Pegar linhas que reddit trabalho

Coronavírus e uma visão além da crise

2020.03.30 09:15 kaiqueramos123 Coronavírus e uma visão além da crise

Boa noite, me chamo Kaique e sou entusiasta em programação web. Sou novo aqui no reddit, portanto o post pode apresentar erros que eu não vou identificar de início. Perdão adiantado!
Eu venho acompanhando as noticias, de ambos os lados, sobre o coronavírus, e pude verificar os 2 agravantes em cada discurso:
1º - O sistema de saúde entra em colapso, porque precisamos trabalhar;
2º - A economia entra em colapso, pois precisamos ficar em casa;
Não vou discutir se devemos fazer um ou outro, pois não é pra isso que vim aqui. Aliás, está bem obvio para nós que ficar em casa é a melhor solução. Meu papel hoje é tentar pensar um pouco além disso, tentar estimar o que aconteceria além de cada cenário.
Como disse, sou aspirante a programador web. Não sei nada de ciência, vírus, nem nada. Tenho algum estudo na área da economia, e matemática vem a ser o meu forte. Vamos aos cenários:
Primeiramente, vamos apenas considerar o Brasil, mas levar em conta os efeitos das decisões mundiais, para ambos os cenários. Vamos considerar as porcentagens oficiais, quando eu as achar. Fico a disposição para editar e corrigir o post se alguém trouxer dados relevantes. Meu objetivo é criar algo parecido com uma estimativa válida, para ajudar alguém que vá precisar de dados nem que seja para se embasar como exemplo.
Primeiro cenário:
O sistema de saúde entra em colapso, porque precisamos trabalhar;
Cenário 2: A economia entra em colapso, pois precisamos ficar em casa;
No fim, no meu ver, os dois casos estariam no mesmo patamar, se tratando de economia.
edit: Um isolamento mais radical se prova mais eficiente, além das probabilidades serem mais precisas no caso onde mais pessoas morrem, ou seja, é mais provável o país quebrar por causa da doença do que da economia, até porque não existem estudos provando o contrário.
fonte muito boa: https://www1.folha.uol.com.bmercado/2020/03/por-que-salvar-vidas-ou-a-economia-na-crise-do-coronavirus-e-um-falso-dilema.shtml
A mudança é inevitável. Alguém com alguma ideia para complementacorrigir? Se tiver, eu edito o post e incluo tudo que for relevante!
submitted by kaiqueramos123 to coronabr [link] [comments]


2020.01.03 03:22 altovaliriano Os ancestrais de Dunk

Em um post anterior, já havia tratado dos descendentes de Dunk e como a notícia de que poderia haver quatro deles mexe com o imaginário do fandom (inclusive, há aquele excelente artigo de Felipe Bini no portal Gelo & Fogo).
Contudo, a partir de A Espada Juramentada começa a ficar claro que não é somente a família futura de Dunk que desconhecemos. Em determinada altura, Egg está fazendo um discurso contra Daemon Blackfyre e Corvo de Sangue, dizendo que todos os bastardos são mal-nascidos e farinha do mesmo saco, quando Dunk o interpela:
– Egg – ele falou –, já pensou que eu posso ser um bastardo?
– Você, sor? – Aquilo pegou o menino de surpresa. – Você não é.
– Posso ser. Nunca conheci minha mãe, ou soube o que foi feito dela. Talvez eu tenha nascido grande demais e a matado. Mais provável que ela fosse alguma puta ou garota de taverna. Não se encontram senhoras bem-nascidas na Baixada das Pulgas. E se ela chegou a se casar com meu pai... bem, o que aconteceu com ele? – Dunk não gostava de lembrar de sua vida antes de Sor Arlan o ter encontrado. – Havia uma casa de pasto em Porto Real onde eu costumava vender ratos, gatos e pombos para o guisado. O cozinheiro sempre afirmou que meu pai era algum ladrão ou larápio. “É provável que eu o tenha visto enforcado”, ele costumava me dizer, “mas talvez só o tenham mandado para a Muralha.” Quando era escudeiro de Sor Arlan, eu perguntava para ele se não podíamos ir naquele caminho algum dia, para pegar serviço em Winterfell ou em algum outro castelo nortenho. Eu tinha essa ideia de que, se conseguisse chegar à Muralha, talvez encontrasse algum velho, um homem realmente alto que se parecesse comigo. No entanto, nunca fomos. Sor Arlan dizia que não havia sebes no norte e que todas as florestas eram cheias de lobos. – Ele negou com a cabeça. Resumindo, é provável que você seja escudeiro de um bastardo.
Pela primeira vez, Egg não tinha nada a dizer. [...]
(A Espada Juramentada)
É interessante que Martin tenha usado um longo parágrafo para que Dunk apresentasse algo sobre seu passado, quando a maior explicação que deu em “O Cavaleiro Andante” se limitava a uma linha:
Um cavaleiro andante não pode desafiar um príncipe. Valarr é o segundo na linha de sucessão ao Trono de Ferro. É filho de Baelor Quebra-Lança, e seu sangue é o sangue de Aegon, o Conquistador, e do Jovem Dragão e do Príncipe Aemon, o Cavaleiro do Dragão, e eu sou um garoto que o velho encontrou atrás de uma loja de vasos na Baixada das Pulgas.
Sua cabeça doía só de pensar naquilo.
(O Cavaleiro Andante)
Aqui a tradução brasileira deixou os leitores na mão. A “loja de pasto” de A Espada Juramentada e a “loja de vasos” de O Cavaleiro Andante são a mesma loja. No original em inglês, a expressão é ‘pot shop’ que se traduz corretamente como casa de pasto (uma mistura de taverna com restaurante).
De todo modo, o que merece destaque é que GRRM parece estar caminhando a passos lentos (porém largos) em direção ao passado de Dunk. Reparem como A Espada Juramentada termina com um diálogo em que Egg sugere que eles não vão atrás de seu pai (Maekar), mas atrás do pai de Dunk (usando a palavra ‘alta’ para fazer jogo de palavras):
– Solarestival é para o sul. Seu pai.
– A Muralha é para o norte.
Dunk olhou para ele.
– É um longo caminho a percorrer.
– Tenho um cavalo novo, sor.
– É verdade. – Dunk teve que sorrir. – E por que quer ver a Muralha?
– Bem – Egg respondeu. – Ouvi dizer que é alta.
(A Espada Juramentada)
Por outro lado, após a parada nas Terras Fluviais durante a terceira novela (O Cavaleiro Misterioso), GRRM tinha a intenção de prosseguir a história com um novo conto possivelmente ambientado no Norte, cujo título de trabalho era “She-Wolves of Winterfell”. Deste modo, fica parecendo que a procura do pai de Dunk acabou por se tornar uma sidequest.
Entretanto, isso não resolve a pergunta: quem seriam os pais de Dunk?
Eu duvido que a origem do cavaleiro envolva sangue valiriano. Falar isso pode parecer óbvio, mas é necessário que descartemos essa opção logo, pois nosso fandom tem o péssimo costume de ver Targaryens Secretos em todos os personagens (mesmo aqueles cuja ancestralidade é patente).
Por outro lado, ainda que Dunk seja fruto de um relacionamento extraconjugal de algum nobre, é extremamente improvável que qualquer evidência disto passe a fazer parte da história de Dunk & Egg de forma significativa. Em outras palavras, possivelmente seria uma revelação vazia.
Ainda assim, uma questão permanece. Uma vez que a estatura de Dunk é um diferenciador e não parece ser fruto de problemas com a glândula pituitária (como é o caso de Sor Gregor Clegane), então algum dos pais de Dunk deveria ter uma altura notável, não?
Na verdade, não. Eu mesmo tenho quase a mesma altura que Dunk e ambos os meus pais são bem menores do que eu. Na verdade, até meus tios e avôs não tem uma estatura de destaque. Contudo, há pessoas grandes em minha família a partir da minha geração.
Se descontarmos a modificação que a dieta moderna causou na população humana, esta observação sobre meus irmãos, primos e sobrinhos pode indicar um caminho interessante. Ao invés de esperarmos encontrar um homem ou mulher grande e lhes atribuir a paternidade ou maternidade de Dunk, seria mais coerente que Dunk encontre algum irmão.
Um homem ou mulher de grande estatura e idade próxima, que se assemelhe a Dunk, seria uma caracterização de parentesco mais verossímil do que seus pais. Inclusive, seria possível que a pessoa tivesse conhecido um dos genitores de Dunk e nós só ficássemos sabendo sobre eles via informações de segunda mão (algo que GRRM adora).
Por outro lado, independentemente do tipo de parente que Dunk venha a encontra nesta busca, nada garante que a recepção será amistosa.
Pode ser que o alto cavaleiro consiga verdadeiramente encontrar uma parte de sua família biológica, mas essa pode não ter nenhum ponto em comum com os valores que Dunk aprendeu enquanto crescia.
Isso poderia gerar um conflito interno interessante, já que Dunk poderia vir a perceber o quanto ele prefere a figura de Sor Arlan como ancestral.

