Quase sinais de relacionamento

Azar no amor, azar no azar, azar na puta que pariu

2020.08.26 19:35 feedmewill Azar no amor, azar no azar, azar na puta que pariu

Cara, acho incrível minha capacidade de tentar me relacionar com gente que flerta comigo e em coisa de uma semana - um mês está num relacionamento sério ou enjoa. As duas últimas foram de fuder. Na primeira quase saiu algo sério, só não estávamos ficando real por causa da quarentena, mas foram 3 meses gostando realmente um do outro, mas a pessoa do dia pra noite enjoou sem motivo aparente, ficou fria, eu ainda corri atrás um mês inteiro, mas já n era mais a mesma coisa, só segui em frente. A segunda e última vez, flertei uma semana inteira com a garota, ela me deu claros sinais de que queria tentar algo, ontem ela me aparece namorando.
Caralho, eu deve ter jogado merda em jesus na cruz, pq eu nunca vi alguém pra conhecer gente complicada igual eu. 20 anos dessa desgraça, não aguento mais, quando vai aparecer uma pessoa que não tenha ex pra superar, que não esteja quase namorando com alguém enquanto flerta comigo, que não seja estranha e mude de uma hora pra outra?
submitted by feedmewill to desabafos [link] [comments]


2020.08.25 01:42 queimis Sofri um aborto espontâneo ontem

Só um background da minha história: Eu(F34) e meu namorado(M28) estamos juntos há menos de 1 ano, mas as coisas se moveram muito rápido desde o início.
Começamos a morar juntos em março desse ano e nos mudamos pra uma cidade completamente nova pra mim. Fui forçada (pelas circunstâncias, não por ele) a deixar tudo que eu tinha construído nos últimos 3 anos pra trás pra embarcar nessa aventura. Nos mudamos pra cidade natal dele porque ele recebeu uma proposta de emprego muito boa. Nós dois conversamos muito no início e, depois de resolvermos juntos que relacionamento à distância não era pra nós, eu decidi me mudar com ele.
Eu sempre tomei anticoncepcional/injeção ou usei DIU desde a minha adolescência. Estive em um relacionamento estável por quase 10 anos e nunca nem me preocupei com gravidez, porque, assim como a maioria das meninas, achava que estava segura com a pílula. Há cerca de 1 mês e meio atrás comecei a sentir uns sintomas estranhos e depois de 2 semanas passando mal constantemente e de muitos resultados desesperadores do Google, eu achei que estava doente e deveria ir ao médico. Dois dias antes da consulta, resolvi fazer um teste de gravidez de farmácia, só pra ter 100% de certeza que aqueles sintomas (enjoo, fraqueza, cansaço extremo) não eram por causa de gravidez. Eu tinha 99.9% de certeza que não era, só não queria passar vergonha na frente do médico. Peguei o pauzinho, abri, o xixi encostou e deu positivo. Três testes e muito choro e desespero depois, descobri que estava grávida.
No começo foi um choque. Os dois completamente desnorteados. Depois de uma longa conversa, resolvemos manter a gravidez (graças a Deusa moro em um país em que posso fazer essa escolha livremente). Os dias foram passando e a gente foi amando cada vez mais aquele ser que estava se desenvolvendo dentro da minha barriga. Contamos pra família, todo mundo ficou super feliz. Começamos a planejar o quarto, economizar grana, receber pequenos presentes de amigos. Pensamos até em possíveis nomes pro bebê. Até que as coisas começaram a ficar estranhas. Eu comecei a ter um sangramento que pra mim - apesar de todo mundo dizer que sim - não era normal. Fui no médico, a resposta que eu tive foi a mesma do Google: “é normal ter sangramento no primeiro trimestre da gravidez.”
Voltamos pra casa, vida que segue.
No sábado comecei a sentir cólicas, mas também achando que era tudo normal, fiquei em casa, só fazendo repouso o máximo que dava. Até que no domingo, eu estava deitada e comecei a sentir uma dor descomunal na barriga. Senti um pouco de sangramento descendo, então corri pro banheiro. Quando eu sentei no vaso, foi como se tivesse aberto uma torneira dentro de mim e uma quantidade enorme de sangue e pedaços de tecido começaram a sair. Naquele momento eu soube que estava perdendo meu bebê.
Foi o pior momento da minha vida.
Corremos pro hospital, o sangue jorrando de dentro de mim enquanto eu gritava de dor. Meu namorando acelerando e cortando todos os sinais. Chegamos no hospital e depois de muito remédio pra dor e muitos exames, a médica finalmente veio falar o que a gente já sabia: eu sofri um aborto.
Eu não consigo nem explicar o que senti na hora e o que ainda estou sentindo. É uma mistura entre dor, ódio e culpa que não me deixa em paz por nenhum segundo. Acho que tenho mais ódio sabe? De um Deus que nem sei ao certo se existe que todo mundo me diz pra confiar, mas que prega esse tipo de piada maligna nas pessoas dessa maneira. Eu estava bem antes de ficar grávida, nem pensando em ser mãe pelos próximos 2 anos. Aí veio assim, sem planejamento, no meio de uma pandemia, mesmo eu tomando os cuidados devidos, só pra depois arrancar de mim sem nenhuma explicação? Quem faz esse tipo de coisa? Não consigo imaginar um Deus do amor fazendo esse tipo de coisa doentia.
Meu namorado está do meu lado o tempo todo, me apoiando, mas eu sinto que eu deveria ser forte em alguns momentos, porque ele também está sofrendo. Mas eu não quero e nem consigo ser forte. Só quero deitar na cama e chorar 24 horas por dia.
E agora eu estou aqui nessa cidade que não conheço ninguém, sem minha família ou nenhum amigo por perto pra me dar um abraço, com um buraco imenso no coração e um útero vazio que não para de sangrar.
submitted by queimis to desabafos [link] [comments]


2020.08.18 19:05 New_File2351 A depressão destruiu a minha vida. Não deixe que destrua a sua também

Saí de dentro de uma caverna pra escrever esse post. Aparentemente tem muita coisa acontecendo que vai me abafar, mas postarei mesmo assim,
Sofro de depressão desde a minha infância e a minha vida foi marcada pelo completo vazio. É difícil explicar para as pessoas o que é esse vazio, pois sempre estão fazendo alguma coisa. Eu nunca fiz nada e é sobre esse nada que quero falar.
Nunca tive amigos ou alguém com quem pudese conversar. Também nunca interagi com as pessoas pela internet. Na escola eu ia embora logo e não interagia com ninguém. Não fiz atividades fora da escola. Nunca tive nenhum relacionamento, sequer beijei alguém durante toda a minha vida. Também nunca trabalhei nem continuei os estudos.
A única coisa que fiz na vida foi uma faculdade e nem sei como, pois eu quase não frequentava, não fiz pesquisa, não tive bolsas, nada. Eu fazia as provas e ia pra casa. Quase não conheci ninguém, nunca fui a nenhum evento com colegas de sala, nada.
Quando falo em depressão, muita gente deve imaginar uma pessoa triste, mas que faz as coisas, pois ouço muitas histórias de pessoas com depressão que viajam, namoram, fazem muitas coisas. Não é isso o que aconteceu comigo. Ao longo desse tempo eu mal tive ânimo ou energia para nada, por muitos momentos me vi no chão, sem conseguir sair do lugar, como se meus músculos não respondessem aos meus movimentos.
Eu demorei muito pra receber um diagnóstico e fazer tratamento, porque minha família achava que era tudo frescura minha, que eu era preguiçoso, apático e que não gostava de fazer nada. Com isso fui perdendo muitos anos de vida.
Venho fazendo tratamento, já tomei quase toda classe de medicamento possível, tudo sem resultados. Já fui por diversas vezes a psicólogos mas não fazem nada. Tudo foi em vão e só perdi ainda mais tempo.
Hoje eu tenho 27 anos e perdi completamente a minha vida. Você que está lendo pode até dizer que ainda estou jovem e posso fazer muitas coisas, mas não é a mesma coisa. Eu não posso vivenciar o que é ser uma criança brincando com os amigos, um adolescente namorando, um adulto jovem fazendo pesquisas na faculdade, estágio, iniciando uma carreira. Eu não posso vivenciar nada disso. No máximo eu posso vivenciar o que é ser uma pessoa mais velha "correndo atrás".
O que me resta nessa vida? Vivi a vida toda como um animal de estimação sem nunca fazer nada. Eu não tenho o que fazer ou pra onde ir. Você que está lendo isso deve ter dificuldades pra entender o que é o completo vazio. Esse vazio nos destrói por dentro até que ficamos igualmente vazios, carcaças ambulantes e sem vida. Eu nunca vivi.
O que farei não será um suicídio, pois só morre quem está vivo. Eu já morri há muitos e muitos anos, só esqueceram de me enterrar. O que farei será apenas finalizar essa tarefa.
Se você que está lendo isso tem sinais de depressão ou se identifica com qualquer coisa que escrevi, não deixe que a depressão destrua a sua vida também. Procure e faça todo tipo de tratamento que puder, enquanto é tempo.
submitted by New_File2351 to brasil [link] [comments]


2020.05.21 08:34 ruivadino SINAIS...

