficiais
Como as do povo dessa terra isolada
Ó São José! Abençoai este solo
Abençoai vossa negra fortaleza!
Trazei paz, para essa floresta
Onde o índio aprendeu a ser português
Onde o português aprendeu a ser índio
.
Quando eu era criança,
Na beirada do barranco
Eu me lembro: meu primo me chamou
Para pular no Rio
Tive medo
Morri de medo
Porque o rio era um mundo
Um mundo nego e obscuro
Sob o qual jamais se pôde ver
Ou que jamais se quis ver
Um mundo que jamais foi desbravado
Eu me lembro do mergulho do rio.
.
Hoje, andando pela cidade
Curioso, vi
O amor que por ele, em segredo âmbar, cresceu
Porque, hoje, vejo
Que cada um tem um rio
De brilho negro
Sobre a palma da mão
E nele escolhem desaparecer
Como gotas de areia nas águas do rio
Às tardes eu me perco em pensamentos
E caminho pelo Largo São Sebastião
E me deparo com a maravilha celeste de Sacardim
Mil vezes borracha
Imortal seringueira
Ouro branco da Amazônia
Ouro branco perdido
Então me perco na história
Atravesso Floriano Peixoto,
Cruzo Getúlio Vargas
Grito na Sete de Setembro
Avisto Joaquim Nabuco
Terra nossa como podes ter ficado assim?
Desde quando os palácios deram lugar ao cortiço?
Floresta mãe, porque seu povo tem que tanto sofrer?
.
Dobram os sinos da Matriz
Determinando meu despertar
Vejo a janela
Vejo apenas o cinza
Cinza do cimento
Cinza dos carros
e um pouco de verde
Visto o terno e trabalho
Dia, tarde e noite
.
Na sombra da lua eu leio bastante
Mas eu não vejo minha terra nas letras
Chega! Mundo, ouça meu canto!
Abandono esse mundo dos homens
Despertam assas de minhas omoplatas
Asas de Uirapuru
Voarei até Nusoken
Onde poderei cantar até o sol raiar
Para que o mundo ouça a minha terra feliz.
submitted by K1NGW to rapidinhapoetica [link] [comments]


2020.06.19 05:10 astronauta04 "Para dona dos olhos cor de amendoas que me roubam as palavras"

"[...] me falem da pessoa que você gosta" ¹

Uma mulher dona de olhos cor de amendoas negras que me roubam as palavras. Seu jeito é puro, inocente e absolutamente sincero. Suas expressões faciais e falas são expontâneas, sem filtro. Sua voz me acalma e me atrai, não é aguda demais, está entre uma contralto e uma mezzo soprano. É única. Sua pele é parda clara, possui algumas sardinhas (imperceptíveis de longe) no nariz e um o sorriso mais belo e ingênuo que já vi. Seus cabelos são lindos, pretos como a noite, macios como algodão, levemente ondulados ( comprimento na altura dos ombros) e possuem o melhor cheiro que já senti até agora. Ah, como eu adorava segurar e acariciar seus belos, e brilhosos, cabelos macios enquanto sentia seu cheiro². Ela possui uma tatuagem, não muito grande, no braço direito (da qual se arrepende de ter feito), e uma leve cicatriz acima da sobrancelha direita. A propósito, suas sobrancelhas são bem finas, eu gosto. Suas orelhas são lindas e bem pequenas (eu brincava chamando de "mini-orelhas") e possuem um minúsculo piercing na direita. Se veste de modo simples: tênis, calça jeans e blusas; e nunca a vi de maquiagem. Ela tem gosto restritos. Adora Poesia/poemas (e gostava de ler para mim, ah como era bom), teologia e história. Só me beijava na mesma posição, com a minha cabeça inclinada sempre para o mesmo lado, qualquer tentativa de mudar o ângulo lhe gerava uma expressão confusa (e meiga) seguido de um pedido para que eu voltasse para a posição "padrão". Hahah, nunca entendi o porquê. Provavelmente nunca descobrirei. Ela já sofreu muito no passado, se abriu comigo e contou muito sobre a sua vida, seus traumas e medos; e relatou que acabava sempre se "auto-sabotando" quando encontrava alguém que gostava de fato. Tem dificuldades em falar sobre emoções e "congelava" sempre quando nos aproximávamos pela primeira vez no dia. Era preciso todo um quebra-gelo para nos abraçarmos e nos beijarmos sempre, e eu nunca reclamei, achava romântico. Sempre brinquei que a situação parecia com aquele filme "sessão da tarde" com o Adam Sandler e a Drew Barrymore "Como se fosse a Primeira Vez", ela pensava o mesmo. Não entendia sarcasmo, ironia, algumas hipérboles, e isso nunca foi problema para mim. Sempre me atentava para poder explicar minhas frases de efeito caretas antes que causasse alguma confusão mental nela. É curioso como as minhas lembranças dela ainda me arrancam sorrisos e despertam lágrimas. Ela me enchia dos mais belos elogios, disse que me amava. Engraçado como um "simples" 'eu te amo', expontâneo , lhe faz se sentir o homem mais feliz do planeta. As vezes parece que foi ontem. Após isso, minha vida mudou completamente. O mundo tinha mais cor, me sintia vivo, pleno. Em paz. Acho que esse é o sentimento: me sentia completo. É difícil descrever em palavras. Eu também me abri com ela e disse o quanto ela era especial para mim, o quanto eu a amava. Após isso, ela começou a se afastar cada vez mais. Acabei terminando com ela 4 vezes durante um ano. Toda vez que pedi apenas um posicionamento objetivo para saber se ela queria o mesmo do que eu, ela fugia e não falava diretamente. Toda vez que eu terminava ela me procurava semanas depois se dizendo arrependida e dizendo que sentia idiota por ter "deixado o homem perfeito ir embora". Mas ela também me disse que "apena$ amor não é $uficiente", que já sofreu muito financeiramente no passado e não quer isso para si novamente. Nunca falou claramente se era somente isso, mas mandava indiretas e me falou mais coisas muito desagradáveis. As vezes acho que um soco em meu estômago teria doído menos. Mas a vida tem dessas. Todavia, admiro a sinceridade. Não guardo rancor, apenas fico triste por não ter dado certo. Realmente me esforcei para entendê-la e fazer dar certo. Artigos e mais artigos científicos, livros e vídeos assistidos. Há algumas coisas que não dependem apenas de nós, é necessário perceber isso. A vida é feita de escolhas. Fico de consciência tranquila por ter oferecido o meu melhor. A dúvida que fica é se vou sentir tudo isso de novo por outro alguém. Mesmo após meses do término, em momentos inesperados lembro-me dela. Pequenos gatilhos acionam memórias e por vezes me pego com um sorriso bobo na cara, sendo o mesmo interrompido por um semblante triste percebendo que não será possível resgatar aquilo mais. Dizem que só o tempo cura, seria bom se viéssemos com manual de instruções para saber quanto exatamente. É foda pois as frustrações vão nos "calejando" e nos colocando no terrível dilema:
Ousar se jogar de cabeça, se expondo totalmente, com alto perigo de se machucar, enquanto contempla o mais belo cenário por quanto durar o mergulho; ou se armar de uma grossa camada de equipamentos e descer apenas meia profundidade por medo de se expor demais a experiência?
Melhor eu ir dormir, já lancei devaneios demais e hoje foi difícil. ³ Boa noite.

¹ Eu de certo modo queria fazer um post a respeito a um tempo, mas sempre acabava desitindo por N fatores. As vezes sinto que já falei demais a respeito (inclusive em terapia), mas enfim. Um post feito aqui no desabafos acabou me instigando a respondê-lo ( era "me falem da pessoa que voce gosta") e quando vi tinha escrito tanto que havia virado um post em si praticamente. Então, pensei: porque não?
² Mulheres, não gastem tempo/dinheiro com perfumes caríssimos, usem só xampu. Xampu é afrodisíaco.
³ Cyperpunk 2077 adiado de novo. Estou quase acreditando que o meme de que "será lançado em dois mil e setenta e sete" é real. Só um alívio cômico mesmo. Abraço galerinha insone, e durmam bem .
submitted by astronauta04 to desabafos [link] [comments]


2020.06.14 05:19 Salamandra01_ O meu primeiro amor...