Vocês acham que Dunk encontrará pistas de sua ancestralidade em livros futuros? Ou mesmo que encontrará alguém de sua família?
Caso acreditem, que tipo de pessoa pensam que eles são? Como pensam que seria este tipo de encontro?
submitted by altovaliriano to Valiria [link] [comments]


2019.10.29 01:52 winterwulf Descrições de pontuação de habilidades no D&D

Texto abaixo que achei interessante, neste link. Usei o google tradutor pra auxiliar na tradução então pode haver erros, se encontrarem algo é só dizer que edito aqui. Observação, a partir de agora todo texto foi extraído do post original
 
TL;DR: Abaixo, você encontra uma lista para cada pontuação de habilidade no intervalo de 1 a 20, com uma explicação de cada modificador, significando para um humanóide de tamanho médio. O crédito vai para este artigo pela base que adaptei para a 5ª edição e desde então reescrevi bastante com seus comentários.
Há algum tempo, vi um artigo falando sobre o significado e as implicações de certos intervalos de pontuação de habilidade. Achei isso muito interessante. Uma ótima inspiração para jogadores que desejam representar as habilidades de seus personagens com precisão e uma boa orientação para o Mestre fazer chamadas sobre o que os PCs ainda precisam usar ou podem ter sucesso automaticamente. O único problema que tive com isso foi que as estatísticas estavam no contexto de D&D da 3ª Edição e, portanto, estavam entre 1 e 25. Como a 5ª Edição limita sua progressão natural de estatísticas aos 20 e não consegui encontrar nada satisfatoriamente já existente. online, tive que fazer alguns ajustes na lista.
Edit: Como algumas pessoas mencionaram, este gráfico não é intencional ou muito lógico quando você o usa para tipos de criaturas que não são corridas disponíveis para jogadores. Os valores físicos provavelmente podem ser facilmente compensados ​​por alguns pontos por incremento de tamanho, mas as estatísticas mentais são muito mais difíceis. Portanto, tome-o com um grão de sal quando aplicar este gráfico a outros seres.
Espero que você ache que este é um recurso útil e, por favor, deixe algum feedback sobre possíveis alterações nas descrições, se achar que algo pode ser impreciso.

Descrições de pontuação de habilidades no D&D:

Força

1 (–5): morbidamente fraco, tem problemas significativos para levantar os próprios membros
2-3 (–4): Precisa de ajuda para ficar de pé, pode ser derrubado por uma brisa forte
4-5 (–3): visivelmente fraco. Pode ser desequilibrado balançando algo pesado
6-7 (–2): Dificuldade em empurrar um objeto do seu peso
8-9 (–1): Tem dificuldade ao levantar objetos pesados ​​por mais tempo
10-11 (0): levanta objetos pesados ​​por um curto período de tempo. Pode realizar trabalho físico simples por algumas horas sem interrupção
12-13 (1): Carrega objetos pesados ​​e lança objetos pequenos a distâncias médias. Pode realizar trabalho físico por meio dia sem interrupção
14-15 (2): Visivelmente tonificado Barriga chapada. Carrega objetos pesados ​​com um braço para distâncias maiores. Não fica muito exausto pelo trabalho físico
16-17 (3): Muscular. Pode quebrar objetos como madeira com mãos nuas e força bruta. Pode realizar trabalho físico pesado por várias horas sem interrupção
18-19 (4):Fortemente musculoso Schwarzenegger. Capaz de lutar contra um animal de trabalho ou pegar uma pessoa que cai. Realiza o trabalho de várias pessoas em trabalho físico
20 (5): Pináculo dos músculos, capaz de elevar várias pessoas em esforço combinado.

Destreza

1 (–5): Praticamente imovel, provavelmente significativamente paralisado
2-3 (–4): Incapaz de se mover sem esforço ou dor perceptíveis
4-5 (–3): Paralisia visível ou dificuldade física
6-7 (–2): klutz significativo estabanado ou muito lento para reagir. NOTA: Klutz da pra interpretar como abobado (fisicamente) ou mão-furadaObrigado ManoMike / Mano D'Olivier.
8-9 (–1): Um pouco lento, ocasionalmente tropeça nos próprios pés
10-11 (0): Capaz de geralmente pegar um pequeno objeto lançado
12-13 (1): Capaz de atingir alvos grandes com frequência.
14-15 (2): Capaz de atingir frequentemente pequenos alvos. Pode capturar ou desviar de um projétil surpresa de velocidade média
16-17 (3): Muito veloz, capaz de atingir frequentemente pequenos alvos em movimento
18-19 (4): Gracioso, capaz de fluir de uma ação para outra com facilidade. Capaz de desviar de um pequeno número de objetos lançados
20 (5): Se move como a água, reagindo a todas as situações com quase nenhum esforço. Capaz de desviar de um grande número de objetos lançados

Constituição

1 (–5): Sistema imunológico mínimo, o corpo reage violentamente a qualquer coisa estranha
2-3 (–4): Frágil, sofre fraturas frequentes
4-5 (–3): Hematomas com muita facilidade, nocauteados por um leve soco
6-7 (–2): Excepcionalmente propenso a doenças e infecções
8-9 (–1): sem fôlego, incapaz de um dia de trabalho duro
10-11 (0): Ocasionalmente contrai doenças leves
12-13 (1): Pode levar alguns acertos antes de ficar inconsciente
14-15 (2): Evita facilmente a maioria das doenças. Capaz de trabalhar por doze horas na maioria dos dias
16-17 (3): Capaz de ficar acordado por dias a fio
18-19 (4): Muito difícil de desgastar, quase nunca se sente fadiga
20 (5): Modelo incansável de resistência física. Quase nunca fica doente, mesmo com as doenças mais virulentas

Inteligência

1 (–5): Animalista, não é capaz de pensar com lógica ou razão. O comportamento é reduzido a simples reações a estímulos imediatos
2-3 (–4): bastante animalesco. Atua por instinto, mas ainda pode recorrer a planejamentos e táticas simples
4-5 (-3): fala e conhecimento muito limitados. Muitas vezes recorre a charadas para expressar pensamentos
6-7 (–2): Tem dificuldade em seguir linhas de pensamento, esquece as coisas menos importantes
8-9 (–1): Utiliza e pronuncia incorretamente as palavras. Pode ser esquecido
10-11 (0): sabe o que eles precisam saber para sobreviver
12-13 (1): sabe um pouco mais do que o necessário, é bastante lógico
14-15 (2): Bastante inteligente, capaz de entender novas tarefas rapidamente. Capaz de fazer contas ou resolver enigmas lógicos mentalmente com precisão razoável
6-17 (3): Muito inteligente, pode inventar novos processos ou usos para o conhecimento
18-19 (4): Altamente experiente, provavelmente a pessoa mais inteligente que muitas pessoas conhecem
20 (5): Famoso como sábio e gênio. Capaz de dar saltos holmesianos de lógica