Oi pra todos não sei se alguém vai ver mas se ver, espero que se divirta ahusha (sou gaúcha leiam com sotaque tchê) Então eu tava solteira fazia poucos meses e tinha alugado um kitnet, tava curtindo depois de 3 anos de relacionamento abusivo e que destruiu minha autoestima além da minha saúde mental, resolvi baixar o Tinder para conhecer nao apenas pessoas para ter um lance mas quem sabe achar amigos, perfis fakes engraçados e etc... Eis que dou match com um cara aparentemente bonito, bem apessoado, interesses em mangas, animes e etc trocamos algumas mensagens pelo Tinder e partimos para o whatsapp... Na época eu não tinha emprego e estava recebendo dinheiro referente a um processo trabalhista então ficava em casa o dia todo e na maior parte do tempo via anime e dormia (Isso vai ser relevante). Após trocar algumas mensagens notei que ele não era tão compatível e o interesse diminuiu mas não passou então resolvi continuar... Ele: oiii Eu: oiê Ele: fazendo? Ele:oiii Ele: responde Eu: (duas horas dps) oie tava dormindo desculpa Ele: que demora hein, mas blz Ele: vai fazer oq hj? Eu: vou ir na casa de um amigo e tu? Ele: amigo homem? 🙄 Eu: sim pq? Ele: nada não 👍 tomara que tu se divirta bastante 😭😟 Eu: tá bom obg Fui, me diverti? Não kkkk outra história... Cheguei em casa e fui dormir, no outro dia ele manda msg Ele: oii Eu: eae Ele: que vai fazer hj? Eu: nada e tu? Ele: nada tbm posso ir aí? A gente come um dog vê filme que tu acha? Eu tava morrendo de fome confesso, aceitei ainda existia um leve interesse, eis que chega o dito cujo que aparentemente era dez vezes mais magro que nas fotos, mais esquisito e mais baixo (nada contra apenas levei um choque pq era tipo outra pessoa) tá blz RELEVEI... Meu interesse caiu pra zero mas já tinha convidado né, compramos o dog (ele recomendou o lugar nota 10) o dog chegou frio e nem foi prensado, mas comi pq tava com fome... Sentamos na cama e coloquei um filme para vermos eis que ele tenta me beijar... Blz até tentei (pior decisão quase me engoliu e quase arrancou minha boca com os dentes além de babar em mim) continuamos vendo o filme e ele começou a me alisar (eu tava com raiva já porém eram 3h e não tinha bus ele morava meio longe então fiquei com pena de mandar embora) então tive a brilhante ideia 💡 fingi que tava dormindo, não deu certo pq ele ficava se esfregando e tentando me "acordar" e eu "dormindo" HORAS SE PASSARIAM ATE QUE EU CONSEGUISSE DORMIR REALMENTE... Acordei e tomei banho e ele acordou um pouco depois, "tu dorme feito pedra né kkkk" respondi "sim haha eu durmo e só acordo no outro dia" oq é mentira pq qualquer barulho me acorda, fui comer um Cup Noodles esperando ele se arrumar para ir embora porém eu fui a única que pensou que ele devia ir embora ele tentou outras vezes me beijar eu saí na cara dura evitei contato e disse "tá tarde né?" Mas nada ele falou "vem cá vamos aproveitar o dia" eu falei "olha, nada contra tu é um guri legal e tudo mais porém não tô muito nesse clima e não quero fazer algo a mais contigo" lembra do título? SINAIS... Aparentemente ele ouviu CLARO VAMOS CASAR AGORA MESMO ele foi embora só as 16:54h (não consigo esquecer) e só foi pq ele tinha que trabalhar... "Cheguei em casa" ele disse eu respondi tudo bem bom trabalho e tentei dormir, "foi legal hehe, pena que tu estava meio distante, mas acho que era pq nos vimos pela primeira vez, da próxima pode se soltar mais" eu respondi oi?? Próxima?? Moço eu clara e abertamente te disse que não queria nada, tu ficou horas na minha casa olhando pra parede, desculpa se te fiz pensar o contrário mas NÃO eu não queria sexo nem nada contigo... "Ah desculpa não percebi, tu deveria ter deixado mais claro, ou mais óbvio" KKKK é eu não deixei óbvio o suficiente... Dois dias depois ele chama de novo e tenta me controlar, pq não responde? Pq a demora? Tá fazendo oq que não fala cmg ? Oie linda cadê tu? Até que eu surtei e falei pra ele vazar, disse que que estava ficando com uma pessoa (mentira) e que não queria nada com ele... As mensagens pararam até que 3 meses depois vem um "oi, lembra de mim?" Eu disse sim eu lembro e ele " ah então só queria te perguntar pq tu falou comigo se tu não queria nada, deveria ter deixado claro ok, era só isso mesmo" Eu já no auge da raiva respondi FODA-SE OQ TU QUER SABER NÃO TE DEVO NADA E RECOMENDO QUE TU PRESTE ATENÇÃO NOS SINAIS PQ ESTAVAM ÓBVIOS BJS PASSAR BEM UMA LINDA VIDA LONGE DE MIM E bloqueei era isso kkkkk um beijo pra todos e desculpa pela história longa
submitted by ruivadino to TurmaTV [link] [comments]


2020.03.13 11:32 corounavairus História de um fim de namoro

Olá pessoas, é o seguinte:
Comecei a namorar muito cedo, com meus 14 anos, e esse relacionamento se estendeu até os meus 21 anos. Passei essa fase de descoberta e amadurecimento todo ao lado dessa pessoa em específico, tivemos nossos bons momentos mas também foi um relacionamento muito abusivo. Ela era muito insegura e projetava as inseguranças em mim, me privava de ter amigos, e como resposta, fazia o mesmo com ela. Até que no final de 2018, fui até a casa dela a ajudar, pois ela tinha depressão e estava muito mal, morava sozinha e tudo mais, então fui dar uma força (na verdade, a casa dela parecia um chernobyl de sujeira, ela tinha um problema na mão o qual ela não resolvia, oferecia ajuda mas ela não aceitava, creio eu que usava isso como válvula de escape para dizer que não fazia nada por conta do problema na mão), sentei pra conversar com ela, perguntei o que estava afligindo ela, pois ela nunca teve problemas com nada a ponto de ser um gatilho para desenvolver uma depressão, logo, eu não entendia bem o porquê dela ficar mal, e sempre projetei que a culpa fosse minha, então nesse dia perguntei se ela era transexual, não sei porquê, mas isso veio em mente, por conta de alguns mínimos sinais, e ela respondeu um "talvez" com jeito de sim. Naquele momento tudo que eu não tinha entendido fez sentido, agora eu entendia o porquê dela sofrer tanto.
Meu mundo caiu naquele momento, não por conta dela ser transexual, pois finalmente percebi o porquê dela sofrer tanto e fiquei triste por isso, mas por conta de quê aquele foi um momento em que a pessoa que até então conhecia morreria. Doeu demais, foi como um luto, escutei até de amigos de que eu não tinha o direito de sofrer pois quem estava sofrendo de verdade era ela. Sentia que não podia sofrer pois isso faria de mim uma pessoa transfóbica. Então fui forte, apesar de ter passado uns dois meses chorando e fiz o que pude pra apoiar minha namorada. Quando ela finalmente resolveu começar os tratamentos hormonais, ela terminou comigo. O dia do término foi uns dos dias mais sofridos pra mim, era final de semestre da faculdade e eu estava passando muito mal, tenho problemas desde a infância com depressão e ansiedade, e só estava aguentando passar por várias coisas turbulentas na minha vida pois iria a um show de uma banda que amo muito em São Paulo, o dia do show foi muito feliz pra mim, sinceramente, fazia tempo que não me sentia bem daquela forma. Logo após o show liguei pra ela pra contar tudo, estava muito feliz, e ela atendeu com uma voz triste e não deu a mínima e falou que tava ocupada. Voltei pra minha cidade no dia seguinte, logo após ter saído do aeroporto ela disse que iria para minha casa, pensei que queria me ver, ela chegou com uma cara muito fechada, e eu estava super animada contando tudo e mostrando fotos e vídeos e ela aparentemente nem aí. Ela pediu pra conversar e terminou comigo. Aquilo me destruiu. Toda a felicidade que vivi naquele show foi embora. Enquanto estávamos sentadas num banquinho que sempre a chamava pra ficar e admirar a vista e relaxar, eu escrevi em dois papeis, como se fosse um decreto que nosso namoro havia terminado, e com um batom, coloquei nossas digitais ali, logo após, rasguei o meu e falei pra ela que esperava que um dia ela rasgasse o dela também. Pois eu a amava muito e não queria isso para a gente.
Bom, ela começou a fazer o tratamento hormonal e começou a se envolver com uma menina que eu já suspeitava durante nosso namoro, sinto que ela terminou comigo pois queria ficar com esta menina sem culpa, porém, a menina se dizia bi, mas na verdade, a menina não a via como menina. Minha ex é uma mulher trans, logo esta menina a enxergava como homem. Ela percebeu isso e um tempo depois voltou a falar comigo, falava que sentia saudade, e a gente se reaproximou.
Bom, resolvemos viajar, eu, ela e mais dois amigos, foi uma viagem horrível, me sentia totalmente excluída, mas acabamos nos aproximando, dormimos na mesma barraca e tudo mais e acabamos transando. Era no meio do mato, então eu estava indo tomar banho de noite, mas meu celular tinha descarregado e n tinha como colocar pra carregar, então pedi o da minha ex emprestado. Só queria a lanterna. Porém ela me deu o celular destravado, e tomei minha pior decisão: olhar a conversa dela com esta menina. Li coisas horríveis que ela disse de mim para esta menina, a menina pedia pra ela passar meu número para me xingar, falava que eu ter sido estuprada era mentira, troca de fotos das duas e coisas assim, não consegui ler muita coisa. Eu só consegui devolver o celular dela com esta conversa aberta e sair correndo no meio do mato. Tomei uma bela de uma queda no meio do escuro e por ali fiquei, chorando. Ela me pediu mil desculpas mas me senti a pior pessoa do universo, e pra falar a verdade até hoje me sinto.
Então, a gente tentou fazer o relacionamento funcionar de novo, ela passou os três meses seguintes na minha casa, porém ela não ajudava em nada, e passava o dia todo deitada lendo webtoon, coisas sobre RPG e assistindo JoJo. Ela dizia que eu não superar este lance dela com a menina estava destruindo a gente, e então eu resolvi me calar e aguentar isso. Mas o peso dela não fazer nada por nós e por ela, e tudo isso me fez pedir pra que ela voltasse pra casa da vó, pois estava no fim do meu semestre e precisava de foco e de tempo para mim. Nesse mesmo momento, uma amiga em comum nossa falou para eu baixar o Tinder, nunca havia utilizado, ela falou que era um bom local para fazer amizades, eu tinha comentado com ela que estava triste pois me sentia isolada. Então baixei aquilo, usava o Tinder ao lado da minha ex, mostrando todas as descrições engraçadas que via. Então ela resolveu baixar também, e bom, logo em seguida ela voltou pra casa da vó.
Então ela mal falava comigo no whatsapp, apesar de passar 100% online. Me tratava bem seco. Eu tinha a chamado para sair e ela negou o convite, tinha planejado pedir ela em namoro oficialmente, e ela sabia disso, e negou. No outro dia perguntei se ela queria terminar comigo, e ela disse que sim, e terminou por whatsapp. Disse que estava sendo algo muito destrutivo. Fiquei muito mal, tentei me matar, pois logo quando nos reaproximamos perguntei se ela realmente queria isso, pois da outra vez que ela terminou comigo, perdi todo meu semestre por causa disso e falei que a faculdade era algo muito importante pra mim para me deixar abalar novamente e fuder tudo de novo. E ela prometeu que queria estar comigo.
Então ela terminou, e continuou falando comigo. Pedi para que nos bloqueássemos porque se não eu não conseguiria a superar, marcamos de nos encontrar um mês depois para conversar. Porém o que aconteceu é que ela se aproximou de uma menina que a minha ''amiga'' que falou para eu baixar o tinder apresentou para ela. (Detalhe: Quando terminei meu namoro, contei para esta amiga que estava muito mal e que queria morrer, ela brigou comigo e falou que eu tinha que me tratar, e que não iria falar mais comigo por um tempo, isto também me magoou demais) 15 dias depois do nosso término, ela já estava namorando outra pessoa. Me bloqueou de absolutamente tudo e disse que não queria falar comigo nunca mais. Sinto que nossos amigos em comum passaram a me tratar diferente também, sinto que me julguem, como se eu tivesse sido transfóbica, ou sei lá, feito algo de ruim pra minha ex, não sei o que ela pode ter dito sobre mim. Não tenho amigos, os que dizia ser meus, na verdade sempre foram dela, só tinha proximidade pois éramos namoradas. Estou completamente sozinha. Me dediquei tanto a este namoro, abri mão de muita coisa, inclusive dos meus estudos, e agora estou aqui, sofrendo. Me sinto um lixo por não superar isso, eu sinto muita falta dela e ainda a amo, ela agora trabalha, tem se virado na vida. Mudou de atitude. Gostaria que ela tivesse feito isso comigo, pensava em ter uma casa com ela, uma família, e lutava por isso, mas a vida é assim, quase nada sai como planejado. É isso aí.
Desculpem meu texto longo.
submitted by corounavairus to desabafos [link] [comments]