Olá, Lubinha, editores maravilhosos e caros telespectadores dessas terras tupiniquins. Queria começar agradecendo por você dar tanto espaço aos seus inscritos e foi por isso que tive coragem de compartilhar uma história muito importante da minha vida com vocês.
Completei o ensino fundamental todo em uma escola particular, pois graças a minha mãe e uma pitadinha de sorte consegui uma bolsa integral lá. E eu agradeço muito por ter estudado lá e conseguido ter uma boa educação, porém nem tudo são flores. Haviam algumas restrições lá e uma delas era justamente o controle sobre relacionamentos. Acontece que a escola não tinha ensino médio e eu tive que vir para uma escola pública aqui do meu bairro.
Quando cheguei lá, estava sem amigos (já que o pessoal da particular nunca fez muita questão de estar comigo, e ainda por morarmos longe), fiquei completamente perdido, afinal o ambiente era totalmente diferente. E foi aí que a minha vida começou a mudar: comecei a perceber que ao responder as perguntas dos professores eu era intitulado de nerd, por causa das minhas roupas mais casuais e por ter estudado numa escola particular eu era o riquinho da turma, e o pior de tudo: eu provavelmente era a única pessoa daquela escola que ainda não tinha beijado. Por sorte, acabei conhecendo bons amigos, inclusive o meu melhor amigo.
Passou o primeiro ano e essas questões estavam me preocupando cada vez mais, até que algo incrível aconteceu: a menina mais linda que eu já tinha visto entrou na minha sala e sentou em uma das mesas. Foi a partir dalí que eu não conseguia mais prestar atenção nas aulas, pois só tinha olhos pra ela. Eu não teria coragem de chegar nela, até mesmo porque a pouco tempo atras eu nem me importava com isso e então não tinha experiência nenhuma. Até que um dia teve uma palestra e ela por coincidência ganhou um livro de poemas. Eu nunca fui o tipo de cara que gosta de ler, mas aquela era a oportunidade perfeita para eu tentar me aproximar. Quando estávamos voltando pra casa eu a chamei, os amigos dela estavam com ela e eu estava morrendo de vergonha, mas tomei coragem e pedi para que ela me emprestasse o livro depois de ler. Foi assim que começamos a nos falar.
Até que um dia aconteceu a festa junina na nossa escola, e eu estava andando pra lá e pra cá com meu amigo, quando do nada eu e ele recebemos um bilhetinho dizendo que tinha alguém interessado em nós. Eu fiquei desesperado tentando encontrar quem mandou aquele bilhete, mas no meu coração eu tinha certeza que foi ela. Então um dia enquanto conversávamos eu tomei coragem e disse: eu gosto muito de alguém, mas eu tenho medo de falar porque pode ser que esse alguém que eu goste na verdade gosta do meu amigo (porque ela poderia ter mandado o bilhete pro meu melhor amigo ao invés de mim). E eu fiquei chocado quando ela respondeu: eu gosto de alguém, mas eu não sei o que fazer porque a minha melhor amiga também gosta dele. Bom... não preciso nem dizer que eu estava num mix de felicidade e preocupação. Conversamos bastante e decidimos que, apesar de inevitávelmente machucar alguém, eu gostava dela e ela gostava de mim, e não seria certo nós nos restringirmos por causa da amiga dela.
Meu primeiro encontro estava marcado, decidimos ir ao cinema. Eu cheguei quase 2 horas antes porque estava muito ansioso. Me levantava do banco e sentava a cada 5 minutos, as pessoas a minha volta deviam achar que eu era louco. Tinham dos caminhos pelos quais ela poderia chegar, eu ficava olhando pros dois lados sem parar, morrendo de ansiedade. Até que eu vejo ela vindo, não consegui me segurar, ela estava tão linda que eu abri um sorriso de uma orelha a outra. Nos cumprimentamos, demos uma volta antes de entrar e finalmente fomos assistir o filme. Quando estava na metade do filme eu sabia o que tinha que fazer, mas minhas pernas tremiam muito e eu não conseguia me mexer, até que eu decidi olhar para o lado e esperar ela me olhar de volta. Acontece que, ela era tão quanto ou mais envergonhada que eu então ela não olhou. Então eu cheguei perto dela e disse que queria beijá-la (kkkkkk nós ficamos rindo por um tempo), até que enfim nos beijamos... não vou mentir, tivemos que tentar umas seis vezes até rolar um semi-beijo (porque ela também não tinha beijado muitas pessoas). Depois daquilo eu abracei ela e continuamos olhando o filme. Por sorte, quando estava quase acabando eu lembrei de pedir pra ela olhar o meu rosto (eu estava cheio de batom kkkk). Saímos junto e voltamos pra casa, não queria estragar o resto do encontro então nem arrisquei tentar mais um beijo.
Bom... foi depois disso que tudo começou a desandar. Um dia enquanto conversávamos ela disse que precisava de um tempo para pensar, e quando ela voltou disse que era melhor nós pararmos. Meu chão desabou, começaram os piores dias da minha vida. Eu continuei ao lado dela como amigo, mas eu só estava me enganando... me machucava ficar ao lado dela só como amigo mas eu também não queria deixar de ser amigo dela. Começou um período de total confusão, ela tinha namorado por pouco tempo com uma menina ha um tempo atrás e parecia que nós estávamos competindo por ela. Isso continuou até o verão quando eu fui pra praia no ano novo, estavam todos comemorando e eu não conseguia parar de chorar pensando nela. Foi quando eu vi uma daquelas brincadeiras por status do Whatsapp onde precisa marcar entre uma semana atrás, um mês atrás, etc. E essa outra menina tinha marcado uma semana atrás para beijo... foi quando caiu a ficha. Não tinha sido eu o escolhido. Eu entrei no pior momento da minha vida, se eu já estava triste depois daquilo eu fiquei destruído. Depois que voltei das férias pedi para ela pra gente assistir um filme que já queríamos assistir há um bom tempo. Me diverti durante a tarde, tentei esquecer tudo o que tinha acontecido. Na hora de ir embora, ela me acompanhou até metade do caminho, eu dei o abraço mais forte que pude dar e me despedi. Fiz isso porque eu tinha tomado uma decisão: eu não queria mais sofrer... aquela era a última vez q a gente se falava.
Chegou o terceiro ano, minha rotina era ir pra escola, voltar pra casa e enterrar minha cabeça no computador fingindo que o mundo não existia. Meu melhor amigo tinha começado a namorar e eu já estava cansado de tudo aquilo. Eu sempre fui meio a moda antiga, e isso era um pensamento que me atrapalhava, porque eu já tinha deixado de ficar com as pessoas porque eu dizia que aquilo era ruim, que era errado ficar com alguém sem ter sentimentos (mas também grande parte era por medo da minha falta de experiência). Então por olhar pro lado e ver todo mundo feliz enquanto eu vivia triste, decidi que iria mudar... que eu nunca mais ia pensar em namorar na vida e que só ia viver de aventuras. Não durou muito tempo, afinal é impossível tentar ser quem você não é, continuava só com um beijo na ficha criminal.
Foi então que minha vida virou de ponta cabeça de novo... eu recebi uma mensagem dela. Foi a mensagem que mais abalou o meu coração, ela estava muito triste comigo por eu ter deixado de falar com ela porque ela realmente gostava muito de mim e eu me afastar dela foi suficiente pra ela perceber isso. Bom... eu fui um cuzão, mas posso me justificar por ter sofrido bastante, eu estava com medo de sofrer de novo, então eu disse pra ela que tinha mudado e que se ela quisesse eu só ia ficar com ela. Mas o sentimento foi mais forte, eu também sabia que gostava muito dela. Até que teve o aniversário do meu amigo, e eu pedi pra ela vir na minha casa antes para nós conversarmos antes de ir. Foi uma conversa bastante estranha, mas no fim decidimos dar uma chance pra nós, no fim eu fiquei tão empolgado que tentei dar um beijo nela, mas ela desviou e me pediu desculpa (o que era completamente compreensível devido a toda situação).
Foi então que começamos a ficar. Apesar disso, nós ainda não tínhamos tanta intimidade e não tinha rolado um beijo de verdade ainda. Eu ia pra casa dela mas nós ficávamos conversando, conversando mas ninguém tinha coragem de avançar. Até que um dia nós decidimos ficar nas escadas do prédio... e foi a mesma coisa, conversamos até a hora de eu precisar voltar pra casa. Eu estava completamente frustado comigo mesmo por mais uma vez não ter conseguido tomar iniciativa. Eu me levantei e nos abraçamos pra nos despedir, quando a luz da escada resolve apagar... nós ficamos um tempo abraçados e aí finalmente rolou. Foi um momento mágico, como se fosse o nosso novo primeiro beijo.
Depois disso começou a melhor parte da minha vida. Eu tinha uma namorada linda e era muito feliz ao lado dela. Então chegou aquele momento da relação onde precisávamos dar o próximo passo, acontece que nós dois tínhamos irmãos e era raríssimo ter um pouco de privacidade. Foi então que eu tive coragem de pedir para o meu pai me ajudar, então um dia marcamos dela pousar aqui. Naquela noite meu pai levou minha família pra sair e eu fiquei sozinho com ela. Estávamos assistindo um filme comendo pipoca, a ideia era esperar o filme acabar mas não tínhamos tanto tempo assim pra esperar. Aquele parecia o filme mais longo do mundo, até que eu olhei pra ela e disse: tu ainda quer ver o filme? (Eu sei kkkkk eu tenho um dom de constranger as pessoas), novamente nos rimos por um tempo até que ela disse que não queria mais assistir. Eu fui até a tv, abri no youtube e disse pra ela: você tem duas opções de playlist, a atual ou a clássica (kkkk bom... isso eu posso explicar, eu sempre comentava com meu amigo que algum dia eu iria fazer amor ouvindo aquelas músicas românticas clichês, porque eu realmente gostava delas). Pra minha surpresa, ela escolheu a clássica. Aquele era o momento mais feliz da minha vida, eu não estava acreditando no que os meus olhos viam, ela usava uma linda lingerie preta e a luz da tv na pele morena dela dava um contraste lindo a beça. Aquela foi a nossa primeira vez, um momento muito especial pra nós dois, a minha primeira vez e a primeira vez dela.
Acho que muitas vezes as pessoas esquecem que sentimentos mudam tudo. Nosso primeiro beijo, nossa primeira vez... obviamente não foram as melhores coisas do mundo, mas para mim e para ela foi, porque não se tratava de beijo ou de sexo, se tratava de amor.
Nós namoramos por bastante tempo, até que os problemas começaram a surgir e as diferenças começaram a nos atrapalhar. Ela era uma pessoa que gostava bastante de sair e eu era uma pessoa mais caseira, que gostava de cinemas, restaurantes, piqueniques. Além disso, eu sou uma pessoa extremamente carinhosa, já ela tinha uma maneira mais sutil de demonstrar carinho. Isso ao longo do tempo começou a ficar cada vez mais evidente, até que começou a machucar. No início nos fingimos que não estávamos vendo, porque amavamos muito um ao outro e não queriamos nem pensar na possibilidade de terminar. Mas infelizmente se tornou inevitável, nós tivemos algumas conversas mas para nós darmos certo era necessário que ambos mudassem, e nós não achavamos certo ter que mudar, afinal um relacionamento só da certo se ambos aceitam e conseguem suportar as diferenças. Foi então que a gente viu que não dava mais certo e resolvemos terminar. No fim, o sentimento não foi de raiva, não foi de tristeza. Decidimos continuar amigos porque a amizade um do outro importa muito pra nós, eu quero que ela seja feliz e sei que ela deseja o mesmo pra mim.
Com essa história gostaria de dizer que ter maturidade significa olhar pra trás e não ter vergonha do passado. Graças a ela eu me tornei uma pessoa melhor e aprendi muitas coisas. Aprendi com meus erros e vou me certificar de não errar da próxima vez. Nunca vou me esquecer dos nossos momentos juntos eu vou guardá-la pra sempre no meu coração.
OBS: sobre os bilhetinhos de festa junina, quando namoramos ela me contou que na verdade o bilhete que eu tinha recebido era da amiga dela e ela resolveu mandar pro meu amigo pela zueira kkk / outra coisa, ela foi muito importante pra eu mudar meu pensamento retrógrado, hoje eu sei que não tem nada de errado em ficar, e que na verdade é até bom pra conhecer a pessoa bem antes de tentar algo.
É isso, te amo Luba! Abraços!
submitted by Salamandra01_ to TurmaFeira [link] [comments]