Sabedoria

1 (–5): Aparentemente incapaz de pensar, desatento.
2-3 (–4): raramente observa itens, pessoas ou ocorrências importantes ou importantes
4-5 (–3): Aparentemente incapaz de premeditação
6-7 (–2): Frequentemente falha em exercer bom senso
8-9 (–1): Esquece ou opta por não considerar opções antes de tomar uma ação
10-11 (0): Toma decisões fundamentadas na maioria das vezes
12-13 (1): Capaz de dizer quando uma pessoa está chateada
14-15 (2): Lê pessoas e situações razoavelmente bem. Percebe pistas sobre uma situação que não parece certa
16-17 (3): Freqüentemente usado como fonte de sabedoria ou determinante de ações
18-19 (4): lê pessoas e situações muito bem, quase inconscientemente
20 (5): Quase presciente, capaz de raciocinar muito além da lógica

Carisma

1 (–5): Quase inconsciente, provavelmente age de maneira muito estranha. Pode ter uma presença que repele outras pessoas.
2-3 (–4): Pensamento independente mínimo, depende fortemente dos outros para pensar
4-5 (–3): Tem dificuldade em pensar nos outros como pessoas e em como interagir com eles
6-7 (–2): Terrivelmente reticente, desinteressante ou rude
8-9 (–1): Alguém chato, deixa as pessoas um pouco desconfortáveis ​​ou simplesmente desajeitadas na conversa
10-11 (0): Capaz de uma conversa educada
12-13 (1): levemente interessante. Sabe o que dizer para as pessoas certas
14-15 (2): Frequentemente popular ou infame. Sabe o que dizer para a maioria das pessoas e é muito confiante no debate.
16-17 (3): Rapidamente agradável, respeitado ou temido por muitas pessoas. Pode ser muito eloquente. Bom em conseguir sua vontade ao conversar com as pessoas
18-19 (4): Rapidamente agradável, respeitado ou temido por quase todos. Pode entreter as pessoas com facilidade ou sabe como convencê-las efetivamente de suas próprias crenças e argumentos
20 (5): Reconhecido pela inteligência, personalidade e / ou aparência. Pode ser um líder nato
submitted by winterwulf to rpg_brasil [link] [comments]


2017.11.13 21:35 tombombadil_uk Today I fucked up: a estranha sensação de reencontrar um amor do passado 12 anos depois / Parte 2