2020.02.06 18:16 _Punish3r Diagnóstico de Espectro Autista

Olá a todos, Me chamo Guilherme, tenho quase 20 anos (irei fazer em 4 de Maio), e novembro do ano passado, estava passando com a Neuropsicologia, e descobri meu diagnóstico de Espectro Autista.
E fica até que mais claro para mim em vários aspectos sociais da minha vida, sempre tive muita dificuldade em me socializar desde cedo, não curto festas em familia, por exemplo por parte do meu pai, que são 5 Tios e uma quantidade exorbitante de primos(a) e familiares, costumo não ir, por odiar o barulho alto e qualquer local com muita gente junta.
Na época de Escola, sempre fui o mais isolado da sala, e tanto no intervalo , eu demasiado e triste, ficava sentado no banco esperando a ''morrer da bezerra. Muitos familiares, sempre diziam que é por ser ''Timido'' ''Fase Natural'' ''Isso Passa ao decorrer do tempo'', mas não foi isso, agora que eu sei meu diagnóstico TEA (Transtorno do Espectro Autista) tudo mudou, até meu pai acha que pode ter sinais de TEA na época dele de Juventude.
Lembro caso, de garotas me olhando com desdém, pelo simples fato que estava apaixonado por uma garota da minha sala, mas infelizmente não é o que eu esperava, ela me maltratou não-verbalmente naquele dia com as amigas delas, e isso me machucou muito.
Tenho quase 20 anos, e nunca namorei, nunca beijei nenhuma garota se quer (BV e BVL), e já fui taxado até como ''GAY'' por ter esse aspecto moderado por tal ação. Já tentei pedir amigas que eu amava muito em namoro, mas todas foram apenas a resposta: ''Apenas Amizade'' ''Te vejo apenas como um Amigo'' ''Te magoaria se eu te desse um fora''. Porra prefeiro mil vezes que fale de coração e seja sincera, do que apenas fazer um textão gigantesco pedindo desculpas por apenas ficar se próprio diminuindo, para não namorar comigo. Eu sempre quis um relacionamento sério, sou um cara comprometido com esses tipos de assunto.
Agora estou lutando para me amar do jeito que eu sou um Asperger, e batalhar para virar uma pessoa digna e honesta. Estou Cursando Jogos Digitais (Ultimo Semestre), e sou Faixa Laranja do Karatê Kyokushin.
Acho que por enquanto é isso mesmo, queria desabafar isso, que vocês podem estar sofrendo muitos problemas, e podem ter algum sintoma de Autismo Leve ou até Moderado, e suas familias não percebem isso.
submitted by _Punish3r to desabafos [link] [comments]


2020.01.29 10:52 Ushishio Como se re-aproximar?

Oi. Tenho anos e ela também. Nos conhecemos no final de junho de 2018 através de uma amiga em comum, jogando League of legends. Nós começamos a nos falar, ela me convidava pra jogar e ficávamos bastante tempo jogando, ela dava alguns sinais que estava, pelo menos um pouco, interessada em mim, mas eu estava muito confuso pois ela ainda gostava de um cara que ela namorava, eles terminavam e voltavam, até que ele acabou traindo ela. Cheguei a sair com ela, uns amigos e a tal amiga, mas não consegui desenvolver muito bem pois sou muito tímido... Depois continuamos "normal" até pararmos de nos falar, eu não chamava mais ela pois achava que estava sendo um incômodo(eu tinha vergonha de ser um incômodo). Alguns meses depois ela me chamou dizendo "Oi, quanto tempo" conversamos um pouco e ficou por isso mesmo. Um tempo depois eu mandei mensagem no Facebook pra ela, dizendo que estava com saudades e perguntei quando iríamos sair ou até jogar novamente. Ela não me respondeu, nem visualizou... Passou um mês, aí eu pensei: "já que não vai pra frente nem pra trás vou abrir o jogo" Sim. Eu me declarei pra ela da PIOR maneira possível, pelo chat do league of legends, e acredito que estraguei tudo nesse momento. Ela não me respondeu, e ficamos 1 ano inteiro sem se falar. Até que eu acho ela no Tinder e resolvo dar like, e acabamos dando match. Comecei uma conversando falando que fazia muito tempo que não nos falávamos, ela riu e concordou, perguntei como iam as coisas, e fiquei sem resposta. Até que a minha amiga que me apresentou ela se ofereceu para "fazer as mãos" com ela, já que ela estava solteira e queria alguém companheiro do lado dela, já que todos os relacionamentos dela acabaram sempre com traição, mas não da parte dela. Ela é menos experiente que eu em "fazer as mãos" Ela começou a chamar ela pra jogar junto com a gente, entramos em call, conversa vai e conversa vem, minha amiga acabou comentando que ela ignora as mensagens. Ela acabou pedindo desculpas e que eu sei bem como é. Eu fiz ela dar umas risadas, mantive um papo legal. As vezes jogamos juntos, mas só quando a minha amiga chama ela, e não é sempre que ela aceita, pois quase sempre está com os amigos delas. Só conversamos por call quando estamos jogando.
Enfim, peço desculpas pelo textão. Se for possível gostaria de receber algumas dicas de como me re-aproximar dela.
Obrigado pela atenção!
submitted by Ushishio to desabafos [link] [comments]


2020.01.05 17:57 cafealmocojantar Não quer transar comigo mas consome pornografia: acabou o tesão?

Moro com meu namorado (eu 35 e ele 18) porque assim conveniente foi para nós apesar do pouco tempo de relacionamento. Estamos juntos há 1 ano. No início do relacionamento transávamos muito, às vezes 6 vezes num final de semana. Mas comecei a perceber que era eu que iniciava tudo e fazia a roda girar. E comecei a temer que ele na maior parte das vezes estava transando apenas para me agradar.
Nesse movimento ele só dá sinais que quer uma vez a cada duas semanas, o que é muito pouco para mim. Tenho muito, mas muito tesão nele. Quero praticamente todo dia mas dado o empenho logístico, de 3 a 6 vezes por semana para mim está bom. Questionei N vezes se ele não sente mais tesão em mim e ele jura todas as vezes que não, que me deseja igual a antes. Que a chama não se apagou. Apenas não curte fazer sexo na frequência que gosto, que não sente tanta libido. Muito embora sei que ele consome pornografia e acho que também se masturba eventualmente.
Eu não estou aguentando mais, estou subindo pelas paredes. É difícil ver ele andando pelado pela casa todo dia e não querer comê-lo. E estou começando a ficar doído (na alma) por me masturbar várias vezes na cama com ele do lado dormindo. Era para estarmos fazendo sexo junto, nos curtindo juntos, não gozando em separado. Tentei fazer DR várias vezes mas ele me acusa de ser sexualizado demais e de projetar nele o esteriótipo que "todo novinho é safado embora isso não seja a realidade".
Não me sinto desejado por ele e já dei sinais de que me gostaria de separar por isso e quando o faço ele chora desesperadamente, diz que não me deixará ir embora tão fácil, que todo casal têm problema, que me ama muito e não quer me perder.
Faço do jeitinho que ele gosta, diz que nunca alguém deu tanto prazer a ele, quando rola, ele geme, fica louco, realmente parece curtir muito e goza muito, mais de uma vez por transa. Tenho dificuldade de entender essa suposta baixa libido dele: como que pode ter a oportunidade de gozar (quase) todo dia com a pessoa que te ama, que toca seu corpo no jeito e nos lugares que você gosta e ainda assim querer tão pouco ter essa experiência?
Lidaram com situação parecida? O que te parece o que estou vivendo e quais palpites podem dar nessa vida alheia Querida internet, despejem sua sabedoria sobre mim.
submitted by cafealmocojantar to arco_iris [link] [comments]


2019.12.09 02:29 Phoebird Uma música de sertanejo sofrência me fez pensar na natureza dos meus relacionamentos

Geralmente não ouço nada do gênero, nada contra, tenho até amigos que escutam. Ouvi ela no uber ontem quando tava voltando do trabalho e desde então não consigo tirá-la da cabeça.
A música se chama Todo Mundo Vai Sofrer da Marília Mendonça. O trecho que mais me chamou a atenção é o seguinte:
> Quem eu quero, não me quer Quem me quer, não vou querer Ninguém vai sofrer sozinho Todo mundo vai sofrer
Cara, não podia me identificar mais. Tenho uma certa dificuldade de me aproximar das pessoas devido a umas desordens aí. Nesse dia específico, ocasião rara, conversei com uma colega de trabalho, cuja voz e jeito de falar e agir meio estranhos muito me encantam e as opiniões dela são similares às minhas. Aí ela me disse que gosta de caras mais velhos e eu sou uns três anos mais novo que ela... Eu nunca sei direito quando gosto de alguém. Pra falar a verdade, acho que só gostava dessas características dela, se pudesse escolher amizades, escolheria ser amigo dela. Eu sei que houveram apenas duas instâncias que algo próximo de um relacionamento existiu ou dava sinais de surgir. Na primeira, gostava muito da garota, mas ela era meio distante e claramente não sentia o mesmo. Eu tenho uns probleminhas aí e acho que até gostava do fato de ela não gostar de mim, me humilhar e pedir para pagar umas coisas e tal. Nossa, eu sou um otário. Ela era meio gótica e ruiva também. Nem é fetiche, inclusive, suspeito ser assexual. A outra gostava de mim, mas eu não gostava dela. Nem era por causa da aparência, eu simplesmente não sentia nada por ela. Quero dizer, ela era uma leitura ávida e, contanto que não falássemos sobre religião, concordávamos em quase tudo.
Talvez seja aquele lance da autoestima. Talvez eu seja atraído por pessoas que me tratam mal, porque, no fundo, eu concordo com elas. Talvez eu seja atraído por pessoas controladoras e que tomam iniciativa, por causa de toda a minha passividade, ou eu só gosto de pessoas assim mesmo. Sei lá, parece um dilema. Enfim, acho que tô pensando demais por causa de uma música besta. Eu fico carente, emotivo e meio alto quando tô doente. Boa semana pra todos.
submitted by Phoebird to brasil [link] [comments]


2019.11.07 03:25 Mustafasustenido Completei 30 anos, virei mago e isso me abalou profundamente