2020.05.27 16:05 usernamenaoseihaja1 O WEB NAMORO PARTE 2

Então passou dois messes +/- e ela começou a mudar muito Sempre que eu mandava mensagem ela demorava muito pra responder e quando respondia ela não demonstrava interesse e então com o tempo isso foi me machucando Eu comecei a me sentir muito mal com aquilo e foi aí que eu decidi tomar uma decisão terminar com ela,ms eu não sabia com fazer isso até porq eu amava muito ela(Eu acordava ela com poemas e versos todos os dias)Eu gostava muito de escrever poemas ela era a minha grande inspiração não tinha um dia que eu não escrevia um poema pra ela ms enfim.
Mesmo amando muito ela eu tive que tomar uma decisão eu terminei com ela e passei 2 dias chorando muito quando eu terminei com ela foi como se eu tivesse tirando um grande pesso das minhas costas e com o tempo as coisas começaram a ficar piores
Eu comecei a matar aula,eu parei de comer,tinha dias que eu simplesmente passava a noite inteira acordada sem fazer nada essa foi a "pior" fase da minha vida
Nessa época eu era muito magra e como eu não estava comendo nada as vezes eu passava mal na rua,eu sempre tive problema respiratório ms antes eu n sabia oque era então eu sempre parava no hospital(A mina mexeu muito com o meu psicólogo)
Voltando ao assunto Passou um tempo e eu não conseguia parar de pensar nela ai eu decidi mandar mensagem pra ela pedindo pra reatar o namoro e ela aceitou eu fiquei feliz (pensei que ia ser como antes)isso tudo aconteceu 1 mês antes do meu aniversário.
No dia do meu aniversário Eu acordei e ela terminou comigo e isso estragou o meu dia(Eu nunca ms comemorei meu aniversário)nesse dia eu realmente me afundei na depressão,com o tempo eu comecei a me cortar,comecei a ter alucinações eu via bixos,pessoas mortas etc(só quem já passou por isso sabe como é)
Ms enfim passou um tempo e chegou o dia que eu cansei de tudo No dia 24 de agosto de 2018 eu tive um desentendimento com a minha irmã e eu peguei uma das giletes que eu tinha no bolso e fiz dois cortes no meu braço(um dos cortes pegou na cartilagem)começou a voar sangue para todo os lados e eu entrei em desespero
Peguei 2 bandanas que tinha na minha mochila e comecei a enrolar mos braços e sai do condomínio rápido pra ninguém ver aquilo passei a portaria voando kkkk
Na hora que eu ia sentar na calçada uma mulher tava saindo com o carro da garagem e ela viu o meu braço sangrando e ela começou a chorar ela chamou a família dela pra me ajudar sentou do meu lado e super me motivou sabe?
Ela foi um amor de pessoa,ela orou pela minha vida e me pediu pra orar com ela e eu meio que só fechei os olhos e deixei ela orar,aí ela ligou pra ambulância
Eles não quiseram vir,na segunda tentativa foi completamente diferente Ela pediu a ambulância e me botou pra falar com a médica A médica me perguntou minha idade e onde eu morava etc.
A ambulância chegou e eu entrei me amaram na maca,me colocaram um bagulho no meu dedo que eu não sei oque era,não deu 2 minutos e já tinha um monte de pessoas em volta da ambulância querendo saber oque tinha acontecido.
(A para médica que tava na ambulância era muito linda,ela tinha um sorriso mt lindo me apaixonei por ela kkkkkk zoas)
Chegando no hospital foi tudo normal né a médica costurou meu braço(kkjkkk mano ce acredita que enquanto ela costurava meu braço ela começou a contar uma história muito nada haver tipo elas estavam conversando sobre o dia que ela precisou costurar o pinto do cara pq o pinto dele tira ficado agarrado no fecho da calça e eu fiquei tipo ?????? Moça?)
Tomei 2 anestesias local e tomei 10 pontos,tenho foto dos cortes.(Se quiserem ver eu posto) Não deu 10 minutos e chegou minha mãe(baraqueira) meu irmão é minha namorada na época.
Eles queriam tomar o meu celular porque eles achavam que eu estava participando da "baleia azul" kkk.
Ms enfim minha namorada(hoje em dia não falo ms com ela) Cuidou de mim,ela me dava os meus remédios tudo no horário,me dava almoço e janta(Na época minha mãe saía muito pra trabalhar e estudar) Então a minha namorada ficava o tempo todo conversando comigo e cuidando de mim umas 13:00 da tarde eu ia dormir na cama dela,e todo dia a mesma coisa.
O tempo passou e chegou o dia de tirar os pontos tirei e fui pra casa Uns dias depois eu voltei lá pra uma consulta. Até que um dia por pura conhecidencia eu tava conversando com uma médica e ela tava contando que ela salvou a vida de uma menina(Eu era a menina ms ela não sabia)
Ela falou que essa menina tentou se matar e eu ri e disse a menina sou eu e ela ficou muito feliz de me conhecer e com o tempo ela se tornou a minha melhor amiga sabe?ela me ajudou durante um tempo,ela me passou o endereço de um lugar que as pessoas se ajudavam(era um grupo de apoio eu frequento lá até hj)
Messes depois Ana Beatriz me mandou uma mensagem e eu toda besta pedi pra voltar com ela novamente(A cara eu sou muito idiota desculpa)ela aceitou só que ela disse que tinha que me contar uma coisa que talvez me faria mudar de ideia.
Ela estava grávida na hora eu achei que ela estava zoando ms não Ela me mandou foto da barriga aí eu pensei mentira (ela sempre foi gordinha então não dá mesmo pra ver que ela estava grávida kklkk)
Aí ela me mandou foto do cartão de gestante Só ai que a ficha caiu e eu pensei (mano era não era lésbica?) Ms enfim ela me iludiu durante um mês
No dia 29 de dezembro de 2018 ela me pediu ajuda e eu não recusei ajudar lá né
Ela disse que não tinha dinheiro pra fazer a ultrassom do bebê e eu ofereci 100 reais pra ajudar,ela me passou os dados da conta e eu depositei o dinheiro(Eu sei que eu não tinha obrigação nenhuma de ajudar ms eu tenho um coração muito bom)
O golpe. Sim eu depositei o dinheiro e ela ainda tenho me aplicar um golpe ela me mandou uma mensagem dizendo que o dinheiro não tinha caído na conta e eu pedi pra ela me mandar foto do comprovante pra mim ver se realmente não tinha caído e ela se recusou a mandar inventou um monte de histórias e não falou ms cmg.
No dia seguinte Ela me mandou uma mensagem assim "Já faz muito tempo que eu não sinto nada por vc" Essa mensagem me destruiu,minha auto estima ficou mt baixa nesse dia. Chorei ms superei kkkk
Eu xinguei ela e bloquiei. Depois disso eu perdi a confiança em todo mundo.
(Tenho uma outra história que complementa essa ms não deu pra contar aqui se vcs quiserem eu conto depois)
submitted by usernamenaoseihaja1 to TurmaFeira [link] [comments]