Não esperava que a Parte 2 ia rolar tão cedo, mas tem atualizações aí. Para quem quiser, dessa vez tem um TL/DR no fim.
A parte 1 é essa aqui: https://www.reddit.com/brasil/comments/7c6tsx/today_i_fucked_up_a_estranha_sensa%C3%A7%C3%A3o_de/
PS.: escrevi isso aqui correndo assim que cheguei em casa, então provavelmente pode estar confuso ou com uns errinhos. Nem de perto foi tão trabalhado quanto o conto que eu fiz da primeira parte. Me desculpem de antemão.
Tive uns dos finais de semana mais atípicos dos últimos anos. Acho que nunca viajei tanto em memórias e dúvidas. Será que realmente rolava alguma coisa? Aliás, será que foi ela mesmo que eu vi na rua? Ela aprecia tão mais velha que talvez sequer fosse a mesma pessoa. E cá estava eu viajando porque uma pessoa aleatória me morou na rua e eu a confundi com alguém que não vejo há doze anos.
Ainda assim, embarquei na onda da nostalgia. Escutei os CDs do Linkin Park, System of a Down, Evanescence e Radiohead que a gente ouvia na época, baixei alguns jogos que eu jogava na época (Xenosaga, Burnout e alguns outros) e coloquei no PS2 que eu achei por um preço ridículo numa feira de rua. Assisti Anjos da Noite e Oldboy, dois que eu lembro de ver naqueles tempos. Domingo eu estiquei a ida à feira e fui até o curso de inglês que frequentávamos juntos, refiz o caminho de lá até casa onde os pais dela moravam. Antes que perguntem, não, eles não moram mais lá. Sei disso porque a casa apareceu à venda há muito tempo.
Foi um fim de semana agridoce. A esposa me achou meio para baixo, eu revirei horas no travesseiro antes de conseguir dormir. Segunda de manhã, indo para o trabalho, eu já estava mais sossegado. Cheguei à conclusão que havia uma enorme possibilidade daquilo tudo ser um baita mal entendido, que aquela mulher sequer era ela. E que eu provavelmente jamais a encontraria na minha vida. E me preocupar com algo tão inatingível era sem propósito algum. O fato de eu ter tentado encontrá-la no Facebook por horas sem sucesso só reforçava isso.
Eu conhecia apenas um dos seus sobrenomes, mas ela não aparecia de forma alguma. Tentei com sobrenome aleatórios algumas boas 20 vezes, devo ter aberto mais de 200 perfis. Nada. Nem sinal.
Mas eu queria falar com alguém sobre aquela história, então decidi me abrir com um amigo do trabalho que é bem gente fina e em quem confio. Passei o almoço contando a história e depois ficamos uns 40 minutos discutindo o assunto. A conclusão dele foi a mesma da galera daqui: "Caralho, como você não falou com ela? Dava um oi, chamava pra conversar".
Falei para ele também que estava começando a duvidar de mim mesmo. Ela estava com uma aparência tão mais velha e nós temos a mesma idade, eu dizia. "Cara, classe média baixa, dois filhos com 20 e poucos anos, voce nem sabe se ela é casada ainda ou não. Às vezes virou mãe solteira e está numa luta fodida".
Quando voltamos para o trabalho, fiz mais uma rodada de pesquisa no Facebook. Talvez fosse uma memória embasada do passado, talvez fosse só uma coincidência, mas eu cismei com o sobrenome Ferreira. Não era o sobrenome que eu sabia com certeza, só um chute que ficava martelando a minha cabeça. Parte de mim dizia que era confusão. Eu tinha uma amiga com o mesmo nome dela é Ferreira no sobrenome, provavelmente estava só confundido as coisas.
Nesse processo, aprendi que o Facebook te dá resultado diferentes para a mesma pesquisa quando você a faz de tempos em tempos. E logo depois desse desabafo, como se falar em voz alta fizesse ela se materializar, ela apareceu. O mesmo rosto de 12 anos atrás, o mesmo sorriso, os mesmos olhos. Minha mão tremeu no computador, levantei para pegar um café é uma água. Respirei fundo, e voltei para ver o resultado.
No começo, senti um misto de alívio e decepção. Ela parecia exatamente como 12 anos atrás, então não era possível que aquela mulher que encontrei na semana passada fosse ela. Abri o perfil e comecei a ver as fotos, os filhos, a pouca vida dela que aquela janela mostrava. Quando abri uma foto mais recente da linha do tempo, a verdade voltou com um soco no estômago: eu realmente a encontrara. A foto de perfil era antiga, mas as mais recentes não deixavam espaço para dúvidas. Eu tinha esbarrado com ela.
Chamei meu colega de trabalho para tomar um café e mostrei as fotos no celular. "Se você não me dissesse que ela tem a mesma idade que a gente, eu nunca ia acreditar em você. Ela parece uns dez anos mais velha, mas era a menina bonita antigamente". E fez a pergunta que eu já estava fazendo mentalmente. "Porra, uma porrada de foto com a família e os filhos, mas e o pai?".
A resposta eu encontrei na lista de amigos dela. Percebi que tinha amigos em comum com outra pessoa da família que tinha o mesmo sobrenome, um amigo farmacêutico que começara a trabalhar em uma farmácia perto do ligar onde trabalho. Era perfeito. Liguei para ele dizendo que queria trocar uma ideia, mas ele tinha acabado de ser transferido para outra unidade da rede para cobrir uma unidade. Com um fogo no cu absurdo, larguei o foda-se no trabalho, peguei um Uber e fui para lá.
No caminho, eu já não sabia bem o que estava fazendo. Eu ficava vendo e revendo aquelas fotos no celular no caminho, lembrando mais e mais dela. É engraçado lembrar de uma pessoa com quem você teve um relacionamento tão profundo e tão curto há tanto tempo. Às vezes eu não sabia bem se eu estava lembrando de alguma coisa ou se eu estava fantasiando, se estava extrapolando algumas memórias.
Fuçando o Facebook dela - curtidas, comentários, gostos, fotos - eu via que ela era exatamente o que eu imaginava. Uma pessoa extremamente simples, de família de classe média baixa, com um estilo de vida simples, bem família e discreta. Os filhos pareciam ser o primeiro lugar em tudo.
Encontrei meu amigo por volta das 16h e subi para a sobreloja da farmácia. Ele vivia falando que o trabalho dele era um marasmo absurdo e tudo que ele fazia quase o dia inteiro era ficar no segundo andar jogando 3DS e como ele estava prestes a comprar um Switch só por conta disso. "Queria ter esses problemas no meu trabalho", brinquei.
Esse meu amigo não é super próximo, mas nos conhecemos há uns 15 anos e crescemos na mesma vizinhança. Apesar de não ser o tipo de pessoa para quem eu desabafo, é alguém em quem eu confio demais. Contei para ele a história toda. "Porra, mas achei que você e XXXX fossem felizes. Vocês têm uma vida tão tranquila". A gente é, eu expliquei. Na verdade eu sou feliz para caralho com a minha vida conjugal, "mas essa ogiva nuclear me fodeu completamente. Pelo menos nesse fim de semana".