Caros colegas redditors.
Buscarei a melhor forma de contar essa história aqui e farei um TL;DR no fim, mas tentarei não deixá-la massiva.
Então... venho de uma família classe média alta onde o que mais tive foi amor e carinho.
Em minha adolescência viajei bastante pelo mundo com minha família, estudei em uma escola excelente, fiz muitos amigos (alguns hoje são meus irmãos de vida) e posso dizer que foi o melhor período de minha vida.
Porém nunca consegui me relacionar com nenhuma mulher. Terminei o ensino médio sem nunca ter dado um beijo. Só tendo encostado na mão de uma menina 1x e passando por dezenas de rejeições (perdi as contas da quantidade de vezes que me apaixonei e não fui correspondido).
Sei que isso, em partes, se explica pelo fato de eu ter sido o ser humano mais magro (com saúde) que já conheci. Sem entrar em muitos detalhes meu IMC era por volta 13, eu era literalmente só o osso. Mais de 1,80m e menos de 50 kg (muito tempo depois descobri que é simplesmente a genética, mesmo malhando existe uma barreira pra meu peso e cada segundo de sedentarismo me faz emagrecer), exames perfeitos. No fim da adolescência entrei pra academia e consegui um corpo magro normal, porém o estrago na minha autoestima já estava feito (apesar de eu ter convicção que a qualquer momento, naturalmente, as coisas aconteceriam e eu acharia alguma menina pra me relacionar).
Passei em uma das melhores faculdades do país, no curso que eu queria, saí de casa pra morar sozinho e estudar, tinha tudo pra minha vida continuar as mil maravilhas, mas encontrei meu primeiro problema. O local de estudo só tinha homens e, como eu não era muito de sair, me bateu um grande desespero de continuar BV por muito tempo, já que não teria contato com mulheres... Enfim, uma depressão apareceu e fiquei quase 2 anos praticamente na rotina casa-faculdade-casa (além de minha família ter colocado quase uma babá em minha casa, pra que eu pudesse ficar mais relaxado). Foi com sobras o pior período de minha vida, em momentos de crise não conseguia comer praticamente nada, em momentos normais eu tinha que empurrar cada refeição. Voltei pra um estado de muita magreza (IMC 14,5), parei de fazer atividades físicas... minha família percebia pouco porque, além da distância, meu desempenho continuou excelente. Meus amigos de infância estavam em outras cidades e meus amigos da faculdade não pareciam notar nada (até porque já me conheceram nesse estado).
Consegui começar a superar essa situação depois de um grave problema de saúde na família. Entendi que nada do que eu sentia se justificava com tanto sofrimento que eu estava vendo daquele ente querido próximo a partir. Tanto que, depois da sua morte meus pensamentos voltaram a funcionar quase que normalmente (algumas recaídas de vez em quando) e voltei a ter aquela certeza adolescente que a qualquer momento naturalmente eu ia encontrar uma parceira.
Resumindo bastante, terminei a faculdade e comecei a trabalhar numa das maiores empresas do país, em uma cidade média do Brasil. Em pouco tempo eu assumi uma função de gestão e hoje estou quase no topo da carreira. Além disso dou palestras periodicamente para centenas de pessoas e ministro um curso noturno na área em que sou referência. Minha remuneração é o equivalente a 1 carro popular a cada 2 meses.
Ah... não possuo redes sociais
O que vou falar agora pode ficar parecendo querer me "gabar", mas é só pra enaltecer a gravidade da situação e o quanto tudo pesa em mim.
Meu modelo de gestão virou referência na empresa (e no mercado em geral), por criar uma equipe "família" (tenho muita facilidade em analisar perfis de pessoas e criar ambientes de trabalho que funcionam de maneira leve), os funcionários da empresa simplesmente me vangloriam pela forma como eu levo as coisas e resolvo as situações. Um dia desses um antigo auxiliar de serviços gerais (o qual sempre incentivei [verbalmente e financeiramente] a terminar o curso que estava fazendo) que conseguiu vaga de assistente administrativo em outra empresa veio pessoalmente me agradecer (até uma lembrança me deu, que guardo com bastante carinho) por conta dos ensinamentos que passei pra ele, que, segundo o mesmo, "foram de grande importância para o crescimento na carreira dele".
Dou palestra pra centenas de pessoas por mês, pra falar sobre a área que domino e está em ascensão em todo o mundo. As palestras tem sido um sucesso, e a plateia aumenta a cada ciclo. Sempre tive muita facilidade pra falar (e prender a atenção das pessoas) em público.
Minhas aulas noturnas também correm de maneira bastante positiva. Sempre tive prazer em ensinar e ver o aprendizado de cada estudante (principalmente os que mais tem dificuldades) me dá uma sensação de dever cumprido muito grande.
Além disso tudo sou multi-instrumentista. A música é parte de mim e sempre quis compartilhar com o máximo de pessoas possível. Dessa forma, sou um dos fundadores (e professor) de um projeto comunitário com objetivo de transformar a vida das pessoas de uma maneira efetiva.
Dito isso, volto pra o ponto do desabafo do tópico.
Completei 30 anos, sou BV e, obviamente, virgem e isso vem me destruindo a cada dia que passa. Todas as pessoas próximas a mim já tem família, ou pelo menos namoradas sérias/noivas e eu mal encostei na mão de uma mulher.
Analisando friamente (uma das minhas maiores virtudes são as autocríticas) sou um homem nota 7 de rosto (sei que nos achamos mais bonito do que o que somos, mas já descontei uns pontos, risos) e 3 de corpo. (recentemente estava melhor de corpo mas ansiedade que venho sentindo nos últimos meses vem me corroendo, e tenho total consciência que não posso por a desculpa dos meus insucessos integralmente no meu corpo)
Ninguém sabe que sou BV e meus dois amigos mais próximos sabem que sou virgem.
Mensalmente recebo a sugestão de procurar uma prostituta, mas meu EU me diz que isso seria a maior prova que sou incapaz de conseguir um primeiro beijo com uma moça que gostasse de mim de verdade (e nem sei se é recomendado beijar prostitutas, risos).
Meus amigos já tentaram me "armar" com conhecidas em festas, mas nas duas vezes que isso aconteceu notei que as moças não queriam e nem tentei forçar a barra. Acabei saindo das situações muito pior do que antes, sentindo a rejeição na pele mais uma vez. Sabe aquela facilidade pra falar em público? Isso desaparece integralmente em contatos sociais diretos com muitas pessoas do sexo feminino (principalmente em festas, que nunca gostei e hoje em dia mal vou, a não ser as do trabalho ou quando faço parte da banda). Na verdade ir em festas no geral me cansa MUITO, vou uma vez por ano, depois de muita insistência dos amigos, porque sei que vou ficar lá 5-6h com cara de paisagem, sem despertar o interesse de nenhuma mulher random por conta de não conseguir ter a mínima postura e não ter um corpo tão legal pra gerar interesse numa numa festa.
Tenho total convicção que, se eu fosse uma mulher, jamais pegaria um cara inibido como eu num ambiente de festa, eu simplesmente me reduzo a um pedacinho de nada, sei que isso é muito por conta da baixa autoestima devido ao meu corpo e às rejeições femininas que sofri na adolescência.
Minha rotina hoje em dia se resume basicamente a:
Trabalhar de segunda à sexta o dia todo (e noite), tento ler algo pra relaxar;
Sexta à noite (pelo menos a cada 15 dias) saio com meus amigos (e suas esposas) pra um barzinho;
Sábado trabalho mais um pouco, assisto futebol e vou dar aula de música para o pessoal no projeto;
Domingo passo o dia feliz com minha família, à noite vou à missa pra relaxar um pouco o espírito e me preparar para a semana.
Sinto um pouco de tristeza principalmente ao escrever que passo o "domingo feliz" com minha família, com um toque de desdém. Porque realmente tinha tudo pra ser algo perfeito, mas meu EU interno já passa cada minuto, em cada uma dessas atividades, pensando no quanto de vida eu perdi por chegar aos 30 anos sem ter me relacionado com uma mulher e saber que esse tempo não volta atrás nunca.
Saber que jamais vou ter uma namoradinha aos 15 anos, conhecer aos poucos e sem maiores pressões como um relacionamento funciona. Ir de mãos dadas ao shopping, assistir um filme, trocar palavras, olhares... Cada vez que penso nisso parece que uma parte de mim fica pra trás, não consigo exprimir com palavras o vazio que isso me faz sentir.
O estopim para que eu resolvesse desabafar e (com fé em Deus) procurar ajuda profissional foi o seguinte:
A empresa é composta majoritariamente por homens e mulheres de mais idade, mas possui algumas estagiárias e o pessoal sempre me fala na resenha (não sei até que ponto é resenha [na verdade eu sei que não é resenha]) que elas fazem de tudo pra se envolverem comigo (lembra aquela história de que sou bom pra traçar perfis de pessoas e montar equipes? Pois é, quando o assunto é relacionamento com mulheres eu não sei interpretar os sinais mais básicos). Obviamente eu jamais me envolveria com uma estagiária (até mesmo uma ex-estagiária), por razões profissionais, mas já recebi muitos "convites" via Whatsapp, que acabo levando na brincadeira pra não queimar minha reputação.
Enfim, recentemente chegou o ponto que resolvi que meu psicológico era mais importante do que meu medo de "me queimar" e comecei a conversar com uma estagiária (10 anos mais nova e de família humilde[claro que não ligo pra isso, só estou dizendo aqui pra que você me ajudem a interpretar a situação depois]) que já estava terminando o contrato e ia ser efetivada em outra cidade. A iniciativa foi minha (e isso me fez ter ainda mais vontade de que desse certo), mas, mesmo sendo um poste, eu sempre notei a forma que ela me olhava, sorria e nas conversas que tivemos nossas ideias se batiam muito, além de ela me atrair fisicamente e ser bastante inteligente.
Começamos a conversar diariamente via Whatsapp (evitávamos contato pessoal por conta do ambiente da empresa). Pouco antes do contrato dela acabar surgiu o momento e falamos mutuamente do que sentíamos, dos problemas que isso podia trazer pra vida profissional, mas acabamos concordando que valeria a pena tentar algo. Um tempo depois resolvi chamá-la pra sair e ela aceitou, mas veio com uma conversa que não era pra eu criar expectativas e que ela "não era fácil" (com outras palavras mas em resumo era isso). Confesso que achei meio estranho, há pouco tempo havíamos nos aberto um para o outro, mas não entendo nada de mulheres mesmo, então vamos seguir a história.
Tive o primeiro encontro da minha vida (sim, aos 30 anos, repito) levei ela pra jantar em um local que não fosse o mais caro da cidade (pensei que ela se sentiria mais confortável caso pudesse pagar o que havia consumido, se desejasse).
Saí de casa bastante nervoso, mas seguindo à risca tudo que os tutoriais on-line tinham me ensinado. Asseado, perfumado, bem vestido (como se eu já não vivesse assim...) e tentando o máximo possível ser simplesmente eu.
Chegamos ao local (um pouco preocupados que algum conhecido nos visse), mas a coisa fluiu tão naturalmente que, aos poucos o nervosismo foi passando. Aproveitamos o momento "livres" e conversamos sobre muita coisa ao longo de quase 3 horas (sem nenhuma forçação de barra, a coisa realmente acontecia de maneira espontânea), falamos um pouco sobre nossas vidas, nossos anseios, falamos mal das pessoas das mesas vizinhas... isso tudo com intensas trocas de olhares. Chegou um ponto que tomei coragem, segurei na mão dela e, pasmem, ela deixou. Fiquei ali de mãos dadas com ela (foi uma das melhores sensações que já tive na vida), trocando carícias e conversando por mais alguns minutos, quando decidi que era hora de sair e tentar algo.
Como já disse, antes do encontro eu estava muito nervoso, mas depois de todo aquele tempo com ela eu percebi que as coisas realmente iam acontecer de forma bastante natural.
Saí do restaurante abraçado com ela, fomos em direção ao carro (estava num local isolado), fiquei de frente com ela, falei 2 palavras e fui em direção ao meu primeiro beijo.
Ela simplesmente se virou e disse "na-não" (foi mais em forma de ruído de negação, mas achei melhor escrever assim), nesse momento não entendi mais nada (teria interpretado algum sinal de forma errada? Deveria insistir?).
Dei um abraço nela falei algumas palavras, tentei novamente e recebi mais uma rejeição.
Não soube o motivo (até agora não sei), mas preferi não insistir, demos um abraço demorado e levei ela pra casa, conversando sobre outras coisas.
Faz pouco tempo que isso aconteceu e ainda trocamos algumas palavras via Whatsapp. O que me deixa tranquilo é que eu pelo menos tirei a bunda da cadeira e tentei. Mas a frustração de mais uma rejeição é algo incomensurável pra mim. Não sei quando terei contato com outra mulher a esse ponto (estatisticamente eu tenho contato, com chances de dar algo, com uma mulher a cada 2 anos, e, é claro, nunca deu certo)
Com relação a esse encontro (eu queria até a opinião dos colegas redditores) eu trabalho com 3 hipóteses:
1 - Ela quer algo, mas não quis se mostrar fácil/interesseira (como as outras estagiárias que mandam mensagens diretas pra mim por Whatsapp) e está esperando outro convite meu para que possamos sair novamente e finalmente ocorra algo;
2 - Ela não quer mais nada por conta de uma das milhares de coisas que podem estar se passando na mente dela;
3 - Isso foi a prova de que meu corpo possui alguma substância não identificada, incolor, inodora e insípida, que cria uma barreira contra mulheres.
Não sei se vale a pena insistir, estou tão frustrado que não consigo ter forças pra um contato mais direto (apesar de sentir muita falta das conversas com ela);
Pra finalizar, meu desespero hoje é tão grande que penso até em fazer uma rede social (coisa que nunca tive) só pra me "amostrar" (algo que é totalmente contra meu perfil). Mostrar meus carros, minha casa na praia, minhas viagens semanais, meus momentos com os amigos, sei lá, qualquer coisa que pudesse gerar alguma curiosidade sobre mim para as mulheres.Mas aí me olho no espelho e percebo que quando chegar a esse ponto eu realmente não estarei mais sendo eu e algo de muito errado (além do que já está se passando) estará acontecendo.
TL;DR: Homem, 30 anos, família perfeita, muitos amigos (alguns verdadeiros irmãos), trabalho dos sonhos, ótima situação financeira, porém BV e virgem.
Fazendo um resumo desde a adolescência:
Comecei a aprender sobre música achando que com isso um relacionamento viria naturalmente (ao menos a música virou uma paixão real em minha vida);
Comecei a fazer academia achando que com isso um relacionamento viria naturalmente;
Comecei a cursar um dos cursos mais concorridos do Brasil achando que com isso um relacionamento viria naturalmente;
Comecei a trabalhar e hoje ganho mais do que 99% da população brasileira achando que com isso um relacionamento viria naturalmente;
E não veio. Hoje não sei mais o que buscar ou a quem recorrer... A ansiedade (ou seria depressão?) está chegando a tal ponto que me vejo totalmente refém de alguns pensamentos que me atrasam bastante. Eu não consigo, por exemplo, passar mais de 15 dias (ou ir pra um lugar distante) longe da minha família/amigos próximos. Começa a bater um desespero (tipo os que eu sentia na depressão quando tinha 20 anos) e começo a pensar que eu poderia estar ali com uma companheira, aproveitando cada segundo. Já desisti de diversas viagens para fora do Brasil por conta disso. Coisa que fazia naturalmente na adolescência.
Sinto que a cada dia a bolha vai aumentando, a ponto de começar a atrapalhar nos meus trabalhos e vida pessoal, viagens a trabalho para fora do estado estão se tornando um sofrimento (as consequências de todos meus medos recaem sobre meu sistema digestivo), acordo à noite desesperado com medo do dia de amanhã, comecei a procrastinar algumas coisas e perder o tesão em diversas situações de prazer do dia a dia (não consigo mais jogar videogame por achar que isso me torna ainda mais virgem e inútil. A própria masturbação se tornou um momento de tristeza. Tocar piano, violino, violão, etc sozinho muitas vezes só me traz dor).
Cada elogio que recebo na empresa, palestras, aulas, crianças no projeto de música, família, amigos, parece aumentar o vazio que sinto.
Gostaria de simplesmente arrumar uma companheira e viver a vida a dois, viajar, compartilhar momentos, beijar, quem sabe, caso a coisa desse certo, ter filhos, criar uma família...