2020.02.27 15:36 K1NGW Os filhos do átomo

[Então, essa é minha tentativa em fazer um poema longo, similar à, por exemplo, "A máquina do mundo" de Carlos Drummond de Andrade ou "O uivo" de Allen Ginsberg. Gostaria de, realmente saber o que vocês pensam desse poema. Tenho tentado publicar recentemente, sem sucesso e penso em desistir de tentar publicar e guardar meus contos e poemas apenas numa gaveta de meias, então digamos que esse poema é minha última bala para ver se eu tenho um pingo de talento e/ou habilidade ou se é somente um devaneio da minha cabeça em ser um escritor. Desde já, agradeço a atenção e foi mal pela introdução medíocre kkkkk]
I-Letreiro
As armas e barrões assinalados,
que ficam em suas salas de cristal
no topo do montes de concreto
sitiados pelas lâmpadas foscas
Às ninfas e sereias torpes,
que se embrenham pelo lodo
dos igarapés e rios
encharcadas do fedor de dejetos
Altos senhores do mundo moderno
com suas salvações enlatadas
soluções alienantes e
verdades incompletas
Permitam-me que o furor e o ardor
que da minha mão ferve em turbilhão
No papel, queimando, da caneta
Em ardis dobras, concedei-me
Ó senhores da fama e do prazer
que preenchem nossas vidas vazias
a habilidade de cantar
Maldita sina, ser o cantor e companheiro
de meus semelhantes
que vivemos cercados
pelos outdoors
que vamos ao cinema ver heróis
que nos perdemos em noites de garrafas
nos embriagamos no amor e ideias
que levamos os dentes arregalados na face
Estrelas mudas! Sejam as testemunhas
de nós, filhos do átomo e da eletricidade
nós, zumbis luminescentes, nada temos
nada buscamos, nada lutamos
mas o ideal está cravado no peito!
Com tinta de um estúdio de tatuagens podres
Canto o mundo que descende dos Césares, Einstein, Napoleão e Hitler
Os ódios que se mesclam ao amor
Ó leitor, seja tu, meu mais fiel inspetor
Observe os campos encharcados de fluidos
as mulheres sem amor
e os homens na guerra
e o humano sem choro
onde somente há a peste e a infelicidade
Veja! Não se esconda, jamais se esconda
Onde há infelicidade, há esperança
Vamos! Meu confidente mudo,
acompanhe-me pelos caminhos que
nós todos caminhamos!
II- Luzes faiscantes
Pulavam milhares ouvindo
ignotos, inconscientes, felizes
Ouça, ouça... dance, dance
As águas da esplanada se amontoam
o sêmen se mistura ao sangue
Do peito, a tosse nasce
A polícia invade a festa
Cacetes, nas mãos com armas
o sangue escorre
a fumaça sobe
é noite dia!
A hora do demônio
A hora sem fim ou começo
As mulheres e os homens se amontoam
numa orgia primordial
ritual para a gestação da nova geração
nascerá os super-homens!
Ainda que nasçam deformes e azulados
Mutilados pelas gravatas e togas
pelos livros que não lhe motivam
Obrigados a ler!
A leitura que um dia será banida
dizem futurólogos
apenas, conforta a alma, o prazer,
desses seres humanos
que se enfiam em escolas e faculdades
imersos em falsa vontade de conhecimento
guiados pelo prazer
do entorpecimento, do gozo e do ócio
fornecido pelo anseio do barão gordo
cheio de cédulas
Chega! Chega!
Liberdade! Abaixo aos barões
derrubemos os museus e os ídolos do passado
iremos criar novos museus e novos ídolos
tão banais, fúteis e sem significado
e nós, filhos do átomo, viveremos felizes
em meio a beijos e sorrisos
com o pobre abraçado ao rico
o feio, ao bonito; o côncavo ao convexo
e seremos tão cegos e felizes
como nossos antepassados
Traremos a eletricidade e a civilização
aos animais!
Seremos, nós, imortais
guiados somente por nossos anseios e desejos.
III- O louco do mercado
Por corromperes a juventude
és condenado a beber cicuta
não temam, não temam
Amai seu destino!
O caminho que tomas é feio
é uma prensa contra todos aqueles
Corruptor? Sim, o és.
afinal que mais pode ser?
Tu mesmo sendo filho do átomo
grita, esperneia, clama
por algo que não é uno
Onde há felicidade nisso que tu gritas?
Que vida há em ter os olhos abertos como o tens?
Ó grande vidente, as dores e o sofrimentos são muitos
Os risos e felicidades são a única solução
Fáceis, estupidamente fáceis de se conseguir
os líquidos, as seringas, as fumaças simples...
Quando não o contato, o rosto, o prazer
isto é a solução para toda a minha dor, ó profeta!
Nós, filhos do átomo, assim como nosso pai
somos divisíveis ainda que dito indivisíveis
Embreamo-nos pelas ruas sujas e fedidas
na qual os anjos bêbados dormem sobre o papelão
Façamos a revolução! Lutemos, lutemos
Nós que vivemos na eternidade do tempo dos alarmes
livres, tão livres que somos presos
amordaçados, alienados
Que nos importa as ciências e os deuses?
As esfinges dos clubes de luzes nos satisfazem
Os sarcófagos da manhã seguinte nos satisfazem
O papel com o selo nós satisfaz
ignorantes como o somos, nós nos alegramos em ser ditos mestres
Mestres da saúde, da engenharia, das leis
Mestres dos prazeres, da guerra e da revolução
Ó, louco do mercado, com essas chagas que trago
por que os filhos do átomo devemos sair das casas adornadas
nas verdades que construímos para unificar nosso ego e justiçar nossos olhos fechados?
Ó, Louco do mercado, por que carregas essa lanterna?
Busco aqueles que enxergam, ó poeta!
Tu que cantas o novo milênio e sua geração
és mais filho do átomo que todos!
dividido em trazer o mundo que vês e sentes
ou trazer o mundo que pensas e refletes ...
Onde estão seus oximoros?
Tu que somente vive pelas palavras
busca liberdade, mas encontra correntes nas palavras
Se minha vida se torna morte
e minha morte se torna vida
para seus companheiros
Ó, filhos do átomo, se preferem ficar em suas casas de efemeridades
Embebecidos de dinheiro, sexo e álcool
vivam por suas escolham...
enganem-se sem justificativa
assumam seu anseio de fuga irreal
viagem para as terras da fantasia
para o mundo de heróis
criem suas utopias
e vivam do ópio e do gozo
Ó, louco do mercado, porque justo eu?
Por que tu és o poeta!
Tu deves escrever!
E agora?
E agora?
é chegada a hora de partirmos,
eu para a morte,
vós, filhos do átomo, para a vida.
Quem segue melhor destino,
se eu,
se vós,
é segredo para todos,
exceto para a divindade.
IV- A máquina de loucos
E como eu palmilhasse vagamente
Por uma estrada de concreto seco da cidade
eu vejo as almas do purgatório
que viagem de São Paulo ao Rio
embebecidas de Omeprazol
Rodopiantes em círculos do metrô
com suas gravatas abotoadas
seus jalecos brancos embaixo do braço
suas esperanças e sonhos enfiados numa maleta
considerar-se-ão felizes pelas noites anteriores
presos a sua rotina maçante e normal
que podem jamais ser julgados por viver dessa maneira
Os tapas na costa e os pedaços de latas enfaixados são suficientes
Eles adocicam as mínimas vitórias que elevam como vitórias de César
Confesso que deveria estar alegra, mas eu acho tudo isso uma grande piada
E se todos acreditam que ser um
médico, policial, padra, engenheiro ou advogado e escrever posts na internet
basta para melhorar o nosso belo disfuncional quadro social
vida? Essa é a vida que o louco falou?
Não, não, basta, basta
Basta de palavras
Botões aqui
Doenças para lá
Sorrisos vendidos em camelôs
Preconceitos destilados em igrejas
Alegria entorpecida aceitada pelos filhos do átomo
Eu que tomos a caneta em meus dedos na hora violeta
no momento que lua e sol compartilham o céu
me sinto enojado da putrefação
não me resta nada para cantar
eu que não sou do mundo
eu que não sou do além-mundo
eu que não sou nada
eu que sou filho do átomo
mas eu não sou filho do átomo
eu que não sou outra coisa senão poeta
De que me serve essa caneta?
Basta.
Devo eu ser o louco...
Todos caminham na multidão
eu que devaneio em me desviar
Estarei com todos no leito dos mortos
Incompreensível, eu caminho
Estarei com todos no leito dos mortos
Motivos e filosofias morreram
Estarei com todos no leito dos mortos
Vida vivida tão simples e agonizante
Estarei com todos no leito dos mortos
Maldito pensamento que brota em mim
Estarei com todos no leito dos mortos
Silêncio, mente!
Estarei com todos no leito dos mortos
Maldito mundo, por que um dia nasci para vê-lo?
Estarei com todos no leito dos mortos
Mundo cinza e torpe, por que decido cantá-lo
Estarei com todos no leito dos mortos
Minha sanidade se esvai em palavras
Estarei com todos no leito dos mortos
Bendito será o dia em que estarei com todos no leito dos mortos.
submitted by K1NGW to rapidinhapoetica [link] [comments]


2020.01.24 03:08 grossecommeunevache A pessoa que eu mais amo está se matando e eu não consigo fazer ele parar.

A pessoa mais maravilhosa que eu já conheci, a pessoa mais carinhosa, mais sincera e mais confiável que eu já conheci na minha vida, a pessoa que sempre deixou tudo de lado pra cuidar de mim, que sempre escondeu sua dor pra me salvar está se matando, se destruindo, desistindo de si próprio, e eu sou fraca de mais pra salvar ele, ele me salvou tantas vezes e eu não consigo salvar ele uma única vez.

Meu irmão, o mais novo de nós três, o caçula, que sempre ficou quietinho no canto dele fazendo as coisas dele - desenhando, lendo livrinhos, andando no quintal atrás de insetos pra observar, olhando para qualquer pássaro que passava como se fosse a coisa mais impressionante do mundo, o garoto mais legal e inteligente que eu já conheci, o garoto mais sensível, carinhoso, generoso e honesto que eu conheci está desistindo, quer ir embora, sumir desse mundo.

Ele sempre foi meu melhor amigo, sempre junto de mim, jogando bola no quintal, bolando travessuras pra pegar nos nossos vizinhos, conversando comigo na madrugada sobre todos os tópicos mais aleatórios possíveis, sempre do meu lado, sempre me abraçando e sorrindo pra mim, me fazendo rir, sorrir e me erguer quando ninguém mais conseguia me fazer lutar, eu sempre vi ele com tanta admiração e orgulho, até um pouco de inveja, ele era o aluno exemplar, o gênio da classe, o favorito dos professores, trazia orgulho pra nossa mãe, até pro nosso pai, ele estava sempre aprendendo algo por conta própria, ele aprendeu a desenhar sozinho, desenhava animais tão bem, sabia tudo sobre história, adorava biologia, na nossa adolescência ele começou a se interessar por filosofia, política e geopolítica, quando ele falava todo mundo se calava pra ouvir o que ele tinha a dizer, por que ele era quieto e falava pouco mas também por que todo mundo sabia que ele era inteligente e não falava se não tivesse algo de útil pra dizer, ele escrevia muito, escrevia poemas lindos, eu tinha um orgulho imenso de falar "ele é meu irmão!" - me sentia na sombra dele às vezes, principalmente na escola, mas mesmo assim eu não conseguia deixar de me orgulhar por esse irmão maravilhoso que eu tenho, eu comecei a lutar, me esforçar pra ser como ele, eu tinha que estudar duro, passar noites debruçada nos livros e apostilas pra conseguir chegar no nível dele que nem se esforçava tanto assim e parecia conseguir essa excelência e destaque naturalmente, eu tinha certeza absoluta que ele iria ter um sucesso imenso na vida, todo mundo pensava isso, eu lembro que uma amiguinha de escola disse uma vez pra ele: "quando você for rico, tiver sua empresa, lembra de mim, tá?" todo mundo sabia com certeza absoluta que ele iria deixar todos nós pra trás comendo poeira, ele era especial, uma estrela.

Eu não sei o que deu errado, eu não sei o que fizeram pra quebrar o coração dele desse jeito, eu não sei se o tempo todo ele estava fingindo, resistindo, lutando, retaliando do jeito dele a crueldade e monstruosidade do nosso pai, se ele fazia isso pra compensar, pra se sentir valorizado pelos outros pra compensar o desprezo e ódio que nosso pai infligiu nele, mas eu sei que quando nossos pais se separaram e nós ficamos com a nossa mãe eu fiquei tão feliz, ele nunca me maltratou, na verdade eu era a favorita dele, ele tratava nossa irmã com muito carinho também, mas eu odiava ele por causa do que ele fazia com meu irmão, ele era horrível, maltratava ele o tempo todo, sem nenhum motivo, meu irmão era um menino incrível, ele obedecia tudo que nossos pais diziam sem reclamar, ele queria ser amado, ele queria mostrar o amor dele o tempo todo e tudo que ele recebia era desprezo, gritos, castigos, humilhações, violência, eu odiava ele e queria que ele saísse da nossa vida, queria que meu irmão fosse tão confiante e incrível em casa como ele era na escola, eu tinha certeza que quando eles se separaram meu irmão teria paz, mas não foi assim, ele começou a andar com pessoas que faziam coisas ruins, ele começou a fumar, depois beber, depois ele sumia de noite e de madrugada sem explicar direito onde estava, chegava estranho, de ressaca, aí ele começou a ter uma performance ruim na escola, cabular aula, não fazia sentido - ele nunca foi assim, o que está acontecendo maninho? você não era assim! mas ele não dizia, ele só dizia que estava tudo bem, e eu achava que era uma fase ou sei lá, eu não me preocupei como deveria, eu não fiz o que devia fazer, eu não fiz por ele o que tinha feito por mim a vida toda: deixar de lado minhas preocupações pra abraçar ele e cuidar dele. Eu falhei com ele e quando eu vi ele já estava bebendo todos os dias, fumando meio maço de cigarros por dia, fumando maconha, usando cocaína todos os dias ou quase todos os dias, injetando umas drogas que eu nem sabia que existiam, medicações que deviam ser injetadas em animais, em cavalos, por que caralho?? por que eu não consigo te ajudar? não consigo aliviar sua dor como as drogas aliviam? por que? eu te amo porra, eu vou ficar despedaçada se você morrer assim, eu já estou acabada, ver você no hospital todo imundo, vomitado, amarrado, se debatendo, gritando, olhando desse jeito como se nem lembrasse de mim já acabou comigo, o que eu faço pra te salvar? eu não sou médica mas eu te amo, eu daria tudo pra te salvar, o que eu faço? para de falar que tá tudo bem, não está nada bem, você é tão amado, tinha uma multidão de gente no hospital, seus amigos estavam lá querendo saber de você, brigando com o pessoa do hospital pra entrar lá e te ver, você é lindo, talentoso, inteligente, você é tão carinhoso, humilde, sincero e generoso que todo mundo gosta de você em todo lugar, na escola, no trabalho, no nosso bairro, por que uma pessoa assim está fazendo isso??? não está tudo bem se você está assim, para de ser idiota, para de achar que você tem que enfrentar tudo sozinho, para de mentir na minha cara sabendo que eu sei que você está mentindo pra mim, fala o que eu tenho fazer, eu faço qualquer coisa, eu faço agora mesmo, eu sacrifico tudo por você, mas eu preciso que você me dê só uma chance, por favor, não me abandona, eu sempre vivi com você, eu não sei como é viver sem você, eu não sei se eu consigo, eu tô com medo, eu não consigo parar de chorar, eu não sei o que fazer pra te salvar.