É aqui que a história dá uma guinada um pouco para pior. Meu amigo farmacêutico é o tipo de cara que está a cada semana com uma mulher diferente. Os namoros nunca duravam muito. Ele é pintoso e gente fina, então é o tipo de cara para quem chove mulher. E uma dessas mulheres era prima dela, uma mulher com quem ele saiu até por bastante tempo (quase seis meses) dentro dos parâmetros dele.
Ele não lembrava os detalhes, mas ela ficou "falada" na família por conta da crise no casamento. Casou nova, passou para um concurso público que pagava bem mal, mas pelo menos era um emprego garantido, e teve um filho logo no primeiro ano do casamento. No começo, parecia conto de fadas: os dois colegas de escola casam, passam em concursos públicos diferentes (naquele boom de concursos que rolou entre 2005~2010) e têm dois filhos bem rápido. Aos 22 anos, eles já tinham a vida "feita" para alguns padrões.
Mas isso não durou muito. Meu amigo farmacêutico não sabia dos detalhes, obviamente, mas o cara se arrependeu de ter casado tão cedo. Ela largou a faculdade para se dedicar aos filhos. Ainda assim, faltava tempo para cuidar dos dois. Ela largou o emprego público também para se dedicar às crianças e virou dona de casa em tempo integral.
"Ela passou em um concurso público de primeira, eles achavam que ia ser fácil entrar em órgão público mais tarde, quando as crianças estivessem maiores". Burrice do caralho, pensei. A procura por concurso público cresceu vertiginosamente e as vagas minguaram. Agora até os concursos mais bundas tinham altíssima concorrência.
Aparentemente, boa parte da família foi contra. A gente está falando de uma família de classe média baixa de um subúrbio bem quebrado. Para eles, aquela vaga no emprego público era a garantia de que ela teria estabilidade para a vida toda. Ela insistia que o marido tinha um emprego melhor e que eles economizariam tendo ela como dona de casa.
Passaram algum tempo juntos dessa forma, mas o cara ficou de saco cheio. Meu amigo não sabe se chegou a acontecer traição ou não, mas ele enjoou daquela vida. Achava que tinha casado muito cedo, que não tinha aproveitado a vida. Que os dois se precipitaram, que ele não tinha vivido. Que ele não queria ficar preso naquela vida desde tão cedo.
E meteu o pé.
Na família, segundo meu amigo, rolava um misto de pena e revolta com a menina pelas decisões dela. No final das contas, ela voltou para a casa dos pais, entrou em depressão e passou a viver em função dos filhos. Ela não conseguiu terminar a faculdade e jamais a reatou por causa deles também.
Caralho.
No caminho para casa, eu fiquei pensando o quanto aquilo era triste e curioso. Triste por razões óbvias. Curioso porque ela viveu o meu sonho. Sei que pode parecer besteira, mas meu sonho sempre foi casar e ter filhos cedo. Eu nunca fui um cara muito da pegação - até porque, como já disse aí, sempre tive a auto-estima muito baixa - e sempre quis ter uma família, meu sonho sempre foi ter filhos. E eu queria curtir os meus filhos o máximo que pudesse. Imagina você com 32 e um filho de 10 anos? Quanta coisa gostosa você não ia poder compartilhar, viver junto? Acho que o passar do tempo torna o abismo entre as gerações cada vez maior, o que dificulta essa aproximação entre pais e filhos. Em tempo, é só uma opinião pessoal. Não tenho filho, então não tenho muita voz nisso e posso estar redondamente enganado.
Ela viveu o meu sonho, mas tudo deu radicalmente errado. Hoje eu entendo como deve ser problemático casar cedo. Eu casei com 26, o que muita gente já chamaria de cedo hoje em dia. Mas caralho, casar aos 20? Eu precisaria ter certeza absoluta de que estava com uma ótima pessoa ao meu lado, mas é difícil a gente chegar a essa conclusão tão cedo. A maioria das garotas com quem saí entre meus 18~22 anos jamais estariam na minha lista de possíveis esposas hoje em dia. Algumas são minhas amigas até hoje, mas a grande maioria ganhou pensamentos e posições que vão contra quase tudo que eu acredito.
Tentei imaginar a vida dela agora. 32 anos, dois filhos, divorciada, sem faculdade e depois de largar um emprego público, morando na casa dos pais. Os posts e fotos dela no Facebook tem um quê de agridoce. Parece haver um amor incondicional pelos filhos e pelo desenvolvimento deles. Mas ao mesmo tempo parece haver uma triste por não ter aproveitado a vida. Encontrei até um post antigo em que ela nunca tinha andado de avião e sonhava em conhecer a Europa, postava fotos dos lugares que gostaria de viajar, lia livros sobre eles.
Eu sei que isso pode soar paternalista, mas tudo isso me pesava muito o coração. Me dava vontade de ir lá, de mudar a vida dela, de levá-la para Paris, Roma, Praga, Porto, as poucas cidades que visitei nas vezes em que fui para lá. Me dá vontade de correr para encontrá-la, abraçar, ficar com ela, conversar, qualquer merda.
Mas aí eu caio na realidade. Cá estou eu, casado, relativamente estabelecido, vivendo super de boa até sexta-feira. E se eu puxar uma conversa no Facebook para encontrá-la, chamar para um café pelos velhos tempos e falar que fiquei sem jeito de puxar papo com ela quando a vi na praça sexta-feira? O que eu vou dizer?
Depois de explicar porque saí do curso daquele jeito, 12 anos atrás, vou falar que era completamente apaixonado por era e que estava me sentindo feito um adolescente agora? Será que não vou adicionar mais um arrependimento para a lista dela, partindo do princípio que ela talvez também sentisse algo por mim à época? E se não sentia, de que isso serviria?
E não sei as consequências que vê-la pessoalmente podem ter. Sim, ela parece bem mais velha e o tempo não foi bom com ela. Mas eu ainda a acho linda e sinto um aperto no coração idiota toda vez que olho para as fotos dela no Facebook. Eu tenho medo de aparecer, me mostrar como algum exemplo da felicidade e bom senso (sim, já escutei de amigos meus que tenho a vida "perfeita demais" por conta do meu bom senso em geral, apesar de eu achar que tenho uma vida ok, só pautada pelo "pensar antes de fazer") que apenas acentue as más escolhas dela. Eu tenho medo de não aguentar e fazer merda, de estragar um casamento que vai bem para caralho.
Ela está aqui, a um clique de distância, e não sei o que fazer. Nem se devo fazer alguma coisa.
TL/DR: achei a menina no Facebook depois de chutar dezenas de sobrenomes diferentes. Ela está divorciada, largou um emprego público e parece estar numa fossa fodida. Eu não sei se devo fazer alguma coisa ou deixar esse feeling morrer e continuar vivendo deixando esse fuck up de ter sumido da vida da menina para trás.
submitted by tombombadil_uk to brasil [link] [comments]