De qualquer forma, me sinto um pouco mais leve por ter passado 2 horas escrevendo e tendo exprimido todos esses sentimentos pela primeira vez (pra o lado de fora de minha cabeça).
Estou pensando em procurar um psicólogo (creio que já devia ter feito isso desde a minha primeira depressão lá nos 20 anos). Como garantir que eu, sendo uma figura conhecida na cidade não terei todas as minhas histórias íntimas divulgadas (sei que psicólogo é uma profissão muito séria, peço até desculpas de antemão caso essa pergunta ofenda alguém, mas uma pessoa má intencionada poderia destruir toda minha reputação externalizando minha intimidade). Na verdade a pergunta é "como escolher um psicólogo?". Caso não dê certo é normal trocar de psicólogo?
Obrigado a todos pela atenção.
submitted by Mustafasustenido to desabafos [link] [comments]


2019.10.15 04:43 Enigma_Machine1 Pessoas que trataram ciúmes com um psicólogo, me deem uma luz aqui

Estou tendo um problema sério de ciúmes no meu relacionamento. Tenho os sinais mais clássicos disso: ciúmes do passado da pessoa, me comparo toda hora com os ex-namorados dela, tenho aquele medo de perdê-la, tenho um certo ciúmes dos amigos (mesmo conhecendo alguns e gostando muito deles), sem contar o mar de toxicidade que são as redes sociais nesse sentido (de achar que toda a atividade da pessoa é "suspeita" - eu não fico monitorando isso 24h por dia, mas invariavelmente aparecem para mim interações normais que ela tem com os amigos etc).
Eu fico chateado por isso me ter pego de surpresa. Eu nunca tive ciúmes fora do "normal" antes desse relacionamento. No meu último namoro eu fui traído, e foi aquela história: eu estava desconfiando há algum tempo, tive a confirmação pois acabei sendo trocado. Isso foi há mais de 2 anos atrás. Sinto que desde então eu nunca mais consegui confiar em outra pessoa. Tive uma vida de solteiro bem normal depois disso, quase 2 anos tendo apenas encontros casuais e um ou outro lance mais sério. Meu namoro atual é de 8 meses. No início eu não tinha ciúmes algum, pelo contrário, eu nem sequer encanava com isso. No entanto, foi só minha namorada fazer uma brincadeira um dia, sobre traição e tal, que as lembranças do meu último relacionamento vieram a tona e aos poucos vi os ciúmes se instalando dentro de mim e, por mais que eu reconhecesse isso, não conseguia fazer nada a respeito. Meu pensamento ficou viciado. Fico procurando pelo em ovo, buscando nas entrelinhas das coisas que minha namorada me diz, algo que não existe. Eu tenho dificuldade em discernir o que é real e o que é coisa da minha cabeça nesse sentido. Sinceramente, eu não sei se minha dificuldade em confiar é nos outros, ou é confiar em si mesmo.
Estou em busca de tratamento psicológico pois tenho plena noção que os ciúmes que eu tenho são insustentáveis a longo prazo. Gostaria de saber das experiências de quem já passou por isso e buscou ajuda. Como foi o tratamento? Vocês conseguiram mudar? Os ciúmes desapareceram? Conseguiram tocar o relacionamento depois disso? Queria apenas saber que isso é de fato possível de ser mudado, isso já me aliviaria e muito a consciência.
submitted by Enigma_Machine1 to desabafos [link] [comments]


2019.07.22 11:12 camisolatou Cristiano Ronaldo supera Lionel Messi como o esportista mais admirado do ano

O debate sobre o melhor jogador de futebol do mundo continua na última década.
Lionel Messi e Cristiano Ronaldo, em camisolas de futebol compartilharam os 10 Ballon d'Ors anteriores e não estão a mostrar sinais de desaceleração ao entrarem na casa dos 30 anos.
De fato, no mês passado, Messi admitiu abertamente que havia perdido Ronaldo jogando na La Liga depois que o português assinaram com a Juventus, gigante da Serie A.
"Claro que sinto falta de Ronaldo, ele fortaleceu o Real Madrid", disse Messi à Fox Sports, segundo Ole.
"Eu disse que eles iriam sentir a saída de Cristiano, como teria acontecido com qualquer clube.”
Embora seja quase impossível provar qual é melhor que a outra, é possível descobrir qual é mais "admirado".
Numa pesquisa recente, veio à tona que o craque de Portugal, Cristiano Ronaldo, ultrapassou Lionel Messi para emergir como o esportista mais admirado do mundo. A camisola Ronaldo prova o seu encanto no mundo. O seu rival Messi não está muito atrasado.
Embora o par se esforce ao máximo no negócio e quebre inúmeros registros individuais, há um grande respeito entre eles.
A rivalidade de Messi e Ronaldo sempre foi exagerada pela mídia e pelos fãs, com o argentino afirmando que, embora não fossem exatamente os melhores amigos, eles tiveram um ótimo relacionamento.
"Foi bom para nós dois, sempre quisemos melhorar a nós mesmos. Nós não tínhamos muito relacionamento. Mas nos conhecíamos apenas de partidas e cerimônias de premiação, mas sempre tínhamos boas vibrações e muitas vezes conversávamos."
submitted by camisolatou to u/camisolatou [link] [comments]


2019.06.18 17:38 exo_word Mikrogeophagus ramirezi

Mikrogeophagus ramirezi - Ramirezi

Sinônimos

Apistogramma ramirezi Myers & Harry, 1948; Papiliochromis ramirezi (Myers & Harry, 1948); Microgeophagus ramirezi (Myers & Harry, 1948)

Etimologia

Mikrogeophagus : do grego μικρός (mikrós), que significa 'pequeno', e o nome genérico Geophagus .
ramirezi : aparentemente escolhido para evitar confusões porque o nome 'ramirezi' estava sendo usado para o peixe no comércio ornamental antes de sua descrição.

Classificação

Ordem : Perciformes Família : Cichlidae

Distribuição

A maioria da literatura sugere que esta espécie é restrita aos llanos venezuelanos e colombianos da drenagem do rio Orinoco, embora um dos espécimes em nossas imagens seja coletado no rio Purus, um afluente do Amazonas localizado a uma certa distância do rio Orinoco. aquela bacia hidrográfica.
Tipo de localidade é 'Orinoco system, Venezuela'.

Habitat

O Llanos é um vasto sistema de pastagens de savanas tropicais altamente biodiversas, planícies e florestas sazonalmente inundadas que cobrem uma área de quase 600.000 quilômetros quadrados na Venezuela e na Colômbia. Existem padrões climáticos anuais bem definidos com estações úmidas e secas distintas e altas temperaturas durante todo o ano.
Ele está localizado ao norte e oeste do rio Orinoco e drenado por muitos dos afluentes do rio.
Outros peixes que ocorrem na região e estão disponíveis no comércio de aquários incluem Corydoras delphax, Platydoras costatus , Baryancistrus beggini , Hypancistrus inspector , Panqolus maccus , Panaque nigrolineatus , Hemigrammus rhodostomus , H. stictus , Hyphessobrycon sweglesi , Paracheirodon axelrodi , Pristella maxillaris , Copella nattereri , Biotodoma wavrini , Geophagus abalios , Heros severus , Mesonauta insignis , Satanoperca daemon e Uaru fernandezyepezi .

Comprimento Padrão Máximo

35 a 40 mm.

Tamanho Aquário

Um aquário com uma base de 60 a 30 cm ou equivalente é suficiente para um único par.

Manutenção

Desde que haja uma cobertura e estrutura adequadas, esta espécie não é nada exigente no que diz respeito à decoração com vasos de cerâmica, comprimentos de tubagens plásticas e outros materiais artificiais, todas as adições úteis.
Um arranjo de aparência mais natural poderia consistir de um substrato arenoso e macio com raízes de madeira e galhos colocados de tal maneira que se formem muitas manchas e cavernas sombreadas, além de uma ou duas pedras planas ou semelhantes para proporcionar potenciais locais de desova.
A adição de serapilheira seca enfatizaria ainda mais a sensação natural e, com ela, o crescimento de colônias microbianas benéficas à medida que a decomposição ocorre. Estes podem fornecer uma fonte de alimento secundária valiosa para alevinos, enquanto os taninos e outras substâncias químicas liberadas pelas folhas em decomposição auxiliam na simulação de condições naturais.
As plantas aquáticas também podem ser usadas com aquelas de gêneros como Microsorum , Taxiphyllum , Cryptocoryne e Anubias, talvez mais úteis, pois podem ser cultivadas anexadas à decoração, embora nenhuma delas seja nativa da América do Sul.
A filtração, ou pelo menos o fluxo de água, não deve ser muito forte e as mudanças de água muito grandes devem ser evitadas com mudanças regulares de 10 a 15% recomendadas.
Esta espécie nunca deve ser adicionada a aquários novos ou biologicamente imaturos. Quando as condições se deterioram, torna-se suscetível a uma condição semelhante àquela referida como erosão da linha lateral e da cabeça ou buraco na cabeça em outras espécies que inicialmente se manifesta como pequenos buracos formados por carne em erosão ao redor da cabeça e poros da linha lateral.