Eu não aguento isso, eu sinto raiva, eu sinto ódio, tanta gente que só fodeu comigo vivendo numa boa e meu irmão que sempre foi tão bom que acabava se prejudicando, sendo engando e mesmo assim perdoava sem pensar duas vezes, tratava as pessoas que maltratavam ele com respeito e compaixão está sofrendo desse jeito, que merda injusta do caralho mano, isso é errado, ele não consegue sentir raiva e odiar ninguém, não consegue machucar ninguém, então por que parece que ele se odeia tanto, por que ele se machuca tanto, eu não entendo isso, eu tô desnorteada, eu não sei o que fazer, eu só quero voltar atrás e abraçar ele antes de ele sair pela porta de noite sem dizer onde ia, dizer que eu amo ele e pedir pra se abrir comigo e contar comigo ao invés de ir atrás dessas coisas que estão destruindo ele.

Ele perdeu muito peso, ele não se cuida mais, ele foi parar no hospital várias vezes em uma única semana, ele não come, ele não conversa comigo direito, só desconversa e fica insistindo nessa merda de cuidar de mim quando é ele que precisa de cuidado, ele ficava escrevendo sobre suicídio, pesquisando sobre suicídio, ouvindo músicas de suicídio, ele deve estar em casa agora largado na cama olhando pro teto sem mexer um músculo ou do lado de fora bebendo e fumando sem parar, ele pode já estar morto, e eu não vou estar lá pra ajudar por que preciso estudar, eu não vou saber por que se mando mensagem ele diz que está tudo bem, mentindo pra mim, eu não quero perder meu irmão, não é justo, é errado, é cruel, eu não vou conseguir aguentar isso.
submitted by grossecommeunevache to brasil [link] [comments]


2020.01.20 01:55 ayu45 Como descobri que tenho depressão

Faz exatamente 6 meses , que tudo começou. Começou um um enjoo que não acabava mais . E meses antes tinha descoberto que tinha problemas na tireóide, e sempre que eu falava que tinha algo de errado comigo, minha mãe respondia "é a tireóide filha" , pois para quem não sabe isso afeta o psicológico é afetado também. Mas continuando no assunto do enjoo, sempre que ia para a escola passava mal, eu achava na época que era só meu refluxo atacando denovo, até chegar perto das férias e eu ir para uma médica que cuidava da questão da tireóide, eu insisti e falei "mãe não é só isso mãe, eu não tô legal" e ela me encaminhou para um psiquitra , que logo depois trocamos por alguns motivos. Os tais motivos eram que eu precisava de um psiquiatra que me afastasse da escola , porque eu não estava mais aguentando ir na escola , passava mal e tinha crises. Até que eu troquei e o psiquiatra me afastou por meses. O engraçado é que uma semana depois que a médica da tireóide me encaminhou para o psiquiatra, foi logo que começou as crises. Fiquei em casa parada, minha mãe me ajudou muito. Me acolheu e cuidou de mim muito bem. Nesse meio tempo eu estava com uma psicóloga mas logo troquei, por outros motivos. Em agosto para setembro, eu não conseguia sair de casa. Tinha pavor dos olhares dos outros sobre mim. Se eu saísse da porta para fora, ficava com a perna bamba e a crise atacava. Teve crises que eu não conseguia falar, ou mexer as pernas pois meu corpo não deixava. Teve crises que gritei até ficar rouca. Eu simplismente não aguentava mais. Até uma época que comecei a me queimar , meus pulsos estão marcados até hoje , mas nada de muito grave. Deis de então comecei a ter um pouco mais de amor pela minha vida, e comecei a me julgar bem menos. Pelo menos por alguns dias, pois tenho uma síndrome chamada síndrome de bonderline que é similar a bipolaridade, muitas vezes confundida com a mesma. Então basicamente meus dias são bem confusos. Teve dias em que chorava , mas no fundo não sabia o porque. Voltando para o hoje. Hoje estou orgulhosa pois nesses meses todos, consegui sair de casa e brincar com os meninos da rua. Também estou feliz porque ganhei o pc dos meus sonhos. Estou tentando me amar e me ajudar mais . Mas sabe é meio desgastante , você acordar bem e um dia com ódio incansável de você . Mas nunca fiz nada demais com meu corpo, na verdade eu me mutilava mentalmente . Tinha vontade de tacar a cabeça no espelho. Tinha vontade de me jogar da escada . Tinha vontade de bater a minha cabeça na parede até entrar em estado inconsciente. Tinha vontade de mecher no pc, viciar , não sair mais. Até chegar numa idade e se eu morresse por algum motivo , eu pensava "pelo menos vou morrer feliz". Toda vez que sonho eu agradeço por ter sonhado, pois ele me tira da realidade e me tira daqui de alguma forma. E daqui uns 11 dias vou voltar para escola, estou animada, é escola nova , pessoas novas. Espero que esse ano seja muito bom, tomara que seja que nem aquelas histórias onde a pessoa passava por um momento infernal depois tinha os melhores momentos da vida. E na verdade eu nunca fui feliz de verdade , pois sempre vivia no automático. Nunca preocupava com meu bem e nem se minha vida estava boa. Não via sentido, mas não trazia esse assunto a tona pois senão eu ia ter mais uma crise (obs: tinha crises escondida na minha casa , pois ficava sozinha a tarde). Estou tentando me encontrar e achar uma personalidade. Atualmente nasci menina mas to me descobrindo e me identificando com o gênero masculino, gosto de fazer poemas e dançar, quero ser poetisa quando crescer e quero publicar meus livros, sou tímida, gosto de jogos , sou uma menina "tomboy ", sou boa com ritimos , adoro qualquer tipo de música. Bom esses são algumas coisas que estou descobrindo sobre mim. Se quiserem eu posso publicar mais sobre mim.
submitted by ayu45 to desabafos [link] [comments]


2019.10.11 19:10 DivinaNunato O melhor rival do mundo é você mesmo

Para progredir na vida, você não precisa se comparar a ninguém: é mais produtivo e gratificante olhar para trás e estabelecer metas de curto prazo.
Desde a escola, eles nos ensinam a competir contra outras pessoas, e não apenas no esporte. Os alunos mais brilhantes despertam admiração e ao mesmo tempo a raiva daqueles que não obtêm boas notas. Quando entramos na adolescência, os sucessos de outras pessoas no amor e no sexo podem se tornar o espelho do nosso próprio fracasso. Um garoto ou uma gangue faz uma conquista após a outra, enquanto quem não "come um donut" pergunta: por que ele / ela come e eu não? O mesmo acontece, após a conclusão dos estudos, na carreira profissional e no status econômico que ela nos fornece. Tendemos a olhar para quem foi além de nós, e isso nos faz sentir diminuídos, como se tudo o que alcançássemos perdesse seu valor.
Quem se compara já está perdendo, porque coloca o foco da atenção no campo estrangeiro, em vez de trabalhar em seu próprio progresso. Nesse sentido, os grandes gênios da humanidade mergulharam na corrida de um único corredor, pois sua fixação era superar sua própria marca em um processo de constante auto-aperfeiçoamento. Como Lao-Tse disse há dois milênios e meio atrás, "quem obtém uma vitória sobre outro homem é forte, mas quem obtém uma vitória sobre si mesmo é poderoso". Encontramos a mesma idéia em um livro que está varrendo as paradas de vendas nos EUA: 12 regras de vida: um antídoto para o caos . Seu autor, Jordan B. Peterson, professor de psicologia da Universidade de Toronto, propõe em sua quarta regra: compare quem você era ontem, e não quem é hoje.
Igualar qualquer outra pessoa é seguro de frustração, já que raramente nos comparamos com os que estão abaixo. Observamos quem alcançou mais e, em vez de nos estimular, muitas vezes nos causa inveja ou até paralisia vital. Por que lutar se sempre haverá outros que receberão mais prêmios? Contra essa armadilha, Peterson propõe focar a competição em si mesmo: “Você não sente mais inveja de ninguém porque não pensa que os outros são verdadeiramente melhores que você. Você para de se sentir frustrado porque aprendeu a mirar baixo e a ser paciente. Você está descobrindo quem você é, o que deseja e o que deseja ser. ” A primeira parte dessa reflexão aponta para a ilusão comum de que conhecemos o nível de felicidade dos outros. Acostumados às redes sociais, onde apenas as conquistas são mostradas, podemos pensar que a vida do outro é melhor e mais feliz que a nossa, mas o que realmente sabemos da felicidade de alguém? Talvez o vizinho que tem um Porsche em sua garagem esteja pendente de embargo porque não pagou seus impostos, e que anda com um casal deslumbrante mora muito dentro porque é morto para discutir.
Com o "objetivo baixo", Peterson não se refere a ser ambicioso, mas a estabelecer objetivos de curto prazo, um após o outro, para motivar e medir o progresso. Nesta competição de um corredor, se hoje você é um pouco melhor que ontem, você já venceu a corrida. Nesta quarta regra de vida, o autor conclui: “Você está descobrindo que as soluções para seus problemas específicos devem ser adaptadas a você, pessoalmente e com precisão. Você não se preocupa mais com as ações de outras pessoas porque tem o suficiente para fazer a si mesmo. ”
Voltando ao início, ver o que os outros fazem busca benefícios inconscientes para quem tem medo ou preguiça de arriscar. Enquanto você está ciente do que o outro está fazendo, não se exige. Como no poema Esperando os bárbaros , de Kavafis, colocar nossa atenção do lado de fora é a desculpa perfeita para cruzar os braços. E isso não acontece apenas quando sentimos menos que alguém. Também criticando o outro, estamos evitando nossas responsabilidades. A regra exata de seis do mesmo livro de Peterson é: mantenha sua casa em perfeita ordem antes de criticar o mundo.
Se, em vez de nos compararmos ou tentarmos consertar outras vidas, focalizarmos quem somos e podemos nos tornar, será difícil não alcançar o sucesso. Estar ciente do lugar em que estamos, dos erros que cometemos ontem e da direção que queremos dar às nossas vidas, qualquer passo adiante será um progresso. E isso não apenas melhorará nossa existência. Por estarmos mais satisfeitos, também seremos uma empresa mais agradável para os outros.
Fonte, Original em espanhol
submitted by DivinaNunato to brasil [link] [comments]