2017.09.25 21:45 botafora01 Sinto que a minha vida já está traçada

Desde já peço desculpas pela muralha e pelo throw away
OK, desde o Ensino Médio eu sofria com algo que eu imagino 90% do Reddit sofreu: não conseguia pegar sequer resfriado. Era extremamente zoado pela sala toda por isso (meus amigos até hoje dizem que eu sou o único da turma que nenhuma mulher chegou), cheguei até a apanhar por isso. Só fui perder meu BV no meu ano de calouro na faculdade e a minha virgindade quando fui num bordel. Eu ficava triste com isso, mas também estava esperançoso: afinal, era um adolescente, estava entrando na faculdade, e todos sempre me louvavam por, segundo eles, eu ser muito inteligente. A menina que eu gostava na época, e que até hoje é uma amiga (e que eu passei a maior vergonha da minha vida, ao me declarar pelo fucking MSN), vivia brincando dizendo "O nerd de hoje é o cara rico de amanhã". Boas memórias.
Chegou 2013, e eu entrei na faculdade. Não fui maravilhosamente bem no ENEM, mas consegui uma bolsa integral em Administração em uma bela universidade. Escolhi Adm por pensar que o mercado estava bom e por ser noturna, o que me permitiria trabalhar. Nesse período, perdi meu BV e fiquei com outra menina uma vez, num espaço de 9 meses. Pra mim, isso era o ápice, eu era o deus da conquista, mesmo que meus novos amigos me zoassem de "pega ninguém" do mesmo jeito. Nessa época, eu baixei o Tinder e conheci o meu primeiro namorico, vamos chamar de Ana. Ana morava a 3h30 de viagem, então era praticamente um namoro à distância. Ficamos algumas vezes, 3 meses depois começamos a namorar e, depois disso, ela passou o mês seguinte dando desculpas para eu não ir lá. Chegou fevereiro, veio o carnaval, e ela disse que estava passando mal. Foi para o hospital e detectaram leucemia. Óbvio que eu pirei, queria ir pro hospital dela de todo jeito, mas ela nunca deixava, dizia que os pais me viriam, iria arrumar encrenca, ela iria ver um momento que estivesse sozinha. Se passaram 5 meses nesse tormento, hora ela dizia que estava boa, hora dizia que estava mal, quimio e afins, até que meus amigos de sala fizeram uma intervenção comigo, mostrando que não havia nada em rede social nenhuma dela a respeito de câncer, mostrando que ela estava postando normalmente sobre coisas cotidianas e que era a maior retardadice do mundo eu não ter ido nenhuma vez ver ela. Eu fiquei meio balançado, até porque meus pais concordavam com este ponto de vista, mas fiquei meio irregular com ela. Pouco mais de um mês depois disso, ela disse que tinha tido alta, tinha encontrado um ex, tinha ficado com ele e queria terminar. Não lamentei muito, até porque isso ocorreu em um espaço de uma semana, no máximo. Terminei e, desde então, ouvi dela duas vezes na vida. Passou.
Vale mencionar que, nesse meio tempo, a minha vida em casa havia melhorado demais: durante meu período de Ensino Médio, minha adolescência se resumia a passar finais de semana com minha mãe em bares, vendo ela entrar quase em coma alcoolico com as amigas e outros finais de semana na casa do meu pai, vendo ele ficar bêbado e chorar no meu ombro sobre ele ser um fracassado que não conseguiu sequer manter um casamento. Quando eu terminei, minha mãe já estava mais centrada (como está agora), saindo ocasionalmente e socialmente, e meu pai parou de beber após enfartar e voltou a ser o cara extremamente trabalhador que eu sempre admirei. No fim do meu primeiro ano de faculdade, eu passei a estagiar em um instituto federal. Ao mesmo tempo do término que eu disse acima, eu fui chamado para um concurso temporário, em outro órgão público, bem mais perto de casa.
Poucos meses após eu terminar com a Ana, entrou em cena a pessoa que eu, de fato, considero como a única que eu namorei. Vamos chamar ela aqui de Beatriz. Beatriz me chamou no Facebook, para brincar sobre uma postagem que eu havia feito (já havíamos tido pequeno contato ainda no colégio), e daí começamos a conversar. Dois meses depois, ficamos e, 5 meses depois, começamos a namorar. Ela perdeu a virgindade comigo e, na prática, eu também perdi com ela (transei com prostitutas umas 4 vezes antes. Fiz exames, por precaução, e não deram nenhum reagente). Eu aprendi demais a me aceitar com ela, nós tínhamos a mesma personalidade, ela era a primeira pessoa que não só não me julgava por meus interesses, como me incentivava a seguir eles. Não me cobrava nada, eu não cobrava nada dela, mas conversávamos de forma quase ininterrupta das 7 até meia noite. Com ela, no entanto, eu descobri algo que já havia visto antes nos bordeis: não sei o que me causa, mas com certeza eu tenho ejaculação precoce. Fui em um urologista, que me disse que era algo psicológico, que eu só precisava "me desligar". Tentei os exercícios que o próprio Reddit indica, mas nunca funcionava. Usei camisinha anestésica 2 vezes: uma vez foi uma maravilha, na outra estourou e eu traumatizei. Sempre me sentia extremamente culpado e furioso comigo mesmo após cada fim de penetração, mas o que atenuava era a presença dela, que sempre me dizia que não ligava, que eu conseguia deixar ela no céu somente com as preliminares, que não ligaria de passar por isso por não sei quanto tempo. Tudo que eu me julgava errado, ela me mostrava que não ligava. Eu me sentia num porto seguro com ela, e isso me impulsionava na faculdade: eu imaginava que iria me formar em um emprego na iniciativa privada, sem "data de validade" como meu emprego temporário, e que, 1 ou 2 anos após isso, estaria casado com ela. O único motivo de discussão que tínhamos era que ela tinha total ojeriza de tornar público: não podia postar nada com ela no Facebook, não podia atualizar status de relacionamento, não podia ir conhecer os pais dela, que "iriam proibir completamente". Mesmo os amigos eu só vi 2 vezes (uma outra vez eu não pude ir por motivos profissionais). Eu sempre entendi que isso era um receio dela, então, mesmo um pouco frustrado, eu aceitava. No que eu terminei minha monografia, estava preocupado com a questão do mercado, mas nada demais. Até que veio o dezembro, 1 ano e 4 meses após começarmos a ficar.
Eu estava na faculdade, pegando os convites de formatura, quando ela mandou o tradicional "precisamos conversar". Resolvemos por texto mesmo: ela disse que gostava de outra pessoa, e que se sentia culpada namorando comigo com interesse em outro. Aceitei, triste, e demos um tempo. 2 dias depois, um amigo me manda uma foto no perfil de um rapaz, que era o mesmo que ela gostava: ambos deitados, ela de top e ele sem camisa, e uma descrição bem...insinuante. Óbvio que eu pirei, liguei para ela, tivemos uma baita discussão, mas, depois disso, esfriou. Acabamos nos vendo, e ficando de novo. Ela terminou com o rapaz, mas ainda jurava de pés juntos que aquela foto era uma coincidência, que ela não havia me traído, que jamais faria isso, que era íntegra. E ficamos uns bons 3 meses indo e voltando até que, em abril, ela me mandou um testamento contando tudo: numa segunda, ela estava na casa de uma amiga, com este rapaz e o cara que a amiga estava pegando. A amiga e o peguete dela começaram a dar uns amassos no local e, segundo ela, ela não conseguiu "resistir" e montou no cara. Uma traição espetacular, que até hoje eu uso como humor auto depreciativo. Fiquei em choque por um tempo, mas, contra os conselhos de todos, perdoei ela e voltamos a namorar. Mas não era a mesma coisa. Ainda era maravilhoso por um aspecto, mas, por outro, ela estava insegura com o relacionamento (dizia que se sentia culpada por ter "estragado tudo por um impulso") e eu estava inseguro com tudo, precisava de validação dela pra tudo, principalmente no que tangia sexo. Eu já era inseguro sexualmente antes, agora era 3x mais, então eu basicamente a induzi a me contar toda a experiência sexual dela com ele, até eu me sentir menos perdedor. No entanto, eu estava começando a me recuperar em junho, estava me reencontrando, entendendo que estava apertando ela desnecessariamente (uma amiga teve essa conversa esclarecedora comigo). Então, tanto como solidificação como um pedido de desculpas, eu planejei uma viagem para nós, no dia que ficamos pela primeira vez, que cairia num sábado. Disse para ela os planos, ela ficou elétrica, empolgada, começou a me mandar links do local, brincar com meus planejamentos e afins...e, na semana seguinte, pediu para terminar. Disse que nunca esteve certa sobre nós termos voltado, que ela ainda me amava, que ainda sentia tesão comigo, mas que não se sentia pronta para um relacionamento sério, e "não queria me magoar". Aceitei, até mantive o contato, pq, nesse meio tempo, ela virou a minha melhor amiga. Mas o mesmo amigo da vez anterior me mandou um print de uma conversa dela com a irmã dele, dizendo que tinha terminado por estar afim de outro cara, e eu reconheci o sujeito: era um cara que ela falava horrores bem dele, "ah, fulano fez isso, fulano fez aquilo, me ajudou com x, um cara foda, faz não sei o que". Não sei se ela me traiu, mas tal conversa era de 1 dia e meio após termos terminado, e ela já havia ficado com tal cara. Não sei se ela me traiu de novo, mas a confrontei (não falei do meu amigo, obviamente, disse que a vi na rua) e ela manteve que não me traiu, mas que, dessa vez, poderia ficar com quem quisesse pq "fez a coisa certa". Eu disse que não conseguiria conversar com ela enquanto ainda tivesse sentimentos, ela disse que entendia, mas que queria saber de mim, que eu ainda era "o melhor amigo" dela.