Condições da Água

Temperatura : 26 - 30 ° C
pH : 4,0 - 7,0
Dureza : 18 - 179 ppm

Dieta

Mikrogeophagus spp. são bentófagas por natureza, normalmente obtendo bocados de substrato que são peneirados para itens comestíveis com o material restante expelido pelas aberturas branquiais e pela boca, embora eles também percorram superfícies sólidas e arrebatem itens diretamente da coluna de água.
No aquário, devem ser oferecidas uma variedade de pratos vivos e congelados, como bloodworm, Artemia , Daphnia , verme grindal, etc., complementados por alimentos de boa qualidade, secos e afundados, de tamanho adequadamente pequeno. Peixes selvagens podem inicialmente recusar estes últimos, mas normalmente aprendem a aceitá-los ao longo do tempo.
Receitas de gelatina caseiras contendo uma mistura de ração de peixe seco, marisco, frutas e vegetais frescos, por exemplo, também funcionam bem e podem ser cortados em discos pequenos usando o final de uma pipeta afiada ou faca pequena.

Comportamento e Compatibilidade

Apesar de normalmente ser vendido como tal, o M. ramirezi não é recomendado para o aquário comunitário em geral, uma vez que requer uma qualidade de água pura e é um concorrente deficiente, embora isso não signifique que deva ser mantido sozinho.
Grupos de pacíficos, characídeos de águas abertas ou similares são particularmente recomendados como companheiros de tanque, uma vez que a presença de pequenos cardumes ou cardumes parece ser usada como um indicador de que não há ameaça imediata nas proximidades e, portanto, pode ajudar a reduzir a timidez.
Certifique-se de pesquisar suas escolhas potenciais em profundidade e evitar peixes territoriais ou agressivos, incluindo a maioria dos outros ciclídeos, e aqueles que requerem água mais dura.
Os juvenis são gregários, mas quando atingem a maturidade sexual, começarão a formar pares dos quais cada um comandará um território com alguns metros de altura ao criar.

Dimorfismo Sexual

Os machos adultos crescem mais que as fêmeas, possuem nadadeiras um pouco mais estendidas e são mais intensamente coloridos.
A maioria das fêmeas possui uma mancha rosada na barriga que está ausente nos machos, embora isto possa não ser o caso em algumas estirpes ornamentais (ver "Notas").

Reprodução

Esta espécie é um spawner de substrato biparental e é melhor reproduzida em uma configuração dedicada, sem outros peixes presentes.
Não parece haver nenhum gatilho específico para o processo de desova, com os principais requisitos sendo boa dieta e rigoroso regime de manutenção. Os ovos podem ser difíceis de levantar e facilmente desenvolver fungos ou não desenvolver, a menos que a água esteja muito limpa e com baixa dureza.
Pares inexperientes podem comer sua ninhada, mas muitas vezes acertam as coisas após algumas tentativas, enquanto o peixe produzido comercialmente (veja 'Notas') tende a ser de qualidade relativamente baixa e pode falhar em fertilizar muitos de seus ovos ou simplesmente consumi-los repetidamente.
A menos que estejam disponíveis adultos sexuados, é melhor começar com um grupo de peixes jovens e permitir que os pares se formem naturalmente, separando-os ao fazê-lo, e recomendamos comprá-los a um criador privado de boa reputação, se possível.
Os ovos são normalmente colocados em uma superfície sólida, como uma pedra plana, um pedaço de madeira flutuante, folhas largas da planta ou diretamente no vidro do aquário, e a desova ocorre em estilo típico com a fêmea colocando uma ou mais fileiras de ovos antes do macho se mover. fertilizá-los, este processo sendo repetido inúmeras vezes.
Se você mantiver os adultos em uma situação da comunidade, recomenda-se remover os tankmates ou os ovos neste ponto, caso deseje aumentar um bom número de filhotes. Tanto o homem quanto a mulher participam igualmente do cuidado de crias.
A incubação é de 2 a 3 dias, após os quais os alevinos permanecem em grande parte imóveis por mais 5 dias, período durante o qual não necessitam de qualquer alimento suplementar. Depois de nadar livremente, eles devem receber microworm, infusórios e outros alimentos microscópicos durante os primeiros 2-3 dias, após os quais alimentos maiores, como náuplios de Artemia, podem ser introduzidos.

Notas

M. ramirezi também é conhecido pelos nomes 'ciclídeo anão' ramirez 'e' ciclídeo borboleta 'e está entre os ciclídeos anões mais populares no hobby aquário.
Como resultado, é produzido em uma base comercial em grande número e um número de cepas ornamentais foram desenvolvidas, incluindo 'ouro', 'long-finned' (tanto azul e ouro formas; também negociadas como 'lyre-tail', ' véu-cauda 'e' hi-fin '),' azul elétrico / neon ',' super neon azul ouro '' pérola / perlmutt 'e' balão '.
Essas formas criadas artificialmente, em particular as últimas, tendem a ser geneticamente fracas, suscetíveis a doenças, exibem períodos de vida encurtados e baixo vigor reprodutivo, além de, em muitos casos, apenas os machos serem distribuídos.
Acredita-se que os hormônios podem ser usados ​​para aumentar a produção e os peixes geralmente são criados em alimentos secos contendo grandes quantidades de proteína e pigmentos carotenóides para acelerar o crescimento e intensificar a coloração.
A forma clássica de 'azul alemão', anteriormente considerada de boa qualidade, também é agora produzida em vários países diferentes e sofreu como resultado.
Embora indubitavelmente de estoque genético superior o peixe selvagem seja mais exigente em termos de condições de água e dieta e indiscutivelmente adequado apenas para aquaristas experientes, portanto é difícil recomendar esta espécie a menos que um criador privado respeitável possa ser encontrado.
O gênero Mikrogeophagus contém atualmente apenas duas espécies reconhecidas. Eles estão separados uns dos outros em um sentido geográfico com M. ramirezi ocorrendo na Venezuela e na Colômbia e seus congêneres M. altispinosa, nativos da Bolívia e do oeste do Brasil. Este último também é um peixe maior e menos colorido, sem marcas iridescentes azuis nas barbatanas, corpo e cabeça.
O agrupamento tem uma história taxonômica confusa com a correta localização e ortografia das espécies-tipo M. ramirezi, uma fonte de confusão por várias décadas antes da publicação de Kullander (2011). Foi descrito como um membro do gênero Apistogramma, mas depois afiliado com o nome Microgeophagus em um livro de aquário de Hans Frey (1957), que não forneceu caracteres diagnósticos e apenas sugeriu que ele pudesse ser colocado naquele gênero no futuro.
O último nome não alcançou aceitação geral até 1971, quando Axelrod o usou em um livro popular sobre a criação de peixes de aquário, embora Klee (1971) tenha rejeitado isso e sugerido que as espécies deveriam ser incluídas no Geophagus . Kullander (1977) descreveu o novo gênero Papiliochromis com P. ramirezi como espécie-tipo e, no mesmo trabalho, considerou o Microgeophagus como um nome indisponível, sem fornecer detalhes precisos sobre o motivo.
Papiliochromis foi aceito tanto na literatura amadora quanto científica até que Bailey e Robins (1982) concluíram que Microgeophagus sensu Axelrod (1971) era o mais antigo nome disponível para um gênero de ciclídeo com A. ramirezi como espécie de tipo e, portanto, deveria ser considerado válido.
Géry (1983, 1986) argumentou que Microgeophagus sensu Frey (1957) é o mais antigo nome disponível para o gênero, enquanto Allgayer (1985) considerou válido Papiliochromis . Kullander (1998) usou Mikrogeophagus , um nome que ele considerou o mais antigo disponível com base em sua inclusão como um nome válido em Jeg har akvarium , um livro de aquário de língua dinamarquesa publicado em 1968, com Microgeophagus sensu Frey (1957), um nomen nudum indisponível diagnóstico e tipo de espécie.
O gênero Mikrogeophagus é, portanto, atribuído a Jens Meulengracht-Madsen, 1968, autor das seções relevantes do livro (foi editado por Schiøtz e Christensen), mas é considerado um ato nomenclatural "involuntário" porque o autor acreditava estar usando uma nome existente.
O Mikrogeophagus, portanto, tornou-se amplamente aceito segundo Kullander (1998), embora alguns autores evidentemente não concordassem.
Após um período de inatividade Isbrücker (2011) reabriu a questão e argumentou que Microgeophagus sensu Frey (1957) é na verdade o nome mais antigo disponível para o gênero, mas isso foi definitivamente rejeitado por Kullander (2011), que publicou uma análise detalhada do nomes genéricos diferentes que foram usados ​​para a espécie, a maioria dos quais derivados de literatura de aquário, ao invés de científica.
Embora Mikrogeophagus é agora geralmente aceite para ser correta as espécies M. ramirezi geralmente aparece na literatura mais antiga como aquário Apistogramma ramirezi , Microgeophagus ramirezi , ou Papiliochromis ramirezi .
O Mikrogeophagus e vários gêneros relacionados são frequentemente incluídos na suposta subfamília Geophaginae. Kullander (1998) realizou um estudo filogenético baseado na morfologia em que os Cichlidae neotropicais foram divididos em seis subfamílias das quais os Geophaginae continham 16 gêneros divididos entre três 'tribos':
Acarichthyini - Acarichthys e Guianacara . Crenicaratini - Biotoecus , Crenicara , Dicrossus e Mazarunia . Geophagini - Geophagus , Mikrogeophagus , ' Geophagus ' brasiliensis grupo, ' Geophagus ' grupo steindachneri, Gymnogeophagus , Satanoperca , Biotodoma , Apistogramma , Apistogrammoides e Taeniacara .
Estudos moleculares posteriores de Farias et al. (1999, 2000, 2001) resultou nas adições de Crenicichla e Teleocichla aos Geophaginae, um resultado apoiado por López-Fernández et al. (2005), que realizou a análise molecular mais detalhada do agrupamento até hoje, incluindo 16 dos 18 gêneros e 30 espécies.
No entanto, suas conclusões sobre inter-relações entre gêneros variaram um pouco das hipóteses anteriores e podem ser resumidas pelos seguintes grupos fracamente definidos:
- um relacionamento de grupo irmão fracamente apoiado entre Acarichthys e Guianacara . - um clado Satanoperca bem suportado, compreendendo Satanoperca , Apistogramma , Apistogrammoides e Taeniacara . - um 'grande clado' com Geophagus , Mikrogeophagus , ' Geophagus ' brasiliensis , ' Geophagus ' steindachneri , Gymnogeophagus , Biotodoma , Crenicara e Dicrossus . - um clado ' crenicarine ' com Biotoecus e Crenicichla .
Nenhum representante de Teleocichla ou Mazarunia foi incluído no estudo, mas o primeiro está bem estabelecido como sisterto Crenicichla, enquanto este último se agrupou estreitamente com Dicrossus e Crenicara em trabalhos anteriores.
As outras principais conclusões do trabalho são a confirmação de que Geophaginae é um grupo monofilético que exibe fortes sinais de ter sofrido radiação adaptativa rápida (diversificação de uma espécie ou tipo ancestral único em várias formas, cada qual adaptativamente especializada para um nicho ambiental específico).