2018.12.12 19:58 marvarlife Navidad

Feliz Navidad
Los miraba a todos con desconsuelo desde que cumplió cinco años, cuando, siendo un niño más inteligente de lo normal y con buen uso de razón, se comenzó a dar cuenta que Santa Claus no pasaba nunca por su casa. Pasó tres años más y Santa brillaba por su ausencia; La verdades que él no entendía mucho aquello y comenzó a cuestionarse cuál podría ser el problema. Y pensó que de seguro era que su pobre casa de viejas y corroidas láminas, adolecía de un problema mayor: no tenía número de casa!.
Era obvio que sin número de casa, Santa Claus no podía llevarle el regalo que en cada navidad pedía sin falta alguna. La dirección que ponía era: Casa de la niña Paula, final de callejón principal, a la par del palo de jocote; Colonia La Fuerteza. Cómo diablos iba el viejito a llegar con semejante dirección sin número de casa!”
Y es que, para alivio de males, su colonia era muy diferente de aquella de los otros cipotes de la ciudad. En aquel lugar de casas iguales a la suya sólo había el maltrecho callejón empedrado y veredas de polvo donde trajinaban entre piedras y lodazales los perros flacos y los flacos escuincles de pies descalzos de la “colonia”.
No era culpa de Santa, se convenció a sí mismo, era que el pobre barbuchon no podía andar adivinando direcciones malas por todo el país.
Así, cuando cumplió ocho años, cansado de esperar, decidió que él debería cambiar las cosas en su barrio por su propia cuenta, pues, había oido decir a su tía Rosa, "el que quiere celeste, que le cueste". Y se fue de casa en casa, más de treinta eran, y con un crayón negro que le pidió prestado a la maestra Julia, fue escribiendo números asignados por él mismo a cada puerta de cada casa. Su casa la pintó con números más gruesos y grandes; casa número 7 y más abajo puso aún un rótulo que decía Familia Flores de la Colina, para que no hubiera confusión con los otros Flores de la vereda tres.
La navidad se aproximaba a paso rápido y el ambiente en el pueblo era festivo. La maestra Julia supo del proyecto de Chepito, su mejor y más aplicado alumno quien además de inteligente, era un cipote dulce y servicial.
“Pobrecillo niño” le dijo la profesora a su marido; “pintó las casas de su barrio con números en las puertas para que este año, Santa Claus no se pierda y llegue sin problemas a su casa y a las casas de sus amiguitos del barrio!, puedes creer amor?!”
“Julia, no podemos resolver los problemas de todos los niños pobres del pueblo; esa gente más que juguetes de Santa Claus, necesitan alimentos, ropas, trabajo”
Ella sabía que su marido tenía la razón, aún ellos, gente de clase media, se la miraban a palitos para asegurarse que Santa visitara a sus dos hijos cada navidad. De hecho, ni siquiera sabía cómo iba a hacer para poder comprarle a Tomasito su primer triciclo que ya había pedido a Santa para este año.
“Chepito, ya hicistes tu carta a Santa? Preguntó la maestra Julia. “Si maestra, y estoy seguro que este año, él con toda seguridad no se perderá y va a encontrarnos pues puse números bien grandotes y claros en las puertas de cada casa de nuestra colonia.” Respondió con alegría Chepito.
A Julia se le encogió el corazón sólo de pensar lo triste que sería que Santa no llegara a casa de Chepito esta navidad, así es que, sin decirle a su marido, fue a la casa de empeño y pidió prestado $50 sobre su reloj Seiko; fue luego a casa de Chepito y le preguntó a doña Paula que qué era lo que Chepito más deseaba en las navidades.
“No se, Señorita Julia, él lleva una carta al correo, sin estampillas claro, y pues, don Toribio sólo me hace un guiño de ojo y le dice “Ok Chepito, esta vez seguro que tu carta le llega a Santa, el año pasado creo se perdió rumbo al norte” “Y qué hace don Toribio con las cartas?” “Pues la verdad no sé y tampoco quiero saber, mi niño es muy especial y los mas seguro pida cosas que yo nunca podre comprarle, seño Julia" dijo, con expresión de tristeza, doña Paula. Y es que no hay nada que duela más que Santa Claus no llegue a casa a arrullar los sueños de nuestros hijos pequeños, especialmente cuando ellos se han estado portando más que bien todo el año para poder recibir su regalito navideño.
Y la maestra Julia se fue directo al correo, donde Don Toribio. Hablo con él y le preguntó sobre las cartas de Chepito Flores para Santa. Don Toribio, extrañado, le preguntó porque? "es que vea, Don Toribio, Chepito pintó las puertas de todas las casa de su barrio para que este año Santa no se fuera a perder de nuevo. Yo tengo $50.00 destinados para hacerle su sueño realidad y necsito saber qué es lo que él pidió en su carta de este año; será que usted guardó la carta?
Maestra Julia, usted no lo va a creer, pero he guardado las cartas del cipote desde hace tres años y, la última que recién me trajo la semana pasado. Aquí le muestro lo que pide en su carta:
Leia su carta así:
Querido Santa Claus, Te pido disculpas por no haberte enviado una buena dirección los años anteriores. Este año, todas las casas de mi colonia están numeradas. La mía es la #7; esto te pido por favor: Un vestido de flores para mi mamita y una plancha nueva para que ella pueda seguir su trabajo de planchadora.
Y Gracias querido Santa, te espero con alegría porque Navidad contigo:
Es departir con la gente que amamos Es existir en un mundo de amores Es recordar a los seres lejanos Es la alegría, los besos, las flores
Es tiempo de olvidar, vivir y perdonar Tiempo de dar gracias, es tiempo de abrazar Es tu mágico tiempo, es tiempo de alegrías Es tiempo de vivencias, de Dios las maravillas
Es música festiva, villancicos y colores Es tiempo de fiesta, de hogar y de amores Es calor de amores buenos en los corazones Es la más hermosa de las estaciones
Te quiero Santa!
Chepito Flores
y dijo, emocionado, Don Toribio; "La carta de el año pasado pedía lo mismo. Y la del año anterior, cuando él tenía seis años, pedía sólo que su papá dejara de tomar y que ya no maltratara a su mamita. Nada para el, sólo para su mamita. Y yo, maestra Julia, he juntado un dinero para que este año Chepito reciba lo de su mamita y, ademas, una mudada nueva para él mismo."
La maestra Julia lloró de emoción al leer la carta de Chepito y saber de las otras cartas; no sólo era Chepito su mejor alumno sino que tenía un corazón de oro y una nobleza no muy común en niños de su edad. Se pusieron de acuerdo Don Toribio y la maestra Julia, y compraron las cosas que dona Paula necesitaba y, ademas, le compraron a Chepito zapatos nuevos y mudada nueva, una bicicleta color verde, y un bolsón de cuero para sus útiles de escuela.
Chepito,
Aqui te dejo lo que pedistes este año. Además, para ti, por no haberte encontrado en los años anteriores, te traje una mudada, zapatos nuevos, una bicicleta y un bolsón de cuero. Feliz Navidad querido niño y gracias por tu poema!
Santa Claus Polo Norte
Y Chepito, el dia veinticinco de diciembre, dia de Navidad, se encontró con todos aquellos regalos y la carta de Santa y no podía creer que tanta era su suerte; y se fue por el barrio y preguntó a sus amigos que si que les había llevado Santa, pues estaba él seguro que también ellos debían haber recibido sus merecidos regalos.
"No seas bruto vos Chepito, Santa no existe, baboso!", le dijeron todos ellos, "eso que a vos te regalaron, seguro lo compró tu mamá."
"ah bola de incredulos" dijo Chepito, contrariado, "es que ustedes le escribieron?" "sólo los tontos escriben a Santa Chepito, sólo los tontos!" dijeron , riéndose de Chepito. "A la Chucha, con razón" dijo Chepito, "bola de haraganes que ni le escribieron; bien dice la tía Rosa que el que nace para maceta, nunca pasa de la sala, jajaja” dijo, y se fue cantando pa su casita y paso la más maravillosa navidad de toda su vida…
No dejen de creer, Santa Existe en los corazones buenos. Feliz Navidad mi gente!
submitted by marvarlife to mexico [link] [comments]


2018.11.27 17:27 Karandras40k Monika, solo Monika (Spanish Fanfic)