Isso faz um mês e meio. Eu não consigo deixar de me sentir mal. Eu podia ter feito tanta coisa melhor, mas não fiz. Ela me traiu, possivelmente duas vezes, e tudo que eu consigo fazer é me culpar. Eu só não a chamei ainda pq imagino ela ficando com esse cara, que é melhor que eu em tudo: mais bonito, com uma barba farta de lenhador, com uma carreira já estabelecida, carro na garagem, mora sozinho e afins. O que me leva ao lado profissional: a sala da faculdade se reuniu para um churrasco há 3 semanas, estávamos conversando sobre empregos e eu concluí algo: apesar de que eu (e eu sei quão arrogante isso soa) ter feito que metade da sala ganhasse um diploma, eu sou o único dali sem um emprego minimamente fixo e tenho um salário que é o menor de todos, com vantagem. Todos falam que eu vou ganhar 3k, 4k logo, mas eu já cansei de tomar portadas de empresas. Gasto com passagem, gastei com um terno novo, gravata, e tudo que eu consegui foram muito obrigados, mas uma parcela da minha sala que literalmente não consegue entender que 50% e 0,5 são a mesma coisa (eu tive que ensinar manualmente regra de 3 simples e cálculo com números decimais quando estudamos Matemática Financeira) estão em empregos bons na iniciativa privada, comprando casas e carros. E, de todos ali, só uma me arrumou entrevista na empresa dela (que eu não consegui, principalmente por dita empresa estar num processo de fusão). Quatro conversam ocasionalmente, e o resto só entra em contato pedindo para que eu faça para eles provas de inglês de processos seletivos ou provas da faculdade (para os que ainda não se formaram).
Eu estou fazendo Contabilidade agora, vendo se consigo recomeçar, mas estou extremamente desiludido. Não sei o meu problema, mas o que eu imaginava quando entrei na faculdade não aconteceu. Eu sou um total fracassado no mercado de trabalho, e dificilmente vou conquistar algo além de pular de trabalho em trabalho de escritório, para tirar 2 salários e soltar rojão de alegria por não estar desempregado. Na verdade, eu já imaginava algo nessa linha desde o último semestre, mas, além da esperança mínima, eu carregava que iria ter uma família. Alguém me aceitava, alguém me amava. Hoje, eu vejo que nem isso. Nesse mês e meio pós-término, eu percebi como meu stock está horrorosamente baixo. Ouvi diretamente de uma estranha (no Tinder, vale dizer) como eu sou "feio, com cabelo estranho e roupas deprimentes". A maior parte dos meus amigos disse que eu vou achar alguém, mas só uma amiga me apresentou para alguém (Spoiler: eu quis levar pra amizade pq esta pessoa demonstrou 0 interesse romântico em mim, mas temos muitas afinidades de gostos. Não quero que alguém legal se perca só por não querer abrir as pernas pra mim em qualquer futuro).
Então, qual a conclusão? Para relacionamentos, eu sou a tempestade perfeita: meus gostos não são nada pop, meu estilo de roupa desagrada geral, minha voz é deprimente, eu sou lerdo, distraído, amo entrar em rants gigantes quando me empolgo (vide este texto) e, mesmo que alguma garota um dia resolva passar por isso tudo, o prêmio dela será ter de viver com sexo oral recheado por 30s de penetração, num dia bom. Nenhuma mulher no mundo quer se relacionar com um homem que precise fazê-la ter um orgasmo com masturbação pq não aguenta chegar a 1min de penetração. Ou seja, eu até posso tropeçar em alguma peguete (sim, essa é a palavra, tropeçar. Um incidente do acaso, como foi com a minha ex), mas nenhuma jamais chegará a ser de longo prazo. Dificilmente eu terei uma família. E, sem uma família, não há nada para contrabalancear o fato de que eu sou um fiasco profissional. O "menino gênio" do colégio, o "cara que vai ganhar 7000 daqui 3 anos" da faculdade nada mais era que uma pessoa com um par de neurônios no meio de um grupo de pessoas com bases educacionais mais fracas que a minha e, principalmente, sem interesse algum em estudar. Numa sala focada, eu teria de me esforçar para estar no meio do pelotão. Eu sou mediano intelectualmente e, profissionalmente, sou um lixo que não conseguiu fazer networking na faculdade e, hoje, irá ter de viver de escritório em escritório, sem nenhum breakthrough.
Minha vida parece estar desenhada para ser a definição de um fiasco, de um total e completo desperdício de oxigênio. Mas eu tenho uma missão: cuidar dos meus pais. Ambos dependem demais de mim psicologicamente, ambos me amam mais do que qualquer outra coisa. Sem a minha presença aqui, a vida dos dois colapsaria. Sinto que eu só vim ao mundo para ser o pilar da vida de ambos. Então, eu tenho que ir empurrando a minha vida enquanto ambos estão vivos, tentando ao máximo não embaraçar eles mais. Decidi que vou viver a vida no limite nesse meio tempo: finalmente comecei a fazer academia (minha postura sempre foi torta e, nos últimos 2 meses, eu ganhei peso. Quero eliminar essa pança antes que ela vire um problema), fui ao Maracanã mês passado ver a ida da Copa do Brasil (sou de MG), devo receber uma indenização boa quando sair daqui e estou planejando um mês de curso de inglês na Europa (meu inglês é bom, mas não é perfeito e isso sempre me incomodou horrores, sem falar que conhecer a Europa é O sonho que eu tenho de vida). Será o meu maior highlight, e a única loucura que eu me permiti fazer. Quando voltar, vou fazer o que gosto e, mais importante, vou cuidar dos meus pais, de tudo que eles precisarem de mim.
Não sei o que o futuro reserva pra mim, mas, pensando com lógica, eu devo chegar nos meus 35/40 anos quando ambos meus pais falecerem. Quando isso acontecer, serei um solteiro entrando na meia idade, possivelmente com pouca experiência sexual que não envolva garotas de programa, num emprego pouco satisfatório e sem nenhum amor que tenha sido recíproco e que não acabe na mulher se cansando de um cara patético e percebendo que praticamente qualquer coisa é melhor que eu. Será covardia, alguns sentirão tristeza, mas será temporário, todos irão superar, e haverá um pouco mais de oxigênio no mundo.
A minha mente ainda tenta, em alguns momentos, achar alguns cenários de ilusão, de que algum milagre irá acontecer, mas não irá. Eu sei que não. Profissionalmente eu fracassei. Academicamente eu fracassei. E, amorosamente, eu também fracassei. Vi que não basta achar alguém que aguente a minha personalidade, ela não irá suportar alguém que trata preliminares como Evento Principal, e eu irei morrer com esta condição.
Por mais paradoxal que seja, pensando assim eu estou aprendendo a abraçar o que eu gosto. Eu gosto de ler. Eu gosto de sair para comer e voltar para casa. Eu gosto de esportes. Eu gosto de escrever. Eu gosto de viajar. Não vou mudar o que eu gosto pelos outros, até porque será inútil, resolver um sintoma não cura a doença, e não há remédios o bastante para curar todos os sintomas dessa doença chamada eu. Fico feliz pelos meus pais existirem, pq, se não fosse por eles, eu teria sido um fiasco absoluto em vida. Fico feliz pelo meu último namoro, pq eu nunca me senti mais feliz do que numa tarde de sábado, quando ela disse "te amo" pouco antes de cochilar no meu peito. Eu fui feliz com o amor, e, por causa dela, eu aprendi que todo relacionamento que eu entrar, obrigatoriamente, terá um fim unilateral. Eu vou ser feliz com meus outros desejos, concluir meus hobbies, fazer o que eu gosto, e cuidar de quem me ama incondicionalmente, até o fim deles. Dali, serei eu que terei meu livramento.
Eu precisava contar isso pra alguém, mas não quero que tratem isso como um pedido de ajuda, pq não é. Meu real objetivo de vida sempre foi ter uma família minha, ter um filho em uma casa estruturada e passar meu conhecimento adiante. Eu já sei que, por questões psicológicas e físicas, isso jamais acontecerá. Quando meus pais se forem, eu literalmente não terei mais o que fazer aqui e, se tudo der certo, eu terei realizado ao menos uma parcela boa dos meus outros sonhos. Eu estou tranquilo quanto a isso. Talvez ainda sinta, de novo, a dor de ver alguém me trocando por outra pessoa melhor, mas agora eu sei que isso acontecerá. Doerá menos, eu espero. E, se nem isso eu conseguir, bem...dois salários por mês dá para pagar por sexo.
De novo, desculpem pelo texto gigante.
tl;dr: Todos confiavam em mim, todos achavam que meu futuro seria brilhante. Meu futuro será medíocre, patético e, ao menos, tem uma data para acabar
submitted by botafora01 to desabafos [link] [comments]