Referências

  1. Anónimo, 1948 - The Aquarium, Philadelphia v. 17: 77 O ciclídeo anão Ramirezi identificado. [ Apistogramma ramirezi é atribuído a Myers & Harry neste trabalho. O autor é anônimo (provavelmente WT Innes). Uma descrição mais completa apareceu mais tarde em Myers & Harry 1948.
  2. Harpaz, S. e D. Padowicz, 2007 - O Jornal Israelita de Aquicultura - Bamidgeh 59 (4): 195-200 Melhoramento da cor no ciclídeo anão Ornamental Mikrogeophagus ramirezi por adição de carotenóides vegetais à dieta dos peixes.
  3. Kullander, SO, 2011 - Zootaxa 3131: 35-51 Nomenclatural disponibilidade de nomes genéricos científicos putativos aplicados ao peixe de ciclídeo da América do Sul Apistogramma ramirezi Myers e Harry, 1948 (Teleostei: Cichlidae).
  4. Morgenstern, R., 2012 - DCG-Informationen 43 (4): 74-82 Microgeophagus , Papiliochromis oder Mikrogeophagus - endlich Klarheit?
  5. Myers, GS e RR Harry, 1948 - Proceedings do California Zoological Club 1 (1): 1-8 Apistogramma ramirezi , um peixe ciclídeo da Venezuela.
  6. Reis, RE, SO Kullander e CJ Ferraris, Jr. (eds), 2003 - EDIPUCRS, Porto Alegre: i-xi + 1-729 Lista de verificação dos peixes de água doce da América do Sul e Central. CLOFFSCA.
  7. Robins, CR e RM Bailey de 1982 - Copeia de 1982 (1): 208-210 O estado dos nomes genéricos Microgeophagus , Pseudoapistogramma , Pseudogeophagus e Papiliochromis (Pisces: Cichlidae).
  8. seriously fish. com
submitted by exo_word to Aquariofilia [link] [comments]


2019.06.10 23:20 MediocreLetter Desabafo de uma pessoa infiel

Bom, é isso, sou infiel. Não fui sempre assim, tudo começou com o meu último namorado, namorávamos à distância. Trai ele (fisicamente) 3x. Por que? Eu queria transar, pense bem na hora? Não, mas sabia que era errado. Em todas as vezes eu contei pra ele, ele ficou do meu lado mesmo assim. Ele me traiu também então é "ok". Acabamos terminando por outros motivos, mas esse espírito não saiu de mim.
Com meu atual namorado não sinto necessidade de traí-lo fisicamente, até porque, vejo ele todos os dias. No começo do namoro senti vontade de traí-lo sentimentalmente, por assim dizer. Tinha vontade de flertar com outras pessoas, mas nunca vontade de realmente tocá-las. Meu atual namorado sabe da única vez que flertei, e ta tudo bem. Já se passaram quase 2 anos, nunca mais senti vontade. Não sinto até hoje, é como se só tivesse olhos pro meu namorado, ele é incrível.
O que me trouxe até aqui na verdade são dois fatores, o primeiro é:
No começo do ano o ex-namorado citado acima me procurou, desde então conversa comigo frequentemente (no mínimo uma vez por semana). Eu estou confusa em relação ao que estou sentindo, realmente não sei. Eu amo meu atual namorado, quando abraço ele sinto uma paz imensa, sinto vontade de beijá-lo, conto as horas do dia pra ver ele, quando vamos dormir juntos a noite, é a melhor parte do meu dia inteiro, ele me ouve como nenhuma outra pessoa. Ele é simplesmente a melhor pessoa do mundo inteiro. Mas eu sinto vontade de falar com o meu ex-namorado, sinto saudade de vê-lo às vezes, ele disse que irá vir pra minha cidade no final do ano. Às vezes me pego imaginando como seria ver ele, se nós nos beijariamos ou algo do tipo. Ele me da sinais algumas vezes de que ainda gosta de mim ou que tem vontade de ficar comigo. Eu ficaria com ele se fosse solteira, sem dúvidas, mas hoje não. No máximo o abraçaria.
O segundo fator é que em dias ruins (como hoje) sinto uma vontade imensa de morrer. Não sinto orgulho de quem eu sou, sinto que só fiz merda nos meus relacionamentos, sinto vergonha de mim mesma. Não que eu não queira mais viver, até gostaria, tenho tantos objetivos. Tenho vontade de não ser eu, de me machucar pra ver se eu aprendo uma lição, pra ver se paro de me imaginar beijando outro homem.
Me sinto podre, tenho uma pessoa incrível do meu lado e penso em beijar e ver meu ex? Eu sou ridícula. Ao mesmo tempo não consigo dar um jeito em mim mesma, parece que quanto mais eu tento não ser assim, mais difícil fica. Fico me perguntando se todo mundo acha tão difícil não pensar em outras pessoas.
submitted by MediocreLetter to desabafos [link] [comments]


2018.05.05 07:59 koyaanisqatsi_guy Me apaixonei por uma colega de trabalho... e mudou minha vida.