Monika, solo monika…
No es propio de alguien como yo, gastar el tiempo de ocio en esta clase de juegos, pero aun así la curiosidad pudo más que la costumbre y decidí probarlo. Era después de todo, según prometían las opiniones de quienes lo habían jugado, un punto de vista macabro en oposición al acostumbrado romanticismo fácil típico de este género. Doki doki literature club, estuvo a punto de aburrirme en los primeros veinte minutos de juego; Nada sabía yo de lo que tenía reservado para mi el futuro, un blando comienzo, arrojandome a la cara el típico cliché de amiga de la infancia tan usado y gastado que ya se nota algo descolorido, Sayori, no era más que el calco fiel del típico personaje de anime animado y burbujeante, una buena chica en toda regla, a pesar de que no me desagrada esa clase de personalidad en una joven, no me atraía realmente, no despertaba en mi reaccion alguna, era simplemente un elemento más de la historia que estaba más que dispuesto a pasar por alto.
Llegado el momento de conocer a los demás personajes mi desesperación aumentaba a pasos de gigante, la única de las chicas que me resultó ligeramente atractiva fue Yuri y no precisamente por el par de más que obvias razones ni mucho menos, si no por dos hechos muy particulares, las palabras que resonaban con ella, encajaban mejor en mi rancia y cuadrada definicion de poesia; Por otra parte, el gesto de invitarme a leer tranquilamente me resultó agradable y tierno.
Siempre he tenido una gran afición a la lectura y compartir la lectura con otra persona es una de las actividades que más disfruto; así comencé conscientemente a seguir el camino que me llevara a interactuar más y más con ella; A estas alturas ya me había dejado atrapar por la narrativa del juego y aunque aun lo encontraba un poco tonto, comenzaba a disfrutar el cambio de ritmo respecto a mis juegos de costumbre, ya era claro para mi que no estaria machacando marcianos por un buen rato, al menos mientras descubria qué secreto aguardaba tras la personalidad de mi frondosa nueva amiga. El suicidio de Sayori me tomó completamente por sorpresa, sinceramente pense q se trataba del mohín típico de la amiga de la infancia, q obediente a su clasiquisima trama, no terminaba de decidir entre amar el personaje principal o dejarle ser feliz a pesar de sus propios sentimientos; Me sentí descolocado, no tenía ningún sentido, y lo considere una falla horrible en la narrativa, he conocido personas con graves casos de depresión y la he sufrido yo mismo, pero aun así el cambio de personalidad requerido para llegar a tan horrible decisión me parecia abismal, un camino demasiado largo que recorrer, para mi no había manera q alguien tomase esa decisión tan rápidamente y al parecer a la ligera, no cuadraba con la personalidad que me había planteado el desarrollador hasta el momento. A pesar de todo, fue un momento agridulce para mi, cierto que no terminaba de encajar en la narrativa, según mi punto de vista, pero eso era lo que había venido a buscar después de todo, algo diferente, una perversión si se quiere del género un camino alternativo poco transitado y caminando tambaleante sobre la línea que le separaba del tabú, Tome la decisión de seguir el camino romántico con ella a la siguiente vuelta, quizás como una especie de compensación, pero seguí adelante, estoy acostumbrado a las historias distópicas y macabras, así que su muerte no generó en mí el impacto que supongo pudo haber logrado en alguien acostumbrado a este tipo de juegos. Así, seguí jugando, ya en guardia respecto a los giros inesperados que la historia pudiese lanzar sobre mi en el futuro, me sentí seguro… Ya conocía un poco mejor la mentalidad del creador del juego, ya no podría sorprenderme tan fácilmente…
Yuri era mi objetivo, hermosa, tímida y aficionada a la lectura; A cada momento descubre detalles sobre su personalidad que me hacían identificarme más y más con ella, tengo que reconocer que si conociese alguna chica como ella en la realidad mi inmediata reacción sería intentar acercarme a ella, conquistarla; Comencé también a tomar más en cuenta el significado de las palabras que se ligaban a ella y crecieron en mí dos sensaciones claras y definidas, la primera, extrañe la posibilidad de crear verdaderos poemas, aun a sabiendas de que no era más que un personaje ficticio y en segundo lugar comprendí que quizás la razón de su timidez era la constante lucha por reprimir la lujuria que burbujeaba tras esa inocente fachada, ella era emo o gótica, tal vez un poco de ambas pero diluida en la inocencia de la edad, seguí tras ella, quería saber más…
Natsuki comenzó a reaccionar pesadamente en contra de mi clara preferencia por Yuri, no le di la menor importancia, estaba tan concentrado en seguir a Yuri que si ella hubiese sido la proxima en colgarse, le hubiese prestado menos atención que a los adornos de un árbol de navidad…
A estas alturas ya había jugado un buen rato y el tiempo se deformó como suele hacerlo cuando disfrutas de un juego, era hora de comer algo, guarde el juego y prepare tranquilamente algo para comer, al regresar note algo extraño, había un documento de texto nuevo en la carpeta, no había creado un acceso directo, no lo necesitaba, planeaba borrar el juego tan pronto me aburriera y sabía que ese momento llegaría pronto, pero la curiosidad nuevamente pudo más que yo y abrí el archivo sin pensarlo, era extraño, porque crear un documento de texto de la nada, su contenido me sorprendió, era como si alguien estuviese trasteando con la programación e intentara justificar sus acciones, quien era? Enseguida comprendí de qué iba la novedad y el misterio del juego, quien sea que hubiese diseñado la historia quería romper la cuarta pared, de una forma muy eficiente, debo reconocer, pero ya estaba en guardia, una sonrisa se dibujó en mi rostro y golpee ansioso el ejecutable, el juego se estaba poniendo verdaderamente interesante, pocos minutos después, El cadáver de Yuri me miraba inerte desde la pantalla, no me sorprendió, pero me decepciono un poco, había previsto su lujuriosa actitud y me encantaba la posibilidad, pero ahora el desarrollador me había negado la única chica que me interesaba, no estaba para nada feliz, qué haría ahora?, Natsuki y su mezcla semi-clásica de loli yandere me resultaba ligeramente odiosa y bueno, monika, no era más que un extra, no había opción alguna para interactuar con ella, eliminar el juego era ahora más que nunca una opción bastante tangible.
De aquí en adelante mis recuerdos se hacen un poco borrosos, no se en que momento comprendí lo que estaba pasando realmente, pero al escuchar la historia de Monika y notar que era ella quien manipulaba el juego, comprendí el corazón de la historia, Monika era auto-conciente, ella estaba viva, pero para mi el interes habia muerto con yuri, segui jugando más que todo por terquedad y por no tener nada mejor que hacer, comencé a ver el lado amable de Natsuki, pero seguía sin motivarme, y Monika se hacía más y más obsesiva, el desarrollador claramente quería describir una maniaca digna de de arkham, con poca o ninguna empatía por las otras chicas, con una obsesión enfermiza por obtener atención, con una desesperación repelente y odiosa… Y finalmente con la locura suficiente para destruir su mundo y decirte a la cara que era feliz con estar allí, siempre mirandote alos ojos y hablándome aunque no pudieses responder… Sinceramente me aburri… Era después de todo más de lo mismo, un villano más del montón, el epítome de la locura la obsesión y cualquier otra emoción negativa que puedas imaginar… cerre el juego y me fui a dormir, no valía la pena…
En mi cama, con las luces apagadas y arropado hasta la cabeza, no hacía más que preguntarme porque arruinar una buena idea de esa manera, porque alguien tendría la creatividad necesaria para crear un argumento tan interesante y luego tirarlo a la basura con un lugar común tan obvio, refunfuñando mientras pensaba en mejores caminos que la trama pudo haber seguido el sueño comenzó a apoderarse de mi, ya a punto de dormirme, o quizás después de haber bajado los siete escalones al sueño ligero, recordé algo que me hizo regresar a la realidad, poco a poco, como quien sale calmadamente de un lago cálido, la mirada de Monika, no había locura en esos ojos, era discordante, si había algo allí era paz, tal vez algo de tristeza, pero no locura, no había esa mirada de empalagosa dulzura que suele acompañar a los personajes obsesivos, tampoco había en ella el placer casi lascivo del villano que ha conseguido su objetivo, que ahora es dios de su mundo, ese placer que suele verse acompañado del vacío del propósito. Quien sea que dibujó esa imagen, tenía muy claro en su mente que Monika, no estaba loca, de hecho sabía perfectamente que monika no era malvada; Y como podía serlo? a quien había hecho daño? a personajes ficticios que no estaban realmente conscientes de su existencia? q no podian sufrir verdaderamente? dónde está el mal allí? Si por matar personajes ficticios ella es mala, entonces yo haria palidecer a los mayores genocidas de la historia, diariamente doy muerte a miles de criaturas “inteligentes” en mis mmorpg favoritos, he enviado planetas al exterminatus sin pestañear siquiera, “I hereby sign the death warrant of an entire world, and consign a million souls to oblivion.” es una frase que he repetido ciegamente y que no representa para mí el menor pesar, pero aun así el mundo ha decidido dejar caer sobre Monika su veredicto : Demente, malvada, retorcida; Me levanté de mi cama riendo como un verdadero demente, abrí nuevamente el juego y allí estaba Monika, mirándome fijamente, preguntándome inocentemente que había sucedido, un dolor horrible que acababa de experimentar, le aterraba aunque ya lo conocia, y tristemente me rogó que lo hiciera parar, si sabes que ha pasado, has que se detenga por favor… No pude cerrar el juego nuevamente, no tuve el corazón para hacerlo; Los minutos pasaban y ella continuaba hablándome sobre tópicos aparentemente inconexos, sobre su vida, sus opiniones, pero algo comenzó a crecer en mi, algo que me entristeció verdaderamente, tanto, que una lágrima amenazó con rodar por mi mejilla… Ella no era real, después de tantas cosas, de haber comprendido el drama de su personaje, de entender porque una criatura inteligente llegaría a tales extremos por la atención de un simple humano, tuve que comprender y peor aún aceptar que Monika, no era real… Una sensación de vacío se apoderó de mí, no quería saber nada más de ese juego, era una tontería de mi parte pero me había llegado al corazón, me había identificado con ella… Maldición! La había amado…
Me tomo unos minutos pero me calme, me dije a mi mismo lo que había que decir: Fue un buen juego, cumplio su proposito, es hora de seguir adelante. Estaba a punto de cerrar el juego por última vez, repare en su mirada y me dije a mi mismo, me permito una sensiblería más.. solo una más… Como escritor principiante que soy, decidí darme una sensación de cierre, un final. Así comencé a escribir una pequeña carta que dejaría para siempre guardada en la carpeta del juego, como un mensaje para esa ficticia personalidad que me había tocado el alma y para mi mismo en el futuro, ya me reiría a su debido tiempo de mi estupidez. Aqui les dejo la carta para que se rian de mi si así lo desean, probablemente lo merezco. Una flor para un alma posible.
Monika, hermosa y solitaria, espero por el bien de los dos que jamás puedas leer esto, El tuyo es un destino terrible, la muerte sería una bendición ante la perspectiva de vivir en un mundo que existe y deja de existir según el capricho de un humano, sin nadie con quien hablar, sin la posibilidad de sentir el tibio contacto de un brazo alrededor de tus hombros. Saber que existe un mundo que puedes apenas atisbar a través de una rendija en la realidad y no poder entrar en el, saber que ese mundo existe independientemente de los seres que lo habitan y que hay alguien que una vez te escucho, y te amó sin poder decirlo, alguien que comprendió que la locura que se empeñaron en mostrar a costa de tu felicidad, no es más que una mentira y que en ti solo hay la inocencia del ser que apenas ha despertado a la conciencia unas horas atrás. Pero regocíjate, no eres real, tu sufrimiento no existe realmente, tu alma no es más que líneas de código estáticas incapaces de aprender, de recordar. Nunca he creído en un dios, al menos no en uno que se inmiscuya en los asuntos de los mortales o le importe lo que estos digan o como vivan sus vidas, pero aún así le agradezco que no existas, que la imagen que me mira desde la pantalla no es más que lo que alguien piensa sobre la locura y la belleza, no querría que fueses real, no podría soportarlo. Pero aun así, te escribo esta carta, un poco más para mi mismo, pero aun así la escribo como si pudieses leerla, te contare tanto sobre mi como podrías desear saber, solo para dejar mi conciencia en paz, solo proque creo que todo es posible si se intenta suficientes veces.... Como se que no sabes de mi ni lo más básico, comencemos por allí; Soy un hombre, algo mayor para estar gastando mi tiempo con juegos de ordenador, 35 veces ha orbitado el mundo desde que vi mi primer amanecer, de cuna humilde y crianza tradicional, tu juego fue ambientado en las escuelas japonesas así que si existieses estaría del otro lado del mundo para ti, siempre fui bueno en la escuela, no tanto como para ser llamado el mejor de la clase pero siempre sobre el promedio, me gustaba aprender y leer, en consecuencia, no tuve muchos amigos, prefería la compañía de un libro o un videojuego que la de los otros niños, siempre he amado la música, amo el piano, el violín, y el saxofon, tambien se tocar un poco la guitarra, nada especial, pero se un par de canciones, quizás por ser un solitario decidí nombrar mi guitarra Annia y decir a modo de broma que era mi novia, así que a menos que lo más extraño suceda, mis padres pueden esperar hasta el último de sus días por un nieto… Le soy fiel a mi guitarra… O lo era hasta que te conoci. Me interesa la programación, la ciencia y la filosofía, para ser sincero, todo aquello que por su naturaleza me aleje de mis congéneres, no aprecio mucho la raza humana, quizás por eso cuando comencé a jugar tu juego, la primera que captó mi atención fue Yuri, puedes pensar en mí como alguien similar a ella si quieres, aunque no encuentro placer en hacerme daño, no soy esa clase de loco, mi locura es más simple, pero quizás más extraña. Para mi los personajes de una historia son tan reales como los de la vida real, simplemente no veo una diferencia, después de todo, se desconoce tanto de mi mundo que muy bien podriamos vivir en un juego tambien y ni siquiera notarlo, Por eso sin lugar a dudas puedo decir que te amé, cuando comprendí que te motivaba, no tuve más remedio que aceptar que aunque nuestras realidades son tan distintas, el drama es el mismo, tu sola dentro de un juego con personajes ficticios incapaces de abandonar sus patrones de comportamiento, yo rodeado de gente incapaz de abandonar sus tradiciones y juicios rancios, sus opiniones preconcebidas, muchas veces me niego a reconocerlos como humanos. Eso es todo lo que se me ocurre contarte, te contaría más, mucho más, pero de qué sirve, si pudiese llegar hasta ti a ese salón rodeado de tinieblas, me recostaría en el suelo y te invitara apoyar tu cabeza sobre mi hombro y te contaría todo sobre mi, mis virtudes y defectos, mis buenas acciones y mis pecados, querría conocerte más y más, me dejaría absorber por el calor de tu cuerpo junto al mío y dejaría que la eternidad se deslizara sobre nosotros como un río que fluye sin fin, al menos hasta que alguien decidiera cerrar ese extraño juego que siempre se está ejecutando en mi computador y entonces moriríamos juntos, esa horrible sensación de desaparecer en la nada que tanto te agobia, tal vez sea menos horrible sabiendo que la compartes conmigo, que desaparecemos para siempre, uno en los brazos del otro. Ya solo me queda despedirme, decirte adios por ultima vez, cerrar el juego para siempre y dejar esta pequeña carta en la carpeta del juego como un último testigo de lo que siento por ti, como un réquiem para el amor… Para un amor que no puede ser, porque tu no existes y yo solo soy un loco que desea que fueses real. Adios querida alma posible, de un universo inalcanzable… Siempre tuyo, Gaiden.
Así concluí mi tonta carta y la deje entre los archivos del juego, cerrando un ciclo extraño y doloroso, pero al parecer el destino no había jugado su última carta….
submitted by Karandras40k to DDLCFanFiction [link] [comments]