2016.01.20 02:17 criptonauta CARTA DE RICK FALKVINGE SOBRE O HARD FORK DO BITCOIN E RUMOS

CARTA DE RICK FALKVINGE NA SUBREDDIT /BTC SOBRE O HARD FORK DO BITCOIN E RUMOS Traduzido por Criptonauta – https://reddit.com/useCriptonauta
Alguns conselhos para o Classic e apoiadores
Então parece que o hard fork está acontecendo. Muitas pessoas têm lutado duro e por bastante tempo para aumentar o limite do blocksize, usando maneiras variadas, e parece estar finalmente acontecendo.
O Core não aproveitou a última oportunidade disponível para incluir um aumento do limite do blocksize no 0.12, mas anunciou um candidato a lançamento sem essa característica. Então é isso, é quando o fork acontece ou não acontece. Nesse momento, baseado no apoio anunciado, o fork parece estar seguindo adiante. Muitas pessoas que apoiam o Classic estão sentindo um grande alívio, mesmo se pessoas saibam que esse esforço não está feito até que o gatilho do blocksize tenha sido ativado na rede. Está longe disso nesse momento – nem mesmo há um código lançado. Mas tudo parece estar indo na direção certa.
É importante refletir sobre como isso é mais do que uma discussão sobre funcionalidades. Essa é uma eleição do que as pessoas decidem vem a decidir as funcionalidades direção, qualidade e visão seguem adiante. E como Satoshi declarou, há apenas uma coisa que determina o resultado da eleição: qual código está produzindo a corrente mais longa. É assim que a democracia do bitcoin funciona, bem assim.
Essa não é uma seleção de funcionalidades. É muito maior do que isso. É uma eleição de governança e administração para o futuro.
Como na maioria das eleições, sempre há muita animosidade – em ambas as direções. Assim, calcanhares bateram firme, valas se tornaram trincheiras e preferências se tornaram prestígio, as pessoas estão começando a chamar umas às outras e a acusar o outro lado por não trabalhar no que é melhor para o bitcoin, e ativamente citando nomes específicos em contextos negativos.
Quando aqueles no poder fazer isso a você, você está sentindo tudo no livro entre ressentimento, menosprezo e ultraje. É fácil fazer a mesma coisa de volta. Há até mesmo sugestões de que o Core está deliberadamente sabotando o bitcoin em benefício de... uma seleção de atores.
Isso cria uma cultura tóxica levando ao ponto da eleição, onde as pessoas estão com medo de tomar atitudes positivas ao bitcoin em antecipação de toda a atenção negativa que se segue – pois em tal ambiente, praticamente toda a atenção será negativa.
Isso não ajuda aquelas pessoas incumbentes de posições de poder tenderem a “fazer aquilo que elas devem, porque elas podem” de forma a preservarem o status quo, não importa o quão pequena ou insignificante aquela incumbência seja – isso inclui tudo desde o apagamento de discussões pelo Theymos, via tolos ataques DDoS a nodos XT, à venenosa requisição de pull ao Classic, sobre matar todo o investimento em hardware de mineração. Ações como essas não são totalmente desculpáveis, mas eles ainda são humanos: pessoas tendem a cometer o erro muito humano de deixarem os fins justificarem os meios, com os fins sendo aquilo que acreditam ser o melhor para a rede bitcoin.
É claro, outras pessoas discordam do que é melhor para a rede bitcoin, e a toxidade segue até que o conflito seja resolvido. E além. A toxidade irá permanecer até que ativamente removida pela liderança.
É a responsabilidade do vencedor em qualquer racha terminar a tóxica cultura de animosidade de hostilidades e adversarialismo pessoal. Eu não posso reforçar isso o suficiente.
A história é cheia de exemplos onde os vencedores se recusaram a viver junto com os perdedores e reconstruírem juntos o mundo uma vez que o conflito foi resolvido. Isso nunca termina bem. Por outro lado, onde o oposto é verdade – o fim da segregação da África do Sul por Mandela como presidente me vem à mente como um bom exemplo de liderança aqui – pessoas aprendem a deixar a animosidade para trás.
Existe um thread muito upvoted sobre manter a moral alta no /btc, o que me faz feliz. Contudo, um esforço como o que estou descrevendo vai além de não se comportar mal. O lado vencedor deve ativamente assumir a responsabilidade pela reconciliação.
Muitas pessoas que submeteram código para o Core (e anteriormente) são coders habilidosos, e no final, trabalhando por suas visões. Essa visão não tem que ser incompatível com a visão do Classic, de forma alguma – pode ser apenas uma questão de prioridades de funcionalidades levemente diferente, com pessoas pretendendo colocar tudo lá, de qualquer modo.
Isso assume, é claro, que o hard fork ocorra. Nós ainda não estamos lá. Não tenha o sucesso como garantido; muitos projetos falharam por terem o sucesso como garantido.
(Eu também gostaria de saudar Jonathan Toomim por não participar do racha, e ao invés disso se focar em solucionar o problema para a aceitação da maioria das pessoas. MVP reais aqui.)
Alguns conselhos para o Core e apoiadores
É fácil sentir ressentimento nesse estágio, ter feito tanto trabalho duro e escrito tanto código de alta qualidade e ainda receber uma tempestade de merda por isso. Quando eu estava liderando o Partido Pirata Sueco no Parlamento Europeu, fui gradualmente me acostumando em receber uma barragem de granadas de críticas por tudo que eu fazia e pelo que não fazia, todos os dias, começando com quando eu havia ou não me levantado da cama pela manhã.
É muito difícil explicar o que isso faz à sua psique para alguém que não tenha passado por isso. Imagine que todo mundo está lá fora para pegar você, todos os dias, e lhe dando um esporro alto, o culpando por tudo, desde a laranja ser redonda até a má interpretação por um Mongol sobre o que você disse três anos atrás.
Não estou exagerando quando eu digo que as pessoas provavelmente poderiam piscar os olhos e irem usar camisas de força por muito menos.
Mas o ponto crucial quando se está numa posição de liderança é que, receber críticas por absolutamente tudo, é manter sua habilidade para classificar as críticas mais relevantes das dos motoristas no banco de trás, que fazem a vida de reclamar mas não contribuir. Você também tem que confiar em sua bússola interna da visão que você quer alcançar.
Do que eu posso dizer, o Core cometeu o erro comum, mas crucial, de se isolar da comunidade e assumir a posição de expert quando todo mundo mais está confiando nessa bússola interna sobre críticas externas, onde o Core está de alguma forma certo por definição – o desenvolvimento ocorre da forma quiser, ponto. Isso é muito perigoso para qualquer projeto open source / software livre. Outras pessoas são tão inteligentes quanto e podem ter experiência e habilidade consideráveis para avaliar as alegações feitas, e elas deveriam, não, devem ser seriamente levadas em consideração.
Para ilustrar apenas um ponto, vamos dar uma olhada aqui na solução de escala do Core, Segregated Witness.
Quando aplico minha experiência não-trivial em programação e design de sistemas – eu comecei a programar 37 anos atrás – eu vejo essas duas opções para escalar o bitcoin em curto prazo:
OPÇÃO UM – Mudar o limite do blocksize, aumentando para dois megabytes. Uma linha de código para a constante, aproximadamente dez LOCs para ativação do trigger lógico. Requer o upgrade de uma maioria de softwares de servidores.
OPÇÃO DOIS – Introduzir Segwit. Aproximadamente 500 linhas de código novo, dos quais pelo menos 100 no código hipersensível de consenso. Requer o upgrade da maioria dos softwares de servidores e todos os clientes/softwares de wallet e hardware de cliente/carteira, especialmente aqueles que precisam pagar dinheiro por um endereço arbitrário (como o Segwit apresenta um novo tipo de endereço que tanto o remetente quanto o destinatário devem lidar).
Quando os proponentes da escalabilidade do Core me dizem que a Opção Dois aqui é melhor porque é mais segura e tentam me fazer compreender essa afirmação, ou eu sou completamente insano ou a declaração é equivalente a “preto é branco e em cima é em baixo”. Não é somente contra toda a experiência em gerenciamento de risco em engenharia de software, é algo que vai tão longe que não reflete mais a luz do sol.
Quando eu tento entender mais e desafio a asserção de que a Opção Dois é mais segura – sobre o que devo dizer que são fundamentos muito bons – me é dito que eu deveria deixar o design para os experts e que eu não entendo o suficiente da complexa máquina que é o bitcoin. Eu sei, eu sou capaz de aprender complexidades, mas eu sou firmemente dito para nem tentar.
Essa não é a forma como teve sucesso em manter a comunidade. Isso não é como você quer fazer com que as pessoas usem seu código.
É claro, as pessoas são livres para rodarem quaisquer códigos que gostem. Mas as verificadas e balanços em uma comunidade de código aberto é simples: se a liderança por um projeto constrói algo diferente do que as pessoas querem rodar, elas irão rodar alguma outra coisa. É, portanto, do interesse da liderança escutar que software a maioria da comunidade quer usar. Esses interesses que competem fornecem as verificações e balanços.
Agora, eu entendo as complexidades de uma transferência de bloco vezes através do firewall chinês e que testes preliminares indicam que um full node típico está saturado com um bloco de 32 megabytes. Todavia, nenhum desses limites será alcançado por esse escalamento em particular. Também, quando indo por uma senda como essa, você trabalha em um problema por vez, resolve um gargalo por vez. As pessoas vêm sinalizando pela necessidade de aumentar o blocksize por... eu não tenho as datas aqui em mãos, mas deve ser por boa parte do ano, se não mais. Mais adiante no caminho, escalar a capacidade dos nodes pode ser feito de uma série de formas, desde GPUzar ECDSA para hardware especializado, mas isso não é o gargalo iminente.
Quando tal enorme quantidade de dados cruciais (na necessidade de aumentar o limite do blocksize) é ignorado, isso é feito sob o perigo do projeto.
As pessoas na comunidade bitcoin são geeks inteligentes, capazes de inalar quantidades absurdas de informação e cruzar referências entre todas elas. Se você é incapaz de explicar por que sua solução é melhor do que outra proposta, as pessoas ficarão extremamente insatisfeitas com a resposta “porque somos experts” – pois você deve assumir que outras pessoas na comunidade, em caso geral, são pelo menos tão inteligentes ou mais do que você é. É até mesmo possível que se você não puder explicar sua solução para uma mente aberta e inteligente, ela não seja uma boa solução.
Finalmente, algumas reflexões pessoais Infelizmente, eu acredito que o desenvolvimento do bitcoin perdeu o tato com necessidades de larga-escala durante o ano passado. No momento, há três casos de uso que todas as novas funcionalidades deveriam buscar melhorar:
Transferência de Remessa (Remittance): O ato de enviar dinheiro entre indivíduos em países diferentes.
Substituição de cartões de crédito: das perspectivas de tanto o pagador quanto do comerciante (dois casos de uso diferentes). Isso significa que um pagamento deve ser instantâneo, fácil, e muito mais barato do que uma operação via cartão de crédito. Esses três casos de uso diferentes devem ser frontal esquerda, direita e centro quando fazendo qualquer design na rede blockchain, até onde sei. Eles também reforçam a cada um quando fundos recebidos por remittance não tem que ser convertido em fiat para ser usado na compra de algo.
Se não houver lucro a ser feito no uso do bitcoin como substituto de pagamentos via cartão de crédito, bitcoin não será usado em escala. Desdobramento e ultrapassar sistemas legacy dependem inteiramente de ganhos financeiros na comercialização. A história começa e termina com essa observação.
É por isso que estou preocupado quando olho as características do 0.12. Não vejo nenhuma funcionalidade tendo como alvo algum desses três casos de uso. Fato é, eu vejo pelo menos uma funcionalidade degradando severamente a capacidade de substituir os cartões de crédito – RBF – e a falta de escalabilidade colocando em risco severamente, para não dizer removendo definitivamente, a lucratividade em substituir os cartões de crédito.
O que eu vejo, ao invés disso, é a engenharia pela engenharia. A pergunta de “quem é o cliente?” parece ter se perdido no processo. Enquanto é discutível que não haja clientes em um projeto open-source, de qualquer forma há uma importância em compreender onde os pinos da bola de boliche estão para uma tecnologia disruptiva como essa – e certamente não é no tempo de inicialização de um novo node. Eu argumentaria que, ao invés disso, os pinos da bola de boliche são os três casos de uso que listei acima, e adoraria ver um foco mais forte em casos de uso tangíveis indo em frente mesmo se as pessoas discordarem com minhas escolhas de casos.
Para o alto e avante. O bitcoin irá se recuperar e continuar.
Vamos todos aprender com essa experiência.
submitted by criptonauta to oBitcoin [link] [comments]