O título já diz tudo. Vou contar brevemente essa experiência, pois é algo que eu vou precisar de muita força de vontade para superar.
Isso aconteceu um ano atrás...
Eu trabalho no mercado de comunicação, a rotatividade de pessoas entre empresas é muito grande, em um ano que consegui diversas entrevistas acabei passando por 3 empresas grandes, e na última delas eu conheci essa garota.
Foi por indicação de um amigo que eu fiz entrevista nesse lugar. E ele trabalhava com ela, não diretamente, mas no mesmo setor. Eu demorei um tempo pra notar que ela era diferente, a primeira vista foi só mais uma garota de 28 anos, linda e meio nerd. Porém, eu estava em uma fase de focar apenas no trabalho, pois sempre tive muita dificuldade com o lado social. Desde que me mudei para essa cidade decidi me envolver com qualquer garota que fosse fisicamente atraente, devido as frustrações de amar alguém profundamente, acabei me forçando a ser superficial. Isso foi me afetando aos poucos, até chegar em um ponto que eu simplesmente não via mais razão para isso, foi quando eu me afastei socialmente de tudo e comecei a trabalhar demais, o meu desempenho profissional aumentou, então decidi procurar lugar melhor, melhor salário, que no caso, foi a indicação do meu amigo.
Alguns anos atrás eu estava em uma faze em que projetava sinais e razões em tudo. Algo como me convencer a fazer algo por que música x que lembra pessoa y está tocando no momento em que eu estou no lugar z, então eu devo seguir meu "instinto" de investir naquela pessoa, mesmo se não tiver nenhuma chance.
Voltamos para o mês em que eu entrei na empresa nova, dezembro/16. Em janeiro eu estava almoçando com ela e com o grupo do setor dela, que incluía meu amigo, praticamente todos os dias. No terceiro dia meu amigo confirmou o que já se passava pela minha cabeça.
No almoço acontecia do grupo todo ter um assunto, mas eu e ela outro, não importa aonde estávamos sentados,longe, perto, a conversa era muito interessante pra ficar quieto.
Isso me deixou em completo estado de choque. Ela era simplesmente muito parecida comigo, eu ficava bugado, não sabia o que fazer.
Devido ao stress do trabalho, minha ansiedade tinha aumentado e como medida eu comecei a fazer terapia alguns anos atrás, meu terapeuta foi enfático em me dizer que eu deveria me permitir a amar e a me arriscar. Eu abracei a ideia.
Como um cara timído, nerd, com alto-estima baixa conquista uma garota? Eu não tenho a mínima ideia. Na minha humilde opinião e experiência própria isso é extremamente difícil. Mas não impossível.
Durante o processo da 'conquista' eu estava em um estado de negação a vida, pois eu achava ela atraente e interessante demais para minha pessoa. Passava horas questionando o por que do universo colocar essa pessoa em minha vida, pensando em todas coincidências que aconteceram para eu conhecer ela e de fato me interessar, era algo surreal. Mesmo gosto por música, filmes, nosso assunto preferido era realidade simulada, sério!
Eu decidi que iria ser sincero, deixar claro meu interesse e ver no que dava. Enquanto isso meu amigo e meus novos amigos da empresa comentavam que ela realmente dava sinais de interesse. Nesse ponto eu já estava imaginando coisas. Mas foi frustrante. Ela tinha acabado de sair de um namoro de 7 anos, engatado em uma relação breve de 3 anos e alguns meses antes ela tinha se envolvido com uma pessoa da empresa. Quando eu descobri isso, abri mão. Entrei em um estado de pré-depressão. Eu uso muito metro, ficava parado, esperando o vagão passar pensando em como seria mais facil me jogar ali do que esperar eu conseguir o amor dela.
Isso foi me dominando, essa vontade de querer fazer ela feliz e ver ela ao meu lado me implodia de angustia por não conseguir ver isso se concretizando. Há essa altura eu já sábia que ela não tava fazendo nem um pouco bem para mim, mas eu não estava pensando nisso, estava pensando em fazer ela feliz.
A primeira tentativa foi demonstrar interesse, coisa que fiz até demais. Chamava ela pra sair pro bar toda quinta e sexta feira, não conseguia me conter em ficar feliz com um sorriso de orelha a orelha quando ela aceitava. Era algo maior que o meu auto controle e que a minha força de vontade. Em janeiro foi o mês de colocar as cartas na mesa, eu deixei claro que me interessava por ela e queria sair apenas com ela, então, ela finalmente colocou um ponto final em tudo. Me disse que não queria se envolver com pessoas do trabalho, então contou os relacionamentos dela. Ai tudo fez sentido, finalmente, o medo de falhar que eu tinha, se tornou realidade.
É engraçado, pois foi muito aliviante. Eu finalmente tinha o não dela e com isso podia me conformar com mais um não da vida, me lembrar o por que eu focava no trabalho o por que disso. A frustração me fazia esquecer tudo e me deixava muito produtivo. Eu sempre usei tristeza, raiva e sofrimento ao meu favor.
Começou fevereiro
Nos dias seguintes, o mais absurdo acontece: ela me chama para ir na casa dela. Após o fora, eu imaginava que iria existir um silêncio e que o nosso começo de amizade iria morrer rápido, mas foi o oposto. Amizade era o objetivo dela, talvez uma amizade colorida. Mas definitivamente nada sério. Eu aceitei o convite de ir para casa dela, mas com uma consciência de que eu era apenas amigo. Conhecendo amigos que forçam beijo na balada e fazem esse tipo de coisa escrota, eu nunca iria tentar beijar ela após o fora. Ia ser muito constrangedor se ela não gostasse e isso era o fim do mundo em loop para mim.
Ela deu diversos sinais, mas ao mesmo tempo me contou como sempre teve mais amigos homens do que mulheres, eu achei que tinha lido a situação de uma maneira correta. Nesse dia eu fui o mais tapado possível, fui um amigo mesmo, não tentei nada. Depois disso, quarta feira, na sexta ela estava no bar comigo e com o pessoal do trabalho e convidou para irmos até a casa dela. Eu falei para o meu amigo que tinha interesse nela (não era o amigo do trabalho). Isso foi surreal. Um amigo de um outro ciclo de amigos tinha conhecido ela naquele dia, e ela convidou nós dois para irmos até lá. Eu não entendi nada. Fui sincero com ele, falei que estava muito interessado e que gostaria de tentar algo naquele dia. Ele foi super gente boa e foi embora uma meia hora depois.
Era isso, eu estava sozinho com ela no apartamento dela. Mas na verdade eu estava aprisionado dentro da minha cabeça não me permitindo tentar nada. Então eu não tentei. Nem cheguei perto. Falei tanto que a coitada caiu de sono. Nesse dia eu estava conformado que tinha zerado quaisquer ruídos e chances de relacionamento amoroso com ela.
Eu descobri que ela estava com receio de ficar comigo pelo nível de atenção e interesse que eu demonstrava por ela. Ela estava corretíssima, nós estávamos em sintonias diferentes ainda sim nosso radinho de pilha captava a frequência do outro sem querer. O fatídico dia foi durante um happy hour da empresa, no próprio local onde nós trabalhávamos. O fato de pensar em ver ela me dava ansiedade, então comecei a evitar. Não queria ir até o happy hour por nada, então fiquei na minha mesa trabalhando, naturalmente, quando todos já estavam se alcoolizando e socializando. Eu estaria bem ali a noite inteira, talvez angustiado mas transformando tudo em produtividade, é o que eu sei fazer afinal. Mas meu amigo tramou um plano, chamou a melhor amiga dela no trabalho e quando eu percebi estava sozinho com ela. A reação dela quando eu me aproximei? Foi virar para o outro lado.
Imediatamente voltei para minha mesa, coloquei meu fone e voltei a trabalhar como se nada houvesse acontecido. Ela me liga 3 vezes e comeca a mandar mensagens, pedindo para eu responder, perguntando se eu estava bravo. Eu falei a verdade, que não deveria mais ver ou falar com ela pois estava me atrapalhando e me fazendo mal. Era a hora perfeita para tudo acabar e eu voltar para a minha vida medíocre.
Ela então, as 2 horas da manhã me chama para ir no apartamento dela. Nunca, nem em 100 vidas eu diria não. Eu fui, sentindo que tinha atingido um objetivo superficial, quando na verdade, no meu interior, eu me preocupava com as consequências. Eu não queria encontrar ela bêbada, queria que fosse algo verdadeiro mesmo que fosse uma simples conversa.
Eis que eu fiz a maior besteira da minha vida. Eu preferi ela do que eu mesmo. Eu escolhi por fazer alguém feliz e me fazer infeliz, sem pensar ou medir as consequências. Então eu convenci ela, e a mim mesmo que eu tinha entendido a situação e que nós poderíamos ficar aquele dia e sermos amigos. Acabamos dormindo juntos, foi de fato um dos melhores dias da minha vida, não apenas pelo sexo, mas pela satisfação em fazer alguém que você ama feliz. Comecei a me alimentar daquela sensação. A relação foi cada vez mais tomando uma forma e quando eu percebi, estava ali, moldado, desenhado e exposto: Eu estava vivendo para ela.
Ela me ligava de noite, pedia para eu ir até a casa dela, eu pegava o táxi e ia na hora, não importa o dinheiro, distância, sono, nada, o que importa é fazer essa garota feliz. O problema é que durante o dia, eu sabia que ela não queria nada, então no trabalho eramos apenas colegas na perspectiva dos outros. Eu fui ficando cada vez mais interessado, fui me cedendo cada vez mais, ao chegar no ponto em que eu via que apenas ela definia quando iriamos nos ver. Eu não conseguia chamar ela pra sair e receber um sim, tinha que ser algo quando ela queria. Nessa altura do campeonato eu já estava muito perdido, a consequência da solidão batia na porta mas eu simplesmente ignorava e achava que era uma viagem minha, que tudo iria dar certo e eu iria conquistar ela.
Isso foi criando um vazio dentro de mim, pois eu sabia que ela não tinha terminado o último relacionamento dela de forma amigável, isso começou a afetar ela e consequentemente a mim, que ficava imaginando o que teria acontecido, pois ambos estavam quase morando juntos.
Então, março
O fim veio rápido como o final do feriado de carnaval. Passamos todos os dias juntos transando, conversando, mas aquela bola de neve gigante estava vindo e nós dois sabíamos, o problema é que eu tinha convencido ela que não tinha bola de neve e tava tudo bem. Um dia, ela me chamou para ir na casa dela jantar. Era meio que um big deal, pois nunca havia existido um convite antecipado como esse. Ela tinha arrumado a varanda com luzes e uma mesinha, foi simplesmente uma das coisas mais legais e agradáveis que eu já vivenciei com alguém. Infelizmente a bola de neve engoliu tudo esse dia. Claramente incomodada com a situação, com o que nós estávamos fazendo, ela ficou em um mood estranho e distante de mim. Era a primeira vez que ela fazia aquilo. Eu não entendi e tentei contornar, em um certo ponto eu soube que aquele era o último dia.
Depois disso ela se distanciou de mim, parou de falar comigo frequentemente. Eu achei que era algum tipo de mind game feminino, para eu correr atrás ou algo do tipo. Eu corri atrás e dei de cara em uma parede quilométrica. Não existia mais aquela ponte entre a gente, não existia mais nada a não ser uma tensão de quando vai ser a proxima vez que ela vai me chamar. Os pensamentos suicidas voltaram, eu já não conseguia trabalhar no mesmo local com medo de olhar no olho dela e saborear aquela sensação de que ela não me quer na vida dela, além dos meus pensamentos auto depreciativos de que eu era um bosta e que eu tinha me colocado em uma situação de merda.
A minha ansiedade piorou, tive que me ausentar um mês do trabalho por causa de crises constantes de ansiedade, comecei tratamento psiquiátrico junto com a terapia para segurar a ansiedade, não conseguia sair de casa, não conseguia fazer nada a não ser pensar nesse fracasso. Engordei 17 kg em um período de 9 meses. Eu fazia academia para emagrecer para ela me notar. Tenho 1,78 e estava com 80kg, depois disso, cheguei aos 98kg.
What a ride.
Depis de maio-abril de 2017 eu expliquei para ela que seria melhor se eu me afastasse para sempre. Bloqueei ela em todas minhas redes sociais, toda vez que via ela saia imediatamente do campo de visão dela, pois me dava crise de ansiedade. Evitava todos lugares achando que ela estaria ali. Não existia mais tranquilidade, ela aparecia nos meus sonhos, pesadelos. Eu realmente me perdi. Nunca mais vou conseguir falar com ela, perdi a chance de fazer essa garota incrível feliz. Obviamente a culpa de tudo isso é minha. Não tive maturidade para lidar e deu no que deu.
Atualmente eu lido com isso de uma maneira objetiva, que é: aprendizado. A vontade de morrer sempre vai existir, afinal, eu ainda amo essa garota. Nunca vou superar totalmente essa experiência devido a maneira que aconteceu. Eu me isolei socialmente por quase 12 meses, cheguei a excluir diversos amigos de longa data apenas por que eles namoravam. Apaguei familia de todas redes sociais, tudo me fazia lembrar de como eu era um miserável solitário que tinha falhado na única chance de conquistar a mulher da minha vida.
A única razão que eu estou escrevendo tudo isso, é por que eu preciso tirar isso de dentro de mim. Se eu realmente quero viver e tenho amor a mim mesmo, eu tenho que seguir em frente e ser resistente. Isso foi apenas um aprendizado, dos mais difíceis de toda minha vida. Eu questionava diariamente o por que de tudo isso ter acontecido. Eu nunca mais vou ser o mesmo, essa lição me mostrou muita coisa, uma delas é que eu tenho uma batalha constante com o meu eu interior. Nosso auto controle define quem somos, se você não em auto controle, possivelmente você vai se colocar em situações que podem mudar você e sua vida para sempre, eu espero que de maneira positiva.
Eu ainda tenho muito tempo pela frente para transformar o saldo dessa história em positivo. Mas o que eu queria mesmo era estar com ela.
Saudades de você, n.
TLDR;
Me iludi com uma colega de trabalho que era muito parecida comigo, fingi que estava preparado para uma relação superficial mas me apaixonei e acabei me perdendo dentro de mim mesmo. Entrei em depressão e me isolei socialmente por quase um ano, suicídio era mais aliviante do que pensar em um futuro positivo. A existência era dolorosa e pesada. Hoje eu sei que isso foi um aprendizado, daqueles fudidos que não é para a gente esquecer. Vou levar isso pro resto da vida, espero que com o tempo transforme o resultado em algo positivo.
submitted by koyaanisqatsi_guy to desabafos [link] [comments]


2016.04.12 01:21 Izoork Me importo mais do que gostaria

Ninguém é excepcional em todas as áreas da vida e isso é normal. Sou muito tranquilo em algumas e em outras acredito ter tido até sorte, porém em algumas me sinto bem frustrado.
A parte de relacionamentos tem sido bem falha mas não devia me importar, certo ? Como eu mesmo disse sou um pouco fraco aqui mas compenso ali e bla bla bla, mas tenho 21 anos e minha libido ta do jeito esperado pra idade ... Tenho uma vida social bem ativa, me cuido bastante fisicamente - alguns anos de academia e dieta - mas as coisas as vezes simplesmente não parecem andar como eu gostaria ou como vejo na grama do vizinho. Tive um namoro sério de menos de um ano, um número reduzido de parceiras e varias desilusões. Muitooo menos do que anseio.
Na maior parte do tempo estou tranquilo e esse probleminha mal me incomoda, mas quando bate me coloca bem pra baixo. Último caso: Sabado e domingo fui pra cidade X em uma festa de parentes de um casal de amigos, conheci a prima deles e até ai tudo bem. Estava curtindo o role tranquilo e sendo extrovertido e despreocupado como sou normalmente em roles, até ficar sabendo pela minha amiga que ela estaria afim de mim, tinha me curtido e afins. Claro que eu criei um pouco de expectativa mas o que sucedeu foram dois dias de sinais confusos até para meus amigos - parentes dela. No final ganhei um selinho meia boca que nem contou, mas esse não é o ponto. O ponto é que me deixei ficar ansioso o começo o do role inteiro depois de começar a cogitar a possibilidade de rolar algo entre nós e ansiosidade essa que se transformou em frustração fudida quando eu fazia minha parte, ela não me encontrava no meio do caminho, eu abria mão e ela notando voltava a demonstrar interesse.
*Obs: Eu até que sou bom nessa história de flerte quando as pessoas estão dispostas e esse não foi um caso de falha total minha. Até meus amigos - parentes dela - falaram que ela tava agindo sem muito sentido e que talvez até eles teriam desistido em meu lugar.
O ponto é: meu humor já é uma roda gigante onde em uma semana eu estou no alto, super feliz e me sentindo Eros da Cocada preta e em outra estou bem pra baixo, o que me incomoda muito é eu estar deixando coisas fora do meu controle - como a vontade e interesse alheio - definir e modificar meu humor. Eu fiz minha parte e fui até a metade do caminho, ela que não quis me encontrar na metade do caminho, por que deixar isso influenciar meu role e até meus próximos dias ? Eu me cuido, cuido do meu corpo e da minha mente e faço minha parte pra encontrar novos, desenvolver e manter relacionamentos pessoais ou sexuais, faço minha parte, por que deixar que algumas falhas fragilizem e ataquem tão facilmente meu valor próprio e minha auto-estima ?
Enfim, quase desisti de escrever isso algumas vezes enquanto digitava porque nem sei se vai ser pertinente mas como o sub diz, eu preciso e muito desabafar. Me incomoda muito ter uma autoestima tão volátil, frágil e dependente de situações e opiniões alheias à mim.
submitted by Izoork to desabafos [link] [comments]