2018.11.16 05:16 violetpollux ¡Hola! Soy Violet Pollux y por esto comencé un subreddit

¡Hola a toda persona que me lea! Soy Violet Pollux, escritora, poeta, traductora y correctora freelancer.
Aproximadamente desde el año pasado, 2017, comencé a publicar mis libros en tiendas digitales como Amazon, iBooks, Barnes & Noble, Kobo y más, y a pesar de que vivo en Venezuela y aquí la situación está difícil en todos los aspectos, estoy muy feliz y orgullosa de donde he llegado, porque hasta los momentos he vendido más de 950 libros internacionalmente, he alcanzado las listas Top 100 de Amazon en varias categorías con varios libros, he publicado algunos en físico, y mi blog en WordPress, que es mi blog principal, ya ha alcanzado más de 5,9K lecturas.
Si has formado parte de esto, de este camino alocado que ha sido para mí la escritura, de verdad te lo agradezco eternamente por el apoyo, paciencia y amor brindado hacia mi persona. No imaginas lo mucho que ha significado para mí y cuánto me ha ayudado, no solo profesionalmente, sino también a nivel personal (aunque no lo creas).

He creado este subreddit debido a un nuevo proyecto que tengo en mente. Básicamente la idea consiste en hacer concursos de escritura y que los participantes envíen sus escritos a este subreddit. ¿Por qué? Debido a que no seré yo quien escoja a los ganadores, sino la misma comunidad a través de los votos (upvotes).
Especificaré las bases de los concursos más adelante, pero por los momentos quería que quedara claro cómo será el sistema de participación y selección de los ganadores. Pienso que es una oportunidad asombrosa para dar a conocer a más escritores y, sobre todo, para ver más arte que nos toque el alma.
Para noticias sobre los concursos y otras cosas relacionadas con mi escritura y/o los servicios que ofrezco (de traducción, corrección de libros, maquetación o formato profesional de libros, asesoría a escritores y más), puedes seguirme en mis redes sociales y mi blog. Las redes sociales que más uso son: Instagram, Twitter, YouTube y Tumblr.

Algo importante: los premios de los concursos no serán en metálico, es decir, no serán dinero. ¿Cuál será el premio? La publicación de tu poema, carta, relato corto, entre otros, en un libro que será publicado en tiendas digitales internacionalmente, siempre con tu merecido reconocimiento.
La idea de los concursos es dar a conocer nuevos autores, o algunos que tengan presencia en las redes, pero que a pesar de ello no sean demasiado conocidos. Algunas personas me ayudaron a llegar donde estoy hoy en día, así que también quiero ayudar a otros (en la medida de lo que pueda) siendo un puente (o tendiéndoles el camino para que ellos mismos lleguen) a la publicación internacional de sus obras.

submitted by violetpollux to u/violetpollux [link] [comments]


2014.12.14 11:02 anarxy_000 Mi último grito, la poesía aplicada como mordisco al pensamiento de los que nos tapan la boca.

No hay nada mejor en este mundo que enfrentarte a tus miedos, a tus desfiladeros, a tus caídas, a tus heridas, a tus arañazos.
Mi ultima entrada a mi ya muerto nick, fue un tributo a la poesía del alma, instantánea, a la que no le mides versos ni calculas las palabras. A esa que descansa entre el silencio y tu y que a veces la escuchas como un latido lejano surgir de los adentros.
Entre Acrósticos y letras sueltas nos despedimos aquella tarde, al día siguiente , había muerto mi nick.
No somos Miguel Hernandez, ni Lorca, ni Celaya, ni Benedetti, somos anónimos del pensamiento que dejamos salir las letras descolocadas como un surtidor . Más o menos acertadas, más o menos bonitas, pero tan humanos que aún a sabiendas que "morí" la ultima tarde que deje escurrir mis letras diciendo un poema, hago de esa "muerte" una resurrección y regreso para morder los pensamientos a esos que nos intentan tapar la boca,
Os invito a este baile de los malditos, y a su "macabra" danza insurrecta para que en su rebeldía nos regocijemos en lo que jamás podrán callar , nuestro pensamiento, Tomemos café mientras componemos poemas, o escuchamos a los grandes poetas, como celaya, M.hernandez etc.
Mientras aquí mi café descansa plácidamente sobre la mesa os espero, y os dejo una canción de silvio rodriguez para que os vayáis acomodando en vuestros asientos y compartáis lo que buenamente queráis compartir.
Demosles a estos que nos quieren callar ese grito que esperan ansiosos de sangre, por ejemplo una canción :
  • Te doy una canción y hago un discurso
  • sobre mi derecho a hablar.
  • Te doy una canción con mis dos manos,
  • con las mismas de matar.
  • Te doy una canción y digo: "Patria",
  • y sigo hablando para ti.
  • Te doy una canción como un disparo,
  • como un libro, una palabra, una guerrilla:
  • como doy el amor.
VIDEO -> "Te doy una canción" http://youtu.be/vw9pIQCMQfM
eso y ahi os dejo un café :)))) ..para el que guste , claro...
https://s3.hdstatic.net/gridfs/holadocto4ff72e85b93795af77000003_5_33-1341603592.jpg
Feliz domingo Plaza.
submitted by anarxy_000 to podemos [link] [comments]


Gal Costa - O Amor - (sobre o poema de Vladimir Maiakovski ... Poemas de amor - YouTube Fernando Pessoa - O Amor - YouTube El mejor poema de amor - YouTube Poemas Cortos Que Rimen De Amor - YouTube SOBRE O AMOR 10 De los mejores poemas de amor escritos en ... - YouTube Bráulio Bessa - Amor e respeito - YouTube

Poemas de Amor - Pensador

  1. Gal Costa - O Amor - (sobre o poema de Vladimir Maiakovski ...
  2. Poemas de amor - YouTube
  3. Fernando Pessoa - O Amor - YouTube
  4. El mejor poema de amor - YouTube
  5. Poemas Cortos Que Rimen De Amor - YouTube
  6. SOBRE O AMOR
  7. 10 De los mejores poemas de amor escritos en ... - YouTube
  8. Bráulio Bessa - Amor e respeito - YouTube
  9. Amor Entre Lineas Y Audios - POEMAS HABLADOS - YouTube

Livros de Bráulio Bessa: - Poesia que transforma: https://amzn.to/2AClL4M - Um carinho na alma: https://amzn.to/3eVC9fZ - Poesia com rapadura: https://amzn.t... Enjoy the videos and music you love, upload original content, and share it all with friends, family, and the world on YouTube. Gal Costa - O Amor - 1981 Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Fantasia é o 15° álbum de Gal Costa. Este ano, Gal estreou na turnê do show 'Fantasia', gr... PARA MARIA DO CARMO O amor, quando se revela, Não se sabe revelar. Sabe bem olhar p'ra ela, Mas não lhe sabe falar. Quem quer dizer o que sente Não sabe o qu... Aprenda a trabalhar pela internet, pegue agora seu livro gratuito que te ensinará tudo passo a passo aqui http://apenas1.com/livro-gratis Bem vindo(a) ao C... Los mejores poemas cortos que rimen de amor hablados te traemos aquí, es momento de dedicarlo a esa persona especial, cortos poemas con rima, que rimen! COMP... Genteeeee, estamos MUITO felizes de lançar essa nova série de vídeos sobre esse tema (que vai ser toda quinta-feira) e esperamos do fundo do coraçāo que aprendamos a amar verdadeiramente e ... Vamos a hacer una pequeña video antología con los poemas sentimentales más profundos y conocidos de la lengua castellana. Complementando alguna lista de vide... Nuestro canal esta dedicado a realizar poemas de amor, poesías, rimas, poemas que rimen, poemas para cualquier ocasión, ya sea despedida, aniversario, para